Fotografia

Imagem de filhote de jacaré vence Concurso de Fotografia do WWF-Brasil

Gabriela Schuck de Oliveira ficou em primeiro lugar ao clicar um filhote-do-Pantanal. Objetivo do concurso é divulgar a importância das Áreas Protegidas do Pantanal

Daniele Bragança ·
20 de novembro de 2019 · 2 anos atrás

O Fundo Mundial para a Natureza (WWF-Brasil) divulgou nesta terça-feira (19) os campeões do concurso de fotos da natureza ‘áreas que protegem a vida – Pantanal’. A principal premiada foi a gaúcha Gabriela Schuck de Oliveira, de Porto Alegre, que registrou um filhote de Jacaré-do-pantanal (Caiman Yacare) na Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN) Sesc Pantanal.

A 1ª colocada ganhou uma câmera fotográfica. A escolha dos primeiros colocados foi feita por voto popular a partir de 30 fotos selecionadas por especialistas, dentro de um total de mais de 300 imagens inscritas do Brasil, Bolívia e Paraguai.

“Estamos contentes com a repercussão e a participação da sociedade. O engajamento da população também foi fundamental. Ao todo recebemos 2580 votos e tivemos que prorrogar por mais um dia a segunda etapa de voto popular e também aumentar o quantitativo de fotos finalistas, uma vez que recebemos uma quantidade muito grande de belas imagens”, diz Júlio Sampaio, gerente do WWF-Brasil para Cerrado e Pantanal.

O concurso foi promovido pelo WWF-Brasil, WWF-Bolívia, WWF-Paraguai e também pelo Pacto em Defesa das Cabeceiras do Pantanal, uma aliança formada por instituições governamentais e da sociedade civil. Recebeu financiamento da União Europeia, por meio do Projeto PASOS.

Prêmio – Áreas que protegem a vida – Pantanal

1º lugar: Câmera Sony Alpha A6400 Mirrorless com Lente 16-50mm.

2º lugar: Câmera Gopro Hero 7 Black + Cartão 32GB Sandisk Extreme.

3º lugar: Kit Tripé Manfrotto MK190XPRO3-3W com cabeça 3-WAY pan/tilt.

4º lugar: Mochila Manfrotto Advanced Active.

Confira os vencedores:

2º lugar – Henrique Seiko Arakaki – Ribeirinho passando por um dos Corixós do Pantanal. Local: RPPN Fazenda Acurizal e Fazenda Penha, Corumbá, Mato Grosso do Sul. Crédito: Divulgação/WWF.
3º lugar – Guilherme Giovanni. Capivara emergindo com uma flor de camalote. Local: Baía Negra – Corumbá MS. Crédito: Divulgação/WWF.
4º lugar – Aline Santana da Hora – Momento de pura apreciação de um predador de topo de cadeia. Local: Parque Estadual Encontro das Águas. Crédito: Divulgação/WWF.
  • Daniele Bragança

    É repórter especializada na cobertura de legislação e política ambiental. Formada em jornalismo pela Universidade do Estado d...

Leia também

Notícias
7 de junho de 2017

Onça viva vale muito mais do que gado morto

Estudo demonstra que viver ao lado de onças pode ser bastante lucrativo, mesmo se forem considerados prejuízos causados por ataque ao gado

Reportagens
2 de julho de 2019

Projeto Documenta Pantanal coloca a região em evidência para promover sua conservação

O projeto propõe documentar a beleza e a biodiversidade do Pantanal por meio de fotos, livros e vídeos, mostrando seu potencial turístico e econômico e a urgência em conservar este patrimônio natural

Salada Verde
8 de novembro de 2017

Desmatamento do Pantanal já consumiu 18% do bioma

Especialistas apontam formas de como conter a devastação e acentuam a importância econômica da região. Por ano, a destruição custa R$ 19 milhões para a sociedade

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 3

  1. Tio Sam diz:

    Faltou explicar de onde veio a tinta vermelha, e/ou fenomeno que causou o efeito…?


    1. danyrius19 diz:

      Boa tarde, tio Sam. Vc tem razão. Faltou. Segundo a assessoria de imprensa do WWF-Brasil, as manchas são de algas vermelhas. Abraços.


  2. Paulo diz:

    Parabéns a iniciativa e aos participantes.