Notícias

Gritaria cresce contra Belo Monte

A construção da polêmica usina hidrelétrica no rio Xingu gera protestos em audiências públicas no Pará. Seis mil pessoas comparecem para reclamar do projeto. Veja fotos

Redação ((o))eco ·
15 de setembro de 2009 · 12 anos atrás


Fotos: Marcelo Salazar/ISA
 
A terceira audiência pública sobre a hidrelétrica de Belo Monte aconteceu ontem em Altamira (PA), sob pesados protestos (imagem acima). Cerca de seis mil pessoas foram vigiadas de perto por mais de 300 agentes (inclusive da Polícia Federal). Conforme entidades civis, moradores daquela cidade paraense e região, agricultores familiares, indígenas, comerciantes, políticos, funcionários de governo, fazendeiros, movimentos sociais e pesquisadores debateram por 11 horas os prós e os contras da usina. Sempre sob vaias, gritos de protesto, aplausos, apitos e tambores. A reunião ganhou calor com a solicitação de nulidade das atuais audiências pelo procurador da República Rodrigo Timóteo Costa e Silva e pelo promotor de Justiça de Meio Ambiente, Emério Mendes. Isso porque a prerrogativa da presença do Ministério Público na mesa diretora (prevista em lei) não foi respeitada e porque o formato das audiências não garantia a participação efetiva da população.

Entre as questões levantadas por movimentos sociais perante o empreendimento, estão: Se Belo Monte for construída, para onde irão ribeirinhos e pequenos agricultores expulsos de suas terras? Quais as distâncias, a localização e os tamanhos das propriedades para onde seriam realocados? Qual a situação fundiária das áreas previstas para realocar a população urbana de Altamira, que será deslocada? Quais os impactos do grande contingente populacional que virá para a região durante a obra e depois de concluída, visto que somente 700 pessoas ficarão empregadas (segundo o EIA, 18.700 pessoas seriam diretamente contratadas, chegando a 98 mil pessoas no total?

Saiba mais:
Belo Monte, goela abaixo não
MP processa presidente do Ibama
Alguém explique, por favor?
Carnaval na floresta
A escalada do licenciamento federal


Leia também

Reportagens
2 de dezembro de 2021

Secas recorrentes afetam a capacidade de recuperação da Floresta Amazônica, alerta estudo

Nas últimas duas décadas, a Floresta Amazônica tem sido impactada por secas cada vez mais intensas e frequentes. As mais severas ocorreram em 2005, 2010 e 2015

Notícias
1 de dezembro de 2021

Amazônia acumula 73 mil focos de incêndio em 2021, segundo dados do INPE

Há menos de uma semana, Bolsonaro voltou a afirmar que “floresta úmida não pega fogo”. Número de queimadas no Pampa segue em alta

Notícias
1 de dezembro de 2021

Audiência Pública discute projeto de lei que quer municipalizar áreas de preservação em Angra dos Reis

Projeto que altera gestão da APA Tamoios é da deputada Célia Jordão, esposa do prefeito de Angra. Cerca de 40 organizações se manifestaram contrárias ao PL

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 1

  1. Treep diz:

    Vejo como de extrema importância a preservação dessas areas,
    o turismo agradece e deve ser feito de forma consciente.
    Não sei o que é melhor, mas com o governo atual, municipalizar talvez não seja tão ruim , desde que seja com leis próprias que garantam manter preservado e fiscalizado.