Notícias

Lixo eletrônico em progressão

Pesquisa mostra que 67% dos americanos não conhecem restrições ao descarte de lixo eletrônico. Mundo terá 73 milhões de toneladas de e-waste em seis anos

Redação ((o))eco ·
30 de outubro de 2009 · 12 anos atrás

Artigo publicado hoje (30) na revista Science mostra que 67% dos americanos não conhecem as restrições e políticas voltadas para o descarte de lixo eletrônico nos Estados Unidos e que faltam políticas públicas e fiscalização adequada no país para reciclagem e eliminação de substâncias danosas dos produtos eletrônicos. Realizada por pesquisadores da Universidade da Califórnia, o estudo indica que, em cada residência americana, estejam guardados, em média, pelo menos quatro itens de lixo eletrônico pequeno (com 4,5 quilos ou menos) e entre dois e três itens grandes (com mais de 4,5 quilos), o que representaria 747 milhões de itens, com peso superior a 1,36 milhão de toneladas.
 

*

Relatório da Pike Research, empresa americana de consultoria e pesquisa, diz que o descarte de lixo eletrônico no mundo atingirá seu ápice em 2015, quando o descarte atingirá a incrível marca de 73 milhões de toneladas de computadores e celulares e iphones, e-books etc.

Leia mais:
Impactos do desenvolvimento tecnológico

 

Leia também

Notícias
19 de outubro de 2021

Adote um Parque ganha nova fase com unidades de conservação da Caatinga

Nova etapa do programa de adoção das UCs criado por Salles terá foco em trilhas e incluirá dez áreas protegidas da Caatinga, entre elas, os parques nacionais da Chapada Diamantina e de Jericoacoara

Notícias
18 de outubro de 2021

Websérie traz o elo entre o ser humano e a natureza do Rio de Janeiro

Personagens que possuem uma conexão especial com a paisagem natural da cidade são apresentados na websérie do documentarista e fotógrafo carioca, Rafael Duarte

Salada Verde
15 de outubro de 2021

GLO ambiental não será renovada, anuncia Mourão

A operação acabou nesta sexta-feira (15). Atuação de militares não resultou em diminuição do desmatamento na Amazônia, mesmo com efetivo e orçamento maiores que dos órgãos ambientais

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta