Notícias

Etanol e a emissão de poluentes

Entidade do setor da cana-de-açúcar divulga total de CO2 que deixou de ser emitido pelo uso do combustível em veículos flex. Só à primeira vista notícia é positiva.  

Redação ((o))eco ·
17 de novembro de 2009 · 12 anos atrás

A União da Industria de Cana-de-Açúcar (UNICA), entidade representativa o setor sucro-alcooleiro da região Centro-Sul do país, divulgou ontem o balanço das emissões de CO2 pelo uso do etanol em carros flex, em relação ao uso da gasolina, nos últimos seis anos e meio. Segundo a entidade, neste período, a utilização do etanol evitou a emissão de mais de 75 milhões de toneladas de gás carbônico na atmosfera. Para se chegar a esse número, a Única usou um “carbonômetro”, ferramenta desenvolvida  pela própria entidade. Ela considerou em seu cálculo tanto o etanol consumido diretamente pelos veículos flex quanto os 25% do combustível da cana contidos na gasolina.

De acordo com um cálculo de equivalência em árvores desenvolvido pela não-governamental SOS Mata Atlântica, para se alcançar o número de 75 milhões de toneladas de CO2 evitado, seria preciso plantar e manter ao longo de 20 anos mais de 200 milhões de árvores nativas. Em agosto passado, a frota brasileira de carros flex era de 27,8 milhões de veículos, mas este número tende a crescer mensalmente. Naquele mês, a fatia de vendas de carros flex em relação ao total de veículos comercializados no Brasil representava 94% .

Em termos de emissão de CO2, a notícia é inegavelmente positiva. Quando são consideradas as emissões de outros tipos de poluentes, no entanto, – como os hidrocarbonetos, monóxido de carbono (CO) e óxidos de nitrogênio (NOx) – a luz de alerta se acende. Segundo levantamento divulgado pelo Ministério do Meio Ambiente em meados de setembro, os carros flex tiveram os piores desempenhos em relação aos poluentes locais. Hidrocarbonetos, CO e NOx são precursores do ozônio (O3), gás até 25 vezes pior para o efeito estufa do que o CO2 e que em baixas altitudes causa problemas como rinite, amigdalite, sinusite e pneumonia, além do envelhecimento precoce dos tecidos dos pulmões. A saída, dizem pesquisadores, seriam o aperfeiçoamento da tecnologia do etanol.

Leia mais:
O outro lado do etanol
 

Leia também

Reportagens
27 de outubro de 2021

Estados da Amazônia não estão preparados para eventos climáticos extremos, mostra estudo

Nenhum dos nove estados possui sistema de alertas ou planos de contingência para lidar com inundações, secas, incêndios ou ondas de calor

Análises
27 de outubro de 2021

Um olhar sobre 36 anos da Mata Atlântica – o que aconteceu entre 1985 e 2020 e para onde vamos

O bioma mais impactado pela presença humana ao longo de toda a história do país permaneceu com intensa transformação do seu território nas últimas 3,5 décadas

Reportagens
27 de outubro de 2021

Lobby do agronegócio reduz transparência ambiental de estados e favorece desmatamento

Governadores cedem a interesses de produtores rurais e bloqueiam ou dificultam acesso a dados públicos que poderiam apontar quem está derrubando a floresta ilegalmente

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta