Notícias

Cidades de todo mundo discutem clima

Pela primeira vez no Brasil ocorre o encontro da rede C40, grupo de reúne prefeitos de grandes metropóles em busca de parcerias para a redução de emissões.

Juliana Tinoco ·
2 de junho de 2011 · 11 anos atrás

Prefeitos reunidos em São Paulo: discussão girou em torno de como adotar práticas concretas para reduzir emissões de gases de efeito estufa (foto: Juliana Tinoco)
Prefeitos reunidos em São Paulo: discussão girou em torno de como adotar práticas concretas para reduzir emissões de gases de efeito estufa (foto: Juliana Tinoco)
São Paulo – Foi sob o mote de que nações falam, cidades agem, que prefeitos da C40, rede de metrópoles unidas para pensar soluções para o clima, deram o tom do encontro do bianual do grupo, que pela primeira vez acontece na América Latina, entre os dias 31 de maio e 2 de junho, em São Paulo. O evento serve para firmar parcerias, trocar boas práticas e discutir problemas relacionados às mudanças climáticas e as cidades.

No primeiro dia de plenárias da rede – que desde 2005 agrega 40 grandes cidades, responsáveis por 12% das emissões de gases estufa e 21% do PIB mundial – o destaque ficou por conta de um acordo firmado com o Banco Mundial. Não se falou em valores imediatos, mas Robert Zoellick, presidente do banco, garantiu que o fundo verde para as cidades pode chegar a 50 bilhões de dólares.

Entre os objetivos do banco com a parceria estão desenvolver métodos para medir emissões de gases estufa nas cidades e avaliar as práticas que funcionam. “Como vou arrecadar fundos se não sei o que anda sendo feito?”, questionou Zoellick, que enfatizou também a necessidade de pensar a adaptação dos grandes conglomerados urbanos às mudanças do clima. “É preciso dar suporte para que os prefeitos melhorem os serviços básicos e reduzam a vulnerabilidade de suas cidades”, enfatizou.

Quem também atraiu holofotes foi o ex-presidente americano Bill Clinton, que falou em nome da The Clinton Foundation, parceira da C40. Elogiou o biocombustível brasileiro como sendo o mais eficiente do mundo, afirmou que o país precisa rever a política de criação de gado na Amazônia e chamou lixo de riqueza: “Se fecharmos aterros sanitários, recliclarmos e devolvermos este carbono ao solo resolveríamos problemas de saúde pública, geraríamos emprego e devolveríamos terra ao estado. Estas coisas são minas de ouro”, garantiu.

Entre as boas iniciativas enfatizadas no evento, o retrofit, ou modernização de construções antigas, que em Melbourne, Áustrália, promete gerar 12 bilhões de dólares em economia energética e 8 mil empregos e o programa de geração de energia a partir do lixo em São Paulo, que nas contas do prefeito Gilberto Kassab faz uso de todas as 16 mil toneladas de rejeito produzidos diariamente na cidade.

Ao fim do dia, Kassab e a vice-prefeita de Paris, Anne Hidalgo, ampliaram a cooperação entre as cidades, em acordo para as áreas de desenvolvimento urbano, cultura, tratamento de resíduos e saneamento.

{iarelatednews articleid=”24119,24966,22191,12706″}

*Juliana Tinoco é repórter free-lancer em São Paulo


  • Juliana Tinoco

    Juliana Tinoco é jornalista multimídia especializada na cobertura de Meio Ambiente, Ciência e Direitos Humanos. Por quinze an...

Leia também

Salada Verde
3 de dezembro de 2021

Paraná pretende reativar trecho brasileiro de trilha histórica que liga o Atlântico ao Pacífico

Chamada de Caminhos do Peabiru, trilha tem 1.550 no trecho paranaense, que vai de Paranaguá a Guaíra. Caminho era usado por incas e guaranis, antes da colonização

Notícias
3 de dezembro de 2021

Amapá vende terras públicas invadidas a R$ 46 o hectare

Estado possui mais de 2,5 milhões de hectares de áreas ainda não destinadas. Cerca de 50% deste total é classificado como de importância biológica extremamente alta

Reportagens
3 de dezembro de 2021

Novo Código de Mineração propõe aprovação automática de milhares de processos parados na ANM

Proposta pode afetar mais de 90 mil requerimentos que aguardam aprovações técnicas e ambientais; medida ainda interfere na criação de unidades de conservação e dificulta demarcação de terras indígenas

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta