Notícias

Bons exemplos para uma Copa do Mundo verde

Relatório do Pnuma aponta iniciativas vitoriosas na África do Sul e o que o Brasil precisa fazer para melhorar.

Vandré Fonseca ·
10 de outubro de 2012 · 10 anos atrás

Manaus, AM – Em relatório apresentado nessa terça-feira (9), sobre o desempenho ambiental da África do Sul em 2010, o Pnuma comemora as emissões abaixo do previsto no país africano e aponta o caminho para que o Brasil não tropece nos cuidados ambientais.

A primeira lição é não esperar até a véspera da Copa para começar a se preocupar com o Meio Ambiente. As questões ambientais devem ser tratadas já na fase de planejamento. “O relatório aponta iniciativas exemplares, mas talvez a descoberta mais importante é que a África do Sul poderia ter obtido conquistas maiores se as medidas de sustentabilidade tivessem sido pensadas mais cedo e não no último momento”, afirmou o Subsecretário Geral e Diretor Executivo do PNUMA, Achim Steiner.

O número de turistas menor do que o esperado aliado a esquemas de carona e alternativas eficientes de estadia reduziram em 30% os gastos com energia e contribuíram para emissões abaixo do esperado, segundo o estudo, financiado pelo Fundo Mundial do Meio Ambiente (GEF). Durante a Copa da África do Sul, realizada há três anos, foi emitido o equivalente a 1,65 milhões de toneladas de Carbono, quando a projeção era de 2,64 milhões de toneladas de emissões.

O relatório aponta que a África do Sul teve êxito na melhoria dos transportes coletivos, um dos principais legados deixados pela Copa, e nas questões relacionadas à energia e economia de água, mas falhou no tratamento de resíduos. Algumas cidades-sede e estádios foram incapazes de implementar programas adequados de separação e reaproveitamento do lixo. Uma lição que o Brasil pode aprender.

O relatório faz críticas à Fifa. A principal é em relação à falta de critérios ambientais entre as 17 exigências feitas ao país sede. Na avaliação do Pnuma, esta omissão dificulta o gerenciamento ambiental do evento, que aproveita para convocar a entidade máxima do futebol a reduzir as suas próprias emissões e incentivar os parceiros a fazer o mesmo.

Na copa de 2010, o Pnuma trabalhou com o governo sul-africano no projeto Green Goal 2010, para reduzir a pegada ambiental deixada pelo evento. As ações foram dirigidas ao corte das emissões de gases de efeito estufa, redução do uso da água e de produção de resíduos, além da conservação da biodiversidade.

O governo brasileiro já assinou com o Pnuma um convênio para atuar não apenas visando a Copa de 2014, mas também as Olimpíadas do Rio, em 2016.

Leia também

Reportagens
27 de maio de 2022

Um caminho (e um sonho) para unir a América

A construção de uma trilha pan-americana que conecte caminhos do Alasca à Patagônia parece um sonho distante, mas já há sonhadores dispostos a montar esse quebra-cabeça

Notícias
27 de maio de 2022

São Paulo registra duas décadas de poluição do ar acima do recomendado pela OMS

Em alguns pontos da cidade, concentração de poluentes foi quatro vezes maior do que o indicado, mostra estudo. Poluição mata 7 milhões de pessoas por ano no mundo

Notícias
26 de maio de 2022

Conexão de trilhas e pessoas embala 1º Congresso Brasileiro de Trilhas

Evento que começou nesta quarta (25) e se estende até domingo, em Goiânia, conta com mais de 1.500 inscritos para discutir e fomentar a implementação de trilhas no Brasil

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta