Notícias

Micos-leões-da-cara-dourada mandam boas notícias da nova casa

Animais estão sendo translocados do Rio para o sul da Bahia. Mudança ajuda a proteger outra espécie de mico, o famoso mico-leão-dourado.

Vandré Fonseca ·
1 de abril de 2013 · 11 anos atrás
A pelagem mais escura em contraste com o tom mais claro na face é a principal diferença do mico-leão-da-cara-dourada do parente natural do Rio de Janeiro. Foto: Rodrigo Araújo
A pelagem mais escura em contraste com o tom mais claro na face é a principal diferença do mico-leão-da-cara-dourada do parente natural do Rio de Janeiro. Foto: Rodrigo Araújo

Manaus, AM – Dois filhotes vistos nas costas de adultos no início de março são o sinal mais marcante do sucesso de uma iniciativa inédita no Brasil: mudar de endereço uma população inteira de bichos que nasceram e cresceram longe do seu habitat natural.

Desde junho do ano passado, Micos-leões-da-cara-dourada (Leontopithecus chrysomelas) encontrados nos municípios de Niterói, São Gonçalo e Maricá, no estado do Rio de Janeiro, estão sendo capturados e são levados a centenas de quilômetros ao Norte, para viver em uma área protegida em Belmonte, no sul da Bahia.

“O primeiro grupo já está se reproduzindo e isso é muito bom, significa que eles estão bem”, afirma a bióloga Maria Cecília Kierulff, responsável pelo programa liderado pelo Instituto Pri-matas. “Eles estão vivendo em uma mata protegida, preservada e grande. Provavelmente ali já teve o mico-leão, porque é dentro da área de distribuição dele”, completa.

O mico-leão-da-cara-dourada é uma espécie classificada como “Em Perigo”, tanto pela IUCN quanto pelo Ministério do Meio Ambiente. Ele é natural do extremo nordeste de Minas Gerais e Bahia. Desde que foi introduzido no Rio de Janeiro, a população da espécie vem crescendo a ponto de se tornar uma ameaça ao parente o mico-leão-dourado (Leontopithecus rosalia), que vive em áreas vizinhas na Mata Atlântica do Rio de Janeiro e também é classificado como “Em Perigo” de extinção.

As duas espécies são muito parecidas, com porte e ecologia semelhantes. Mas é visível a diferença na cor da pelagem. Enquanto um tem a cor dourada em todo o corpo, daí o nome popular da espécie, o outro é mais escuro, com uma mancha mais clara na face. E é justamente por se parecerem tanto que a presença dos dois no mesmo habitat é arriscada.

 
Micos-leões-da-cara-dourara estão sendo translocados do Rio de Janeiro para o sul da Bahia. Foto: Rodrigo Araújo
Micos-leões-da-cara-dourara estão sendo translocados do Rio de Janeiro para o sul da Bahia. Foto: Rodrigo Araújo

Além de concorrer por alimentos e locais de dormida, os mico-leões-da-cara-dourada, podem levar doenças à população de micos nativa do Rio de Janeiro, já que eles interagem com moradores de condomînios residenciais, que oferecem alimentos a eles. Entre os animais que já foram capturados, 24 foram diagnosticado com alguma doença. Outro perigo é o surgimento de macaquinhos híbridos. “É urgente a remoção dos grupos de mico-leão-da-cara-dourada da região de Niterói, São Gonçalo e Maricá antes que o aumento e a expansão da população introduzida tornem inviável sua retirada”, afirma o Instituto Pri-matasl.

Até agora, 104 animais já foram capturados e 66 deles já estão vivendo na Bahia e outros 17 aguardam na quarentena. É um trabalho cuidadoso. Como eles vivem em grupos familiares, é preciso capturar todos, ou quase todos, juntos, para evitar a desestruturação da família. E antes de irem para a nova morada, os micos ainda precisam passar por uma quarentena, para confirmar que estão saudáveis e em condições de serem translocados. São coletadas amostras de sangue, fezes e outros materiais biológicos, para análise. Alguns recebem rádio-colares para serem monitorados na nova área.

O primeiro grupo chegou à reserva no Sul da Bahia no início do segundo semestre de 2012. Os filhos observados descendem desse grupo. São filhos de jovens que já se separaram do grupo e estão formando novas famílias. “Além de se reproduzirem, não tiveram problemas para achar comida, nem tiveram dificuldade para encontrar lugar para dormir”, comemora a bióloga.

O Instituto Pri-matas acredita que metade dos micos-leões-da-cara-dourada que viviam nas proximidade de Niterói já tenha sido capturada. A expectativa é que até o final do ano todos tenham sido retirados da área. O programa tem apoio do ICMBio e secretarias Estadual do Meio Ambiente do Rio de Janeiro e prefeitura de Niterói. Os recursos são financiados pela Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza, da RBO Energia (através da Câmera de Compensação Ambiental da Secretaria do Ambiente – RJ), do Tropical Forest Conservation Act-TFCA/FUNBIO, do Lion Tamarin of Brazil Funds, de Margot Marsh Biodiversity Foundation/Conservation International e MBZ Species Conservation Fund.

Leia também

Notícias
24 de julho de 2024

Os tubarões-martelo estão de volta ao arquipélago de Alcatrazes!

Pesquisa registra aumento do avistamento de tubarões-martelo no Refúgio de Vida Silvestre do Arquipélago de Alcatrazes, no litoral norte de São Paulo

Análises
24 de julho de 2024

Portão do Inferno, um risco para o país

Governo de MT sinaliza que aguardará fim do Festival de Inverno para iniciar desmonte de parte do paredão do Parque da Chapada dos Guimarães. ICMBio diz que obra pode inviabilizar funcionamento da UC

Salada Verde
24 de julho de 2024

A gangorra climática das árvores da Mata Atlântica

Pesquisa inédita aponta que as plantas estão subindo ou descendo montanhas em busca de temperaturas mais amenas

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.