Notícias

A beleza das nuvens vistas do espaço

Vistas do espaço, as nuvens podem ter formas que nunca poderíamos imaginar. Veja fotos de nuvens feitas por satélites.

Paulo André Vieira ·
19 de agosto de 2013 · 8 anos atrás

Elas podem ser estratiformes, cumuliformes ou cirriformes. Podem ser sólidas, líquidas ou mistas. Podem ser altas, médias ou baixas. Para uma criança, e porque não alguns adultos mais sonhadores, parecem ser feitas de algodão. Podem arruinar um fim de semana de praia ou trazer a tão esperada chuva para as plantações de um fazendeiro.

Vistas do espaço, as nuvens podem ser tão ou mais belas do que quando vistas aqui de baixo. Se por vezes tentamos encontrar semelhanças entre suas formas e diferentes coisas, os satélites são capazes de revelar belezas que nossa visão nem sequer imagina. Veja abaixo algumas fotos de nuvens feitas por satélites. As imagens são do Observatório da Terra, cuja missão é compartilhar com o público as imagens, histórias e descobertas sobre o clima e o ambiente que surgem a partir de pesquisas da NASA.


Conhecido como vórtices Von Karman, os padrões formados nas nuvens que passam por Isla Socorro, localizada algumas centenas de quilômetros a oeste da costa do México, acontecem quando o fluxo de um fluido é perturbado por algum objeto. Como a atmosfera se comporta como um fluido, a asa de um avião, uma ponte, ou neste caso uma ilha pode desencadear este belo fenômeno.


Estas nuvens paralelas, também conhecidas como ruas de nuvens, se formaram ao longo da borda do gelo marinho que se este para o sul das extensões cobertas de neve da Rússia e do Alasca. A localização da formação dessas nuvens não foi coincidência. Quando o ar frio sopra sobre gelo e neve e encontra o ar úmido sobre o mar aberto, o encontro das massas de ar podem causar a formação de cilindros paralelos de ar em rotação. Nuvens se formam ao longo do ciclo de subida nos cilindros, onde o ar está subindo, e os céus ficar claro ao longo do ciclo descendente, onde o ar está caindo.


Este mini-tufão se formou sobre o oceano Pacífico e não causou nenhum dano significativo. Seu campo nuvem tinha menos de 100 quilômetros de diâmetro. Para efeito de comparação, Super Tufão Jelawat, a mais intensa tempestade da temporada de 2012, tinha um campo de nuvem que se estendia por cerca de 1.000 quilômetros. Apesar de seu pequeno tamanho, mini-ciclones são formados pelas mesmas forças que impulsionam as tempestades maiores.


Massas de ar frio que se movem rapidamente costumam soprar de leste para oeste através no norte da África durante o inverno, enviando ondas de ar seco sobre o Oceano Atlântico. Quando este ar seco encontra massas de ar úmidas e mais estável sobre a água, o choque pode produzir estes distintos e belos padrões de nuvens.


A beleza em alguns casos pode ter um lado terrível. A linha vermelha na imagem mostra o caminho de aproximadamente 30 quilômetros de um tornado formado por esta grande tempestade na região central de Oklahima, nos EUA. Seus ventos alcançaram 300 km/h, causando dezenas de mortes no dia 20 de maio de 2013, além de destruir várias construções na região.


Estas nuvens brancas sobre a ilha de Sri Lanka são conhecidas como cumulus humilis. Eles são em sua maioria composta de água líquida e podem durar entre cinco e 40 minutos. A formação dessas nuvens pode ser atribuída à brisa do mar. Esse ar úmido vindo do oceano se move para o interior, e ao se combinar com as massas de ar que sobem da terra, começam a se condensar e formar nuvens.


Quando navios e ilhas interagem, é geralmente porque os navios estão chegando ou partindo com passageiros ou carga. Mas os navios e ilhas interagiram de uma maneira diferente nas Ilhas Aleutas no norte do Oceano Pacífico em abril de 2013. As nuvens que se formaram em torno dos exaustores dos navio, misturado com os vórtices nuvem que se formado a partir das ilhas, criaram esta textura de mármore.


Este padrão circular nas nuvens a oeste de San Diego, nos EUA, é conhecido pelos meteorologistas como o redemoinho de Catalina, ou redemoinho costeiro. O redemoinho foi assim batizado por causa da Ilha de Santa Catalina, uma das ilhas do canal entre Los Angeles e San Diego. Este fenômeno pode trazer um clima mais frio, nevoeiro e melhor qualidade do ar para o sul da California.

 

Leia também
A fúria dos vulcões vistos do espaço
As belas e ameaçadoras espirais dos ciclones tropicais
As mudanças das estações vistas do espaço
As cores do planeta vistas do espaço
O furacão Sandy visto do espaço
A rota do furacão Isaac vista do espaço

  • Paulo André Vieira

    Produtor Editorial formado pela UFRJ, atua em ((o))eco desde 2007 escrevendo sobre geojornalismo e cuidando da edição e gestão do site.

Leia também

Notícias
21 de janeiro de 2022

Em discurso de pré-candidatura, Ciro Gomes defende economia de baixo carbono

Durante a Convenção Nacional do PDT, o pré-candidato diz que a pauta ambiental é um instrumento de proteção dos ecossistemas e uma oportunidade de investimento

Análises
21 de janeiro de 2022

O Agro quer seguro rural, mas precisa mesmo é do Código Florestal

Sem cumprir as leis ambientais e sofrendo com mudanças climáticas, lideranças do Agro se mobilizam para ampliar o seguro rural com dinheiro público. Rios e florestas seguem em agonia. Moro já aderiu

Reportagens
21 de janeiro de 2022

Brasil registra recorde de extremos de chuva no início do verão

Entre 1º e 31 de dezembro de 2021, a equipe técnica do Cemaden emitiu 516 alertas de risco de desastres, como deslizamentos, inundações e enxurradas, para os 1.058 municípios monitorados

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta