Notícias

Onça parda resgatada de armadilha vai para criadouro

Pata dianteira sofreu danos após animal ficar 2 dias preso num laço usado para caçar capivara. Dificilmente o bicho voltará para a natureza

Redação ((o))eco · Daniele Bragança ·
11 de outubro de 2013 · 8 anos atrás
Onça passou dois dias presa em armadilha para caçar capivara. Foto: Divulgação CRAS/MS.

Se recupera bem a onça parda resgatada há duas semanas (28) pela Polícia Militar Ambiental do Mato Grosso do Sul. O animal foi encontrado preso numa armadilha, bem próximo do rio Dourados, no município de Fátima do Sul, Mato Grosso do Sul.

Nervosa e debilitada, ficou sob os cuidados do Centro de Reabilitação de Animais Silvestres (CRAS) do estado. “A onça ainda está em avaliação. Mas não precisou passar por cirurgia e provavelmente não precisará amputar a pata direita. A pata está debilitada e dura. Dificilmente o animal voltará a viver na natureza, pois é difícil caçar com um membro danificado”, explica Edson Borges, biólogo e coordenador do CRAS.

Um criadouro conservacionista em Minas Gerais já entrou em contato com o CRAS, interessado no animal. Um alívio para os veterinários, preocupados com o destino dele. Apenas no CRAS de Mato Grosso do Sul vivem 12 onças pardas (8 adultos e 4 jovens) à espera de destinação. Os zoológicos têm poucos interesses em onças pardas. “A maioria veio filhote e não tem condições de sobreviver sozinha na natureza. Eles estão no CRAS por falta de destinação”, afirma Borges.

A onça recebendo atendimento. Foto: Divulgação CRAS/MS.

A onça parda com a pata machucada foi encontrada por um pescador, que acionou a Polícia Militar Ambiental (PMA). Trata-se de um macho adulto. A equipe do Centro de Reabilitação de Animais Silvestres, lideradas pelo médico veterinário Álvaro Cavalcanti, que cuidou da onça, ainda não batizou o animal. Eles preferem que os nomes sejam criados no lar definitivo, por quem resolveu criar o bicho.

“Trabalhamos para que o animal volte à natureza. No caso de isso não acontecer, preferimos que os zoológicos e os criadouros batizem, já que são eles que adotam, em definitivo, o animal”, explica Borges.

 

 

Leia Também
A vida maltratada que ressurge no Cetas de Manaus
Longe do tráfico, em outras grades
Canários-peruanos apreendidos no MS

 

 

 

  • Daniele Bragança

    É repórter especializada na cobertura de legislação e política ambiental. Formada em jornalismo pela Universidade do Estado d...

Leia também

Reportagens
18 de janeiro de 2022

Uma oportunidade de recomeço para a Mata Atlântica

O bioma mais destruído do Brasil ganha uma nova chance com o avanço da agenda de restauração no país, mas ainda sofre com gargalos como a falta de sistematização de dados e de governança

Notícias
17 de janeiro de 2022

Após por pessoas em risco, justiça proíbe “coach” de fazer atividades na natureza

A decisão judicial determina que Pablo Marçal, que protagonizou episódio de resgate no pico do Marins, não poderá fazer qualquer atividade na natureza sem autorização prévia

Notícias
17 de janeiro de 2022

Livro celebra cem anos da descrição da jararaca-ilhoa com alerta sobre conservação da serpente endêmica

Escrita em linguagem acessível para o público em geral, a publicação celebra os cem anos da descrição da jararaca-ilhoa, feita por por Afrânio do Amaral (1894-1982), à época diretor do Instituto Butantan

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta