Notícias

Onça parda resgatada de armadilha vai para criadouro

Pata dianteira sofreu danos após animal ficar 2 dias preso num laço usado para caçar capivara. Dificilmente o bicho voltará para a natureza

Redação ((o))eco · Daniele Bragança ·
11 de outubro de 2013 · 8 anos atrás
Onça passou dois dias presa em armadilha para caçar capivara. Foto: Divulgação CRAS/MS.

Se recupera bem a onça parda resgatada há duas semanas (28) pela Polícia Militar Ambiental do Mato Grosso do Sul. O animal foi encontrado preso numa armadilha, bem próximo do rio Dourados, no município de Fátima do Sul, Mato Grosso do Sul.

Nervosa e debilitada, ficou sob os cuidados do Centro de Reabilitação de Animais Silvestres (CRAS) do estado. “A onça ainda está em avaliação. Mas não precisou passar por cirurgia e provavelmente não precisará amputar a pata direita. A pata está debilitada e dura. Dificilmente o animal voltará a viver na natureza, pois é difícil caçar com um membro danificado”, explica Edson Borges, biólogo e coordenador do CRAS.

Um criadouro conservacionista em Minas Gerais já entrou em contato com o CRAS, interessado no animal. Um alívio para os veterinários, preocupados com o destino dele. Apenas no CRAS de Mato Grosso do Sul vivem 12 onças pardas (8 adultos e 4 jovens) à espera de destinação. Os zoológicos têm poucos interesses em onças pardas. “A maioria veio filhote e não tem condições de sobreviver sozinha na natureza. Eles estão no CRAS por falta de destinação”, afirma Borges.

A onça recebendo atendimento. Foto: Divulgação CRAS/MS.

A onça parda com a pata machucada foi encontrada por um pescador, que acionou a Polícia Militar Ambiental (PMA). Trata-se de um macho adulto. A equipe do Centro de Reabilitação de Animais Silvestres, lideradas pelo médico veterinário Álvaro Cavalcanti, que cuidou da onça, ainda não batizou o animal. Eles preferem que os nomes sejam criados no lar definitivo, por quem resolveu criar o bicho.

“Trabalhamos para que o animal volte à natureza. No caso de isso não acontecer, preferimos que os zoológicos e os criadouros batizem, já que são eles que adotam, em definitivo, o animal”, explica Borges.

 

 

Leia Também
A vida maltratada que ressurge no Cetas de Manaus
Longe do tráfico, em outras grades
Canários-peruanos apreendidos no MS

 

 

 

  • Daniele Bragança

    É repórter especializada na cobertura de legislação e política ambiental. Formada em jornalismo pela Universidade do Estado d...

Leia também

Notícias
22 de outubro de 2021

“Adote um ninho”: Conheça a campanha para a preservação dos papagaios brasileiros

Campanha busca incentivar a proteção dos papagaios por meio da construção de ninhos artificiais para suprir a falta de cavidades naturais, que estão diminuindo por conta do desmatamento

Análises
22 de outubro de 2021

Por uma nova onda de soluções para a resiliência e a saúde do oceano

Estudo do FMI estima que 8 milhões de toneladas de lixo plástico acabam no mar todos os anos, sendo 80% provenientes do continente. Se não mudarmos esse quadro, o oceano terá mais lixo do que peixes até 2050

Salada Verde
21 de outubro de 2021

Polícia Civil do Maranhão prende um dos homens que matou onça preta e se gabou nas redes sociais

Corpo do animal abatido foi filmado por três homens, que comemoraram o feito. O homem preso também será multado pelo Ibama.

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 2

  1. MARLI ALVES PEREIRA VASCONCELLOS diz:

    Não entendo o porquê esconder o rosto do homem, adulto!! Ele mostrou a cara nas redes sociais!! É preciso identificar criminosos.


    1. JOCEMIR VIEIRA JUNIOR diz:

      Verdade.
      E um ano e seis meses é muito pouco pra esse tipo de crime!