Notícias

O crescimento de Palmas visto do espaço

Construída na era dos satélites, o surgimento e o crescimento da capital do Tocantins pode ser acompanhado através de imagens de satélite. Veja uma animação.

Redação ((o))eco ·
18 de novembro de 2013 · 8 anos atrás

A construção de Palmas, capital do estado do Tocantins, começou no dia 20 de maio de 1989 com o lançamento da pedra fundamental da cidade. No mesmo dia a primeira avenida já era aberta por um trator. Entre os anos de 2000 e 2010 apresentou a maior taxa média de crescimento anual de população, e segundo o IBGE já tinha 242.070 habitantes em 2012.

O que faz de Palmas objeto desta coluna é que, ao contrário de outras capitais brasileiras, o seu crescimento desde a fundação pode ser acompanhado através dos satélites do programa Landsat. Na animação abaixo é possível ver, em uma imagem de 1987, a região antes da construção da cidade. Alguns anos depois, em 1990, as primeiras ruas e avenidas já podem ser vistas cortando o cerrado brasileiro. Em 2004 o lago formado pela barragem da Usina Hidrelétrica de Lajeado, localizada a pouco mais de 54 km ao norte da cidade, faz com que o Rio Tocantins se aproxime de Palmas.

Veja abaixo a animação.

 

Leia também
O crescimento urbano visto do espaço
A presença do homem vista do espaço
As capitais brasileiras vistas do espaço
De Oiapoque até Chuí, as cidades vistas do espaço
Três décadas vistas do espaço

 

Leia também

Notícias
20 de outubro de 2021

Desmatamento na Amazônia já chega a quase 9 mil km² em 2021, mostra Imazon

Somente em setembro foram destruídos 1.224 km² de floresta, área equivalente a mais de 4 mil campos de futebol por dia. Números sãos os maiores em 10 anos

Salada Verde
20 de outubro de 2021

Em comemoração de seus 10 anos, Onçafari lança concurso de fotografia

Fotógrafos profissionais e amadores podem se inscrever até o dia 14 de novembro. Vencedores terão a oportunidade de fotografar a fauna e flora existentes na sede da Onçafari, no Pantanal

Notícias
20 de outubro de 2021

INPE não tem recursos garantidos para pagamento de água e luz até final do ano

Destinação de R$ 5 milhões pela AEB deu um respiro ao Instituto, mas órgão ainda aguarda verba de outras fontes para honrar despesas de funcionamento até dezembro

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta