Notícias

Amazônia perdeu área equivalente à cidade de São Paulo em julho, mostra INPE

Números foram atualizados nesta sexta-feira. Desmatamento em 2022, segundo o Deter, chegou a 8.600 km², área quase do tamanho de Rio Branco (AC)

Cristiane Prizibisczki ·
12 de agosto de 2022

O desmatamento na Amazônia em julho chegou a 1.487 km², uma área equivalente à capital paulista (1.521 km²) e um empate técnico em relação a julho do ano passado (1.498 km²). O número se soma aos recordes para o mês atingidos durante o governo Bolsonaro e é o quarto maior da série histórica – todos registrados nos últimos quatro anos. Os números são do sistema DETER, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) e foram atualizados nesta sexta-feira (12).

Como a medição oficial do desmatamento na Amazônia é feita sempre de agosto de um ano a julho do ano seguinte, já é possível estimar a área acumulada de alertas em 2022: 8.590 km², a terceira mais alta da série histórica iniciada em 2015, todas também atingidas sob o regime Bolsonaro. A área é equivalente à cidade de Rio Branco, no Acre, a terceira maior capital do Brasil.

O acumulado do ano medido pelo Deter deverá refletir numa taxa oficial de desmatamento acima de 10.000 km² pelo quarto ano consecutivo. Os dados oficiais são medidos por outro sistema do INPE, o Prodes, que é mais acurado que o Deter, mas cujas estimativas são divulgadas somente no final do ano.

Em 2021, o Deter havia emitido alertas para uma área de 8.780 km² no ano, considerando o calendário do desmatamento, o que correspondeu a uma taxa oficial de 13.038 km², segundo o Prodes. Por isso, ainda não é possível descartar uma inédita quarta elevação seguida de destruição na Amazônia. A projeção de especialistas  é que esse número possa chegar perto de 15 mil km². Segundo apurou ((o))eco, a estimativa oficial só deverá ser divulgada no final de novembro, portanto, após a Conferência do Clima da ONU, que acontece nas duas primeiras semanas daquele mês.

“É mais um número que estarrece, mas não surpreende: o desmatamento fora de controle na Amazônia resulta de uma estratégia meticulosa e muito bem implementada de Bolsonaro e seus generais para desmontar a governança socioambiental no Brasil”, afirma Marcio Astrini, secretário-executivo do Observatório do Clima.

Desmatamento avança no Amazonas

Pela primeira vez na série histórica do INPE, o Amazonas aparece, em 2022, como o segundo estado mais desmatado na Amazônia (o Pará é o líder), desbancando o Mato Grosso. Foram 3.072 km² de alertas registrados no Pará, 2.291 km² no Amazonas e 1.433 km² no Mato Grosso, no período que vai de agosto de 2021 a julho de 2022.

Segundo o Observatório do Clima, o estímulo ao asfaltamento da BR-319 foi o propulsor desse aumento na destruição da floresta no Amazonas. No último dia 28, foi expedida a licença prévia para o asfaltamento do trecho ambientalmente mais sensível da obra, atropelando pareceres técnicos do próprio governo. A BR-319 corta o maior bloco de florestas intactas na Amazônia.

Os municípios de Lábrea e Apuí, ambos no Amazonas e situados na zona de influência da BR, foram, respectivamente, o 1º e 2º com maior área de alertas de desmatamento de toda região amazônica nos últimos 12 meses.

  • Cristiane Prizibisczki

    Cristiane Prizibisczki é Alumni do Wolfson College – Universidade de Cambridge (Reino Unido), onde participou do Press Fellow...

Leia também

Notícias
9 de agosto de 2022

Bolsonaro nega descontrole do desmatamento e acusa povos indígenas em entrevista

Em mais de três horas de fala, o presidente e candidato à reeleição, Jair Bolsonaro, reafirmou declarações de negacionismo e descompromisso com a pauta ambiental

Notícias
29 de julho de 2022

Ibama emite licença prévia para reconstrução da BR 319, no AM

Anúncio de reconstrução ocorre no mesmo dia em que pesquisa eleitoral apresenta cenário desfavorável ao presidente. Rodovia abre caminho para desmatar parte mais preservada da floresta amazônica

Notícias
18 de julho de 2022

Desmatamento cresceu 20% no Brasil, com aumento em todos os biomas do país

Em um único ano, o país perdeu 16.557km² de vegetação nativa, área equivalente a quase 11 vezes a cidade de São Paulo, sendo mais de 98% com indícios de irregularidades

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta