Notícias

As cocotas invadiram o México

Milhares de aves, originárias da América do Sul, foram importadas com animais de estimação e hoje se espalham pelo país

Vandré Fonseca ·
19 de setembro de 2017 · 4 anos atrás
Milhares de caturritas entraram no México como animal de estimação. Hoje, ela é considerada espécie invasora. Foto: TexasEagle/Flickr.
Milhares de caturritas entraram no México como animal de estimação. Hoje, ela é considerada espécie invasora. Foto: TexasEagle/Flickr.

Cocota é um dos nomes populares da Myiopsitta monachus. Conhecida também como caturrita, é um periquito nativo das áreas temperadas da América do Sul. Ela se adapta tão bem às alterações provocadas pelo homem na natureza que já pode ser vista voando livre até na Europa. E é apontada como praga em algumas regiões.

No México, onde há cerca de uma década ocorre uma rápida, crescente e contínua proliferação da espécie, foi declarada invasora no ano passado. Esse avanço e o papel de mudanças legais nessa proliferação é descrita em um artigo publicado nesta terça-feira, na PLOS One.

Não foi voando sozinha que ela invadiu à América do Norte. Cerca de meio milhão de aves da espécie foram importadas do Uruguai, para servir de bichinho de estimação, ao longo de cinco anos, a partir de 2007.

O periquito sul-americano já era visto voando livre nos céus da Cidade do México em 2005. Mas ela começou a se tornar popular como pet mesmo dois anos depois, com a proibição de venda de aves nativas para a Europa, devido à gripe aviária.

Foto: Spencer Wright/Flickr.
Foto: Spencer Wright/Flickr.

A restrição quebrou o comércio de aves nativas mexicanas, que foram substituídas pelas sul-americanas. Em 2008, após as restrições a vendas, as caturritas tinham sido registradas em apenas cinco cidades do país. Em 2015, elas já batiam asas em 97 localidades.

A autora principal do artigo, Elizabeth Hobson, pesquisadora do Santa Fe Institute, Novo México, Estados Unidos, conta que as aves não estão se espalhando a partir de uma população única, mas devido a animais de estimação soltos ou que escapam em cada cidade.

“É uma invasão incomum”, admira-se. “O comércio de animais de estimação no México proveu uma entrada gigante de indivíduos, criando as condições para esse tipo de invasão ocorrer”, explica.

Elizabeth Hobson já havia descoberto, há cerca de dois anos, que caturritas encontradas na Europa e América do Norte eram originárias de uma mesma população, retirada do Uruguai. A ave já é encontrada em pelo menos 14 estados americanos e apontada como uma ameaça potencial à produção de laranjas na Califórnia.

 

Saiba Mais

Artigo: History of nonnative Monk Parakeets in Mexico.

Leia Também

Periquitos que invadiram o Primeiro Mundo saíram do Uruguai

A ave mascarada

O estranho no ninho pode ser um parasita

 

 

 

Leia também

Análises
25 de novembro de 2013

O estranho no ninho pode ser um parasita

Entre as estratégias de reprodução está a do chupim, capaz de enganar outras espécies e fazê-las criarem seus próprios rebentos

Notícias
3 de abril de 2014

A ave mascarada

Com sua "máscara", nosso homenageado parece pronto para combater o crime. Mas sua luta se resume a encontrar o próximo lanche.

Notícias
28 de abril de 2015

Periquitos que invadiram o Primeiro Mundo saíram do Uruguai

Pesquisadores revelam a provável origem das populações de caturritas que, desde a década de 60, se espalham pelos Estados Unidos e Europa.

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 2

  1. Fabio diz:

    Esta tb é a ave urbana mais comum em Barcelona


  2. Sousa santos diz:

    As caturritas só se tornaram uma espécies invasores devido a outra espécie invasora que está se tornando uma praga . Ou seja , a espécie humana