Notícias

Desmatamento no Amazonas triplica entre março e abril e chega a 347 km²

Nova fronteira do desmatamento, estado tem registrado em 2022 os piores números da série do INPE. Só no último mês, área perdida foi equivalente à cidade de Belo Horizonte

Cristiane Prizibisczki ·
6 de maio de 2022

A motosserra não tem tido folga no sul do Amazonas. O estado perdeu em abril, época ainda de chuvas na floresta tropical, uma área de 347 km². O número é equivalente ao território da cidade de Belo Horizonte e três vezes maior do que o registrado em março, quando foram perdidos 106 km² de vegetação.

De fato, o programa Deter, do Instituto de Pesquisas Espaciais, tem mostrado que, em 2022, a destruição na nova fronteira do desmatamento acumula um recorde atrás do outro.

Em janeiro, o Amazonas perdeu 44 km² de florestas, número sete vezes maior do que o mesmo período em 2021, quando foram registrados 5,86 km² de desmatamento. Em fevereiro, foram 40,49 km² sob alerta, um aumento de 58% em relação ao mesmo período do ano anterior (25,81 km²). Em março, um novo recorde: 106 km² de desmatamento, número 72% maior que o mesmo período de 2021, quando foram gerados alertas para 61,41 km² no estado.

Novamente em abril, o Amazonas foi o estado que mais registrou avisos de desmatamento, ultrapassando Pará e Mato Grosso, que, historicamente, sempre ocupavam as primeiras posições do ranking de desmatadores.

Segundo a Sala de Situação da Amazônia (AMS), também do INPE, em abril de 2022 o desmatamento no Amazonas foi concentrado em Áreas Indefinidas, com 40,9% do total, seguido por Assentamentos Rurais, com 33,33%, áreas com Cadastro Ambiental Rural, com 23,3%, e Unidades de Conservação, com 2,29%.

Outros estados

Em todo o bioma, os alertas de desmatamento do sistema Deter chegaram a surpreendentes 1.012 km², área do tamanho da cidade de Belém.

Depois do Amazonas, o Pará ficou na segunda posição do ranking, com 287 km² de desmatamento, número seis vezes maior do que o mês anterior, quando foram detectados 45 km² de desmatamento.

O terceiro lugar do ranking foi para o Mato Grosso, que registrou 242 km² de desmatamento em abril, número 124% maior do que o mês anterior.

Em seguida, vem Rondônia, com 108 km² de área sob alerta, seguido por Roraima, com 16,7 km², Acre e Maranhão, ambos com 6 km² e Tocantins, com 1 km² sob alerta de desmatamento. Não foram registrados alertas no Amapá.

  • Cristiane Prizibisczki

    Cristiane Prizibisczki é Alumni do Wolfson College – Universidade de Cambridge (Reino Unido), onde participou do Press Fellow...

Leia também

Reportagens
23 de maio de 2022

Governo não fechou 645 lixões, como afirma Bolsonaro

Cruzamento de dados oficiais e consulta direta a prefeituras mostram ser falso principal anúncio da “agenda ambiental urbana” do governo

Notícias
20 de maio de 2022

Alto custo é principal barreira para visitação de parques

De acordo com estudo, alto custo da viagem, distância e falta de informações disponíveis são os principais obstáculos para visitação de parques naturais

Notícias
20 de maio de 2022

Presidenciáveis recebem plano para reverter boiadas ambientais de Bolsonaro

Estratégia ‘Brasil 2045’ propõe medidas para reconstruir política ambiental brasileira e fazer país retomar posição de liderança global em meio ambiente

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta