Notícias

Desmatamento no Amazonas triplica entre março e abril e chega a 347 km²

Nova fronteira do desmatamento, estado tem registrado em 2022 os piores números da série do INPE. Só no último mês, área perdida foi equivalente à cidade de Belo Horizonte

Cristiane Prizibisczki ·
6 de maio de 2022

A motosserra não tem tido folga no sul do Amazonas. O estado perdeu em abril, época ainda de chuvas na floresta tropical, uma área de 347 km². O número é equivalente ao território da cidade de Belo Horizonte e três vezes maior do que o registrado em março, quando foram perdidos 106 km² de vegetação.

De fato, o programa Deter, do Instituto de Pesquisas Espaciais, tem mostrado que, em 2022, a destruição na nova fronteira do desmatamento acumula um recorde atrás do outro.

Em janeiro, o Amazonas perdeu 44 km² de florestas, número sete vezes maior do que o mesmo período em 2021, quando foram registrados 5,86 km² de desmatamento. Em fevereiro, foram 40,49 km² sob alerta, um aumento de 58% em relação ao mesmo período do ano anterior (25,81 km²). Em março, um novo recorde: 106 km² de desmatamento, número 72% maior que o mesmo período de 2021, quando foram gerados alertas para 61,41 km² no estado.

Novamente em abril, o Amazonas foi o estado que mais registrou avisos de desmatamento, ultrapassando Pará e Mato Grosso, que, historicamente, sempre ocupavam as primeiras posições do ranking de desmatadores.

Segundo a Sala de Situação da Amazônia (AMS), também do INPE, em abril de 2022 o desmatamento no Amazonas foi concentrado em Áreas Indefinidas, com 40,9% do total, seguido por Assentamentos Rurais, com 33,33%, áreas com Cadastro Ambiental Rural, com 23,3%, e Unidades de Conservação, com 2,29%.

Outros estados

Em todo o bioma, os alertas de desmatamento do sistema Deter chegaram a surpreendentes 1.012 km², área do tamanho da cidade de Belém.

Depois do Amazonas, o Pará ficou na segunda posição do ranking, com 287 km² de desmatamento, número seis vezes maior do que o mês anterior, quando foram detectados 45 km² de desmatamento.

O terceiro lugar do ranking foi para o Mato Grosso, que registrou 242 km² de desmatamento em abril, número 124% maior do que o mês anterior.

Em seguida, vem Rondônia, com 108 km² de área sob alerta, seguido por Roraima, com 16,7 km², Acre e Maranhão, ambos com 6 km² e Tocantins, com 1 km² sob alerta de desmatamento. Não foram registrados alertas no Amapá.

  • Cristiane Prizibisczki

    Cristiane Prizibisczki é Alumni do Wolfson College – Universidade de Cambridge (Reino Unido), onde participou do Press Fellow...

Leia também

Reportagens
25 de maio de 2022

Como deslanchar o Código Florestal após uma década de entraves?

Diante de ampla oferta de produção científica sobre o tema, lições de casa para superar os gargalos passam por vontade política e mobilização social, segundo especialistas

Notícias
24 de maio de 2022

Conservar 80% da Amazônia custa três vezes menos do que valor gasto com emendas parlamentares

Governo Bolsonaro gastou, em média, 34,8 bilhões/ano com emendas. Manter protegida uma área de 3,5 milhões de km² custaria cerca de R$ 10,8 bi/ano, mostra estudo

Salada Verde
24 de maio de 2022

Rede de Conservação Águas da Guanabara organiza seminário de educação ambiental

Inscrições estão abertas para o evento, que ocorre nos dias 11 e 12 de julho, em Niterói, e tem como objetivo integrar e promover projetos de sensibilização ambiental na Baía de Guanabara

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta