Notícias

((o))eco contrata: vaga para gestor(a) de redes sociais

Profissionais que se interessem por redes sociais e jornalismo ambiental já podem enviar currículo. A Associação O Eco está em busca de um(a) gestor(a) para as redes sociais da organização

Redação ((o))eco ·
15 de março de 2021
Imagem: Pixabay.

Escreve bem, gosta de meio ambiente e ama redes sociais? Essa oportunidade pode ser para você. A Associação O Eco está em busca de um(a) gestor(a) para as redes sociais da organização. A associação é responsável pelos projetos ((o))eco, de jornalismo ambiental; WikiParques, sobre unidades de conservação; e Sob a Pata do Boi, focado na relação entre a pecuária e o desmatamento na Amazônia. O profissional ficará responsável pelo planejamento do conteúdo das redes, interação com a comunidade e produção de relatórios de audiência. Para isso, buscamos alguém com excelente escrita, experiência com criação de conteúdo, boa desenvoltura com as principais redes sociais (Instagram, Facebook e Twitter) e suas ferramentas, e conhecimento em software de edição de imagem e vídeo. Além disso, é importante que a pessoa tenha interesse pelas pautas ambientais.

As inscrições estão abertas até o dia 30 de Março de 2021. A etapa inicial consiste no preenchimento de formulário online e envio do currículo. Após análise inicial, uma segunda etapa será conduzida com entrevista aos candidatos selecionados.

A Associação O Eco acredita no potencial da diversidade dentro de sua equipe e na construção de um ambiente de trabalho cada vez mais plural e representativo, por isso, vamos priorizar a contratação de mulheres, negros, indígenas, moradores de periferia e LGBTQIA+.

Gestor(a) de Redes Sociais

Carga Horária: 30hs semanais
Remuneração: R$ 2.000,00 / mês
Tipo de Contratação: Prestador de Serviços – Pessoa Jurídica
Trabalho Remoto – Incentivamos a inscrição de candidatos de todo o Brasil
Para outras dúvidas, escreva para marcio[at]oeco.org.br

INSCREVA-SE AQUI

Leia também

Notícias
25 de janeiro de 2022

Bolsonaro corta 35 milhões do orçamento do Ministério do Meio Ambiente para 2022

Veto do presidente ao orçamento aprovado pelo Congresso reduziu principalmente a verba prevista para prevenção e combate de incêndios, que sofreram corte de 17 milhões

Notícias
25 de janeiro de 2022

Moro acena ao agronegócio e critica a política de meio ambiente de Bolsonaro

Em participação ao Flow Podcast, pré-candidato defende a valorização da agropecuária e acusa o atual governo de estimular o desmatamento ilegal

Reportagens
25 de janeiro de 2022

A história de uma floresta vazia que, aos poucos, volta à vida

Como o Parque Nacional da Tijuca virou um laboratório de reintrodução de espécies extintas localmente. E como isso tem ajudado a salvar a floresta

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 3

  1. Fernanda Costa diz:

    Essa série de reportagens sobre a Mata Atlântica é uma aula de jornalismo ambiental. Parabéns à equipe de O Eco!


    1. Obrigado, Fernanda. Ficamos muito felizes em ler esse comentário e obrigado pela audiência. 🙂
      Você pode acompanhar todos os artigos e reportagens da série em https://oeco.org.br/especial/mataatlantica/


  2. Paulo diz:

    Hoje temos o Parque Nacional da Serra do Itajaí (PNSI), com os seus 57 000 hectares em Santa Catarina, sem a presença da Anta/Tapir(
    Tapirus terrestris), sem a jacutinga (Aburria jacutinga), com populações na berlinda da endogamia para os porcos queixadas, caititus e cervos do gênero Mazama. Também na escassez para os demais cracídeos, tinamiformes, roedores como as paca (agouti paca), tucanos, bugios, etc…….

    Área temos.