Notícias

“Pegue essa grana e refloreste a Alemanha, ok?”, diz Bolsonaro sobre Merkel

Presidente sugere que chanceler alemã use verba que país não enviará mais ao Brasil para reflorestar no próprio país. Alemanha protege 38% de seu território

Daniele Bragança ·
14 de agosto de 2019 · 2 anos atrás
Jair Bolsonaro e Angela Merkel, durante reunião paralela dos Líderes do G20, no Japão. Foto: Clauber Cleber Caetano/PR.

O presidente da República, Jair Bolsonaro (PSL), reagiu com ironia a notícia sobre o cancelamento de repasses de recursos do governo alemão para projetos de conservação na floresta amazônica. Recentemente, a Alemanha congelou o envio de 155 milhões de reais por causa do aumento do desmatamento na região. Perguntado na noite desta quarta-feira (14) sobre o fim dos repasses, Bolsonaro mandou a Alemanha investir no próprio reflorestamento.

“Eu queria até mandar um recado para a senhora querida Angela Merkel, que suspendeu R$ 80 milhões para a Amazônia. Pegue essa grana e refloreste a Alemanha, ok? Lá está precisando muito mais do que aqui”, disse o presidente Jair Bolsonaro, após dizer que nomeará um novo Procurador-Geral da República (PGR) que não seja xiita na questão ambiental e sobre minorias. O mandato de Raquel Dodge termina no dia 17 de setembro.

A Alemanha é o país Europeu com maior percentual de proteção da própria vegetação, de acordo com dados do Banco Mundial. Possui 38% de seu território em áreas protegidas. Proporcionalmente, o Brasil protege menos, cerca de 29% de seu território.

Discurso nacionalista 

O discurso sobre interferência externa na questão ambiental ganhou força após o governo se voltar contra o Fundo Amazônia, criado há 10 anos para financiar projetos de proteção e combate ao desmatamento na Amazônia Brasileira. Em junho, durante reunião do G20, no Japão, Bolsonaro desafiou o presidente da França, Emmanuel Macron, e à primeira-ministra da Alemanha, Angela Merkel a sobrevoarem um trecho da floresta amazônica. “Se eles encontrarem um quilômetro quadrado de desmatamento entre Boa Vista e Manaus, concordaria com eles (sobre política ambiental)”.

O MapBiomas fez os cálculos e viu que, só este ano, o trecho entre as duas capitais mostra 2,3 mil alertas de desmatamento. A plataforma, rede que envolve universidades, empresas de tecnologia e ONGs na análise de imagens de satélite, fez o passeio virtual usando o Google Earth.

Ao mesmo tempo que o governo brasileiro endurece críticas contra os europeus, anuncia que estuda abrir a mineração em terras indígenas em parceria com os americanos. A pauta é um dos motivos apontados por Bolsonaro para nomear o próprio filho, Eduardo Bolsonaro, para chefiar a embaixada do Brasil em Washington.

 

Leia Também 

Maiores doadores, Noruega e Alemanha rejeitam mudanças no Fundo Amazônia

“Esse governo é de vocês”, diz Bolsonaro a Ruralistas

Bolsonaro sugere que dados do desmatamento passem por ele antes de serem divulgados

 

  • Daniele Bragança

    É repórter especializada na cobertura de legislação e política ambiental. Formada em jornalismo pela Universidade do Estado d...

Leia também

Reportagens
22 de julho de 2019

Bolsonaro sugere que dados do desmatamento passem por ele antes de serem divulgados

Para coordenador do MapBiomas, mesmo que o Executivo tenha ingerência sobre dados do INPE, outros sistemas de monitoramento não oficiais continuarão a funcionar

Notícias
4 de julho de 2019

“Esse governo é de vocês”, diz Bolsonaro a Ruralistas

Em encontro com parlamentares, presidente disse que governo atual não é como os anteriores, que “demarcavam dezenas de áreas indígenas, demarcavam quilombolas, ampliavam áreas de proteção”

Salada Verde
11 de junho de 2019

Maiores doadores, Noruega e Alemanha rejeitam mudanças no Fundo Amazônia

Proposta de mudanças não foi aceita pelos principais doadores do Fundo Amazônia, que financia combate ao desmatamento na Amazônia e manutenção da floresta em pé

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 13

  1. George diz:

    "a Amazonia peruana por exemplo não tem a mesma atenção"

    Tem sim. Há uma campanha internacional em curso contra a abertura de estradas no sudeste do Perú. Claro que isso não penetra em certas bolhas paranóicas tupiniquins.


    1. Flávio diz:

      Meu amigo, é improtante recorrer às fontes peruanas e estas mobilizações internacionais pautadas por ONGs fazem mais fumaça que luz. Por exemplo, qual a campanha internacional conduzida pela ONU, Alemanha e Noruega por exemplo contra o governo peruano e contra a China, principal agente economico na Amazonia Peruana? Yeve alguma notia de repudio à ação da China por exemplo. Para reflexão: https://www.coalicionregional.net/china-vulnera-d… , https://www.servindi.org/actualidad-noticias/11/1… e veja na bolivia: https://es.mongabay.com/2018/02/trafico-de-colmil

      Está vendo alguma comoção da UE e ONU contra a China e governos de Peru e mesmo Bolivia? Fundos internacionais estão suspensos? Complicado né…


  2. George diz:

    Que diabo é a "territorialização da Amazônia brasileira"? Frase de efeito, ou código para a entrega de tudo aos grileiros, barrageiros e mineradoras?


    1. Flávio diz:

      Calma que eu te explico pqno ponei! Territorialização é um conceito básico e bastante amplo da geografia básica e pressupõe uma relação de identidade histórica, cultural, social, econômica, politica, etc conforme a abordagem, caracterizada por uma relação de poder, de dominio por assim dizer, suficiente para identificar o "dono" do espaço geográfico em questão. O espaço geográfico por sua vez result das atividades humanas como agente do processo de construção e transformação das sociedades, sendo identificado primariamente como paisagem.
      No caso da Amazônia, embora transnacional, se consolidou como um paisagem-marca brasileira internacional notadamente por conta da relevância geopolitica nacional destacada desde a ECO 92 para um processo de internacionalização e descaracterização da soberania nacional, hoje atacada como calcanhar de Aquiles e barreiras comerciais ambientais.
      Recomendo fortemente que reveja conceitos básicops de geografia.


    2. George diz:

      Nossa, que definição prolixa! Parece algo escrito por um desses acadêmicos de ciências sociais que o pessoal zoa! A melhor parte é:

      "paisagem-marca brasileira internacional"

      Recomendo fortemente que reveja conceitos básicos de sintaxe. Não deu para entender a última parte.


      1. Flávio diz:

        Não é prolixa, é que entendi sua dificuldade com conceitos básicos da geografia. Para ficar mais fácil você pode pensar em paisagens marcas como a de Paris com a Torre Eifel, o Rio com o Corcovado, os Moinhos da Holanda e recentemente, o reforço na identificação da Amazonia como "Paisagem-marca" do Brasil e sua utilização como instrumento de pressão politica e econômica.
        O que pode refletir é porque a Amazonia peruana por exemplo não tem a mesma atenção da Noruega e da Alemanha (https://gestion.pe/economia/peru-setimo-pais-mundo-mayor-deforestacion-bosques-primarios-265487-noticia/ ) ou porque a UE não ataca a China e sua influência crescente na Amazonia e florestas tropicais africanas. (dica de leitura: A Amazônia na grande estratégia de política externa da China, em https://www.ibri-rbpi.org/?p=12258)

        Pense que ao sair da Matrix Vermelha vai começar a ver a paisagem geopolitica continental e planetária de uma maneira mais próxima da realidade, a despeito das espirais de silencio e desinformação da extrema imprensa.


  3. Jefferson diz:

    Bolsonaro precisa entender que as palavras dele comprometem um acordo com a UE que duraram anos pra ser concretizado.
    Precisa entender que esses deboches são negociações que podem ser perdidas.


    1. Flávio diz:

      Bolsonaro entendeu que o Acordo não deve ser uma submissão e que está em posição de força, colocando a UE no seguinte dilema: UE continua a ser desmoralizada e exposta internacionalmente e derruba o acordo em um momento em que a projeção de crescimento da economia da zona do euro oscila entre 1,2% em 2019 e 1,5% em 2020, com consequencias catastróficas para as politicas de bem estar social e perde influência no cone sul, em um momento em que o Brasil abre os mercados e reforça as relações com EUA e China e outros mercados, ou desiste da militância politicamente correta como forma de pressão.
      O que a UE está conseguindo com sucesso é diminuir sua influência econômica e politica no cone sul, ppmente no momento em que a Venezuela se consolida como ditadura e se Kischner vencer, reforçará a falência da Argentina e ao mesmo tempo dará uma sobrevida `s ditaduras do Foro de São Paulo… Tudo isso enquanto a China aumenta sua influência na Asia e Europa através da nova rota da Seda (“Um cinturão, uma rota”), a politica imigração muçulmana começa a se caracterizar como uma bomba demográfica conduzindo diversos paises ao caos, posto que não são absorvidos pela cultura local, mas o contrário e, os EUA começam a por em cheque a liderança de Alemanha e França na OTAN em favor de Polônia e Hungria por exemplo…. Ou seja, UE está sem saber exatamente o que fazer hehehehehe


      1. Sebastian diz:

        Nao se preocupe sobre a Alemanha, está tudo ótimo por aqui, muitos turistas brasileiros vao confirmar.
        Abracos de Frankfurt am Main


  4. Flávio diz:

    Bolsonaro como sempre marcando mais um ponto em defesa da soberania do pais, ppmente ante a Alemanha, que possui mais de 40% de sua matriz energética em carvão sendo o maior emissor de CO2 da Europa, já tendo antecipado que não cumpriram o acordo de 2030 que cinicamente usa para presionar um pais que de 29% de área protegida , possui mais de 65% da vegetação nativa é preservada no Brasil segundo Embrapa. Ou seja, o subjornalismo militante torce a verdade e fabrica motivações contra o próprio pais. Triste o papel desta moça.


    1. Flávio Jr. diz:

      Não confunda soberania com anti-política ambiental meu caro. Ah, e também não confunda preservação com conservação…acho que você, no alto de sua infinita sabedoria, conhece a diferença entre as duas.

      Seu desprezo por esse "sub"jornalismo "militante" é tão grande e recorrente que fica a pergunta: O que fazes aqui, flavinho? Gostas de sofrer com o que "esta"moça escreve?

      Abraços fraternos,


      1. Flávio diz:

        Mas xará, você têm duvidas que as ações de países da UEE, em especial Alemanha, França e Noruega não constituem uma agressão a soberania nacional, mesmo camuflada de discurso ambiental? Você acha mesmo que esta campanha difamatória conduzida por interesses externos claramente dirigida ao agronegócio e objetivando impedir a territorialização da Amazônia brasileira não constitui uma ameaça internacional? Se o Eco não se preocupasse tanto em censurar os posts, poderíamos aprofundar o tema, já que parece que desconhece realmente o que está acontecendo.


    2. Joselito diz:

      O presidente, assim como o Flávio, podiam pegar as suas bravatas e enfiar no meio da… boca (que é de onde sai a merda que falam).