Notícias

São Paulo fecha Zoológico e Jardim Botânico por febre amarela

Medida foi tomada após resultado positivo para a doença em macaco encontrado morto nas dependências do zoológico de São Paulo. O fechamento é temporário e preventivo

Sabrina Rodrigues ·
23 de janeiro de 2018 · 4 anos atrás
O Zoológico de São Paulo, Zoo Safari, Jardim Botânico e o Parque Ciência e Tecnologia (Cientec) ficarão fechados por prevenção, após macaco-bugio ser diagnosticado com febre amarela. Foto: Wikipédia.

Nesta terça-feira (23), a Secretaria Estadual de Saúde de São Paulo informou que o Zoológico, Zoo Safari, Jardim Botânico e o parque Ciência e Tecnologia (Cientec) da Universidade de São Paulo estarão temporariamente fechados. A medida é considerada preventiva e se justifica após a morte de um macaco-bugio diagnosticado com febre amarela.

O corpo do animal foi encontrado nas dependências do Zoológico no dia 10 de janeiro. Segundo nota oficial da direção da Fundação Parque Zoológico de São Paulo, as amostras do corpo do animal foram encaminhadas para análise no Instituto Adolfo Lutz. Apenas ontem (22) foi confirmado o resultado positivo para a febre amarela. Ao saber do resultado, a direção resolveu suspender, temporariamente, a visitação nos locais.

O zoológico afirma ainda que atividades internas funcionarão normalmente.

Visitação retomada

No mesmo dia em que o bugio foi encontrado morto no Zoológico, os Parques da Cantareira, Ecológico do Tietê e Horto Florestal foram reabertos depois de 2 meses fechados por causa da febre amarela. No Horto Florestal, localizado na zona norte de São Paulo, todos os 86 macacos pertencentes a 17 famílias de bugios foram exterminados desde a aparição do vírus, na região. Mas a reabertura veio com uma recomendação: só deve visitar os parques quem tiver sido vacinado 10 dias antes. A decisão de reabrir os parques veio depois das recomendações da Secretaria de Saúde que garantiu a cobertura da vacinação de toda a região.

Parques com atividades suspensas em Minas Gerais

A Estação Ecológica de Mar de Espanha, na Zona da Mata Mineira, está temporariamente fechada em função do risco de contaminação de febre amarela. Foto: Facebook.

A Estação Ecológica de Mar de Espanha, localizada na Zona da Mata Mineira, está temporariamente fechada em função do risco de contaminação de febre amarela. A decisão partiu da  Secretaria de Estado de Saúde (SES) depois que foram confirmadas mortes de macacos na área em decorrência da febre amarela. Estão com as atividades temporariamente suspensas os Parques Estaduais Serra do Rola Moça e Itacolomi.

No Parque do Rola Moça, a decisão de suspender a visitação e as atividades recreativas veio após a internação de um morador de Brumadinho diagnosticado com febre amarela, na região metropolitana de Belo Horizonte. Além disso, houve a morte de outro morador na região pela doença.

Outras unidades estão em estado de alerta devido à proximidade com áreas onde houve morte de primatas, mas que não estão fechadas são: Estação Ecológica do Cercadinho, Parque Estadual Serra Verde, Parque Estadual da Baleia, Refúgio de Vida Silvestre Libélulas da Serra de São José.

 

Leia Também

Nenhum macaco bugio do Horto Florestal sobreviveu à febre amarela

Febre amarela está matando os bugios brasileiros

Febre amarela ameaça população de muriquis-do-norte

 

  • Sabrina Rodrigues

    Repórter especializada na cobertura diária de política ambiental. Escreveu para o site ((o)) eco de 2015 a 2020.

Leia também

Notícias
19 de janeiro de 2017

Febre amarela ameaça população de muriquis-do-norte

Mortal para humanos e macacos, a epidemia está ocorrendo muito próxima de local que concentra parte fundamental da população de muriquis, espécie criticamente ameaçada de extinção

Reportagens
29 de março de 2017

Febre amarela está matando os bugios brasileiros

A febre amarela se espalhou rapidamente pelo Brasil, destruindo populações de bugios-marrons nos estados de Minas Gerais e Espírito Santo.

Notícias
11 de janeiro de 2018

Nenhum macaco bugio do Horto Florestal sobreviveu à febre amarela

Os 86 macacos pertencentes a 17 famílias de bugios foram exterminados desde a aparição do vírus, em São Paulo, em outubro do ano passado. Parque foi reaberto na terça (10)

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta