Reportagens

A viabilidade do corredor do alto rio Paraná

Relatório de expedição atesta que com recuperação de áreas degradadas e criação de reservas particulares é possível consolidar o corredor de biodiversidade do alto rio Paraná.

Laury Cullen · Fernando Lima ·
25 de setembro de 2007 · 15 anos atrás

Enfim…podemos mesmo chamá-lo de um corredor ecológico? Ou seja, esse mosaico, essa paisagem que compõe as áreas limítrofes e ao longo do principal eixo do rio Paraná possibilitam mesmo o trânsito e o fluxo gênico das espécies sem comprometer a viabilidade das suas populações no longo prazo? A resposta parece ser SIM. Fazendo uma comparação, relativa às outras áreas mais distantes do eixo do rio Paraná, o corredor parece ter futuro! Existe sim um “quase contínuo” de áreas naturais, ainda não tão degradadas entre as proximidades do Parque Estadual do Morro do Diabo, no extremo oeste do Estado de São Paulo (porção mais norte do corredor) e o Parque Nacional do Iguaçu (porção mais sul do corredor). Entretanto, algumas lacunas, ou “buracos de dificuldades de trânsito para a fauna e flora regional” nos preocuparam ao longo de nossas observações durante a expedição. São esses:

Legenda da Figura 1. Importantes Unidades de Conservação, remanescentes florestais e áreas prioritárias para a conservação do longo dos eixos do rio Paranapanema e Paraná, que compõem o corredor de biodiversidade do alto rio Paraná. Entre algumas visitadas durante todo o curso de nossas pesquisas (25) Parque Estadual do Morro do Diabo (SP); (26) Estação Ecológica de Caiuá (PR); (24) Parque Estadual das Várzeas do Rio Ivinhema (MS); (29) Parque Nacional de Ilha Grande (PR); (9, 6, 15, 13, 10, 11) Maciços florestais, remanescentes de florestas e matas ciliares recompostas ao longo do reservatório de Itaipu Binacional. Círculos em vermelho representam as grandes lacunas de conectividade detectadas pela expedição, ao longo do Corredor de Biodiversidade do Alto Rio Paraná. (Mapa adaptado de Di Bitetti et. al. 2003).

  • Laury Cullen

    Engenheiro Florestal formado pela Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz

Leia também

Reportagens
30 de novembro de 2022

Paralisação do PL do Veneno e aprovação do PL do Lobby marcam 1X1 para Lula

Intensa movimentação é resultado do antagonismo de forças que seguem buscando criar um contexto favorável para a mudança na gestão nacional em 2023

Reportagens
30 de novembro de 2022

Promessa de Lula, combate ao garimpo se mostra desafio na Amazônia

Destruição de balsa na região do Médio Juruá, no Amazonas, mostra avanço da mineração ilegal nas regiões intocadas da floresta

Notícias
30 de novembro de 2022

Planta é descoberta no Espírito Santo, já sob risco de extinção

Pesquisadores identificaram uma nova espécie peculiar de tarumã nas montanhas do Espírito Santo que foge das regras pro gênero botânico

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta