Reportagens

Ovos da esperança na Chapada dos Veadeiros

Ovos de pato-mergulhão são avistados pela 1ª vez na Chapada dos Veadeiros (GO). Embriões morreram, mas deixaram no ar a possibilidade do manejo da ave em cativeiro.

Dominique Lima ·
9 de setembro de 2008 · 13 anos atrás
Biólogos tentam identificar fase de desenvolvimento do embrião no ovo do pato-mergulhão. (Foto: ICMBio)
Biólogos tentam identificar fase de desenvolvimento do embrião no ovo do pato-mergulhão. (Foto: ICMBio)
Caso os ovos tivessem eclodido, os filhotes seriam os primeiros indivíduos em cativeiro da espécie e teriam experimentado um projeto que tem previsão de início para maio de 2009: a reprodução e manejo da espécie em cativeiro de maneira sistemática. Os pesquisadores pretendem manter um número de indivíduos que assegure a sobrevivência da espécie.  Os responsáveis asseguram que a população que vive no habitat natural não será prejudicada pela ação. “Sabemos que o ambiente de cativeiro não é o ideal, mas decidimos tomar essa atitude e diminuir os riscos de extinção. Tomaremos todos os cuidados necessários para evitar a diminuição da população, retirando os ovos de ninhos em que a fêmea terá condições de repô-lo, por exemplo”, explica Yara de Melo Barros.

Leia também

Notícias
26 de novembro de 2021

Informação obtida via LAI revela que MCTI recebeu dados do desmatamento em 1º de novembro

Ministro Marcos Pontes disse que dados não foram publicados antes da Conferência do Clima porque ele estava de férias. Agenda oficial registra férias entre 8 e 19 de novembro

Notícias
26 de novembro de 2021

Jornalismo digital brasileiro se une em campanha de financiamento

Ação reúne 26 organizações com objetivo de arrecadar doações para fortalecimento do jornalismo digital de qualidade

Reportagens
26 de novembro de 2021

MPF pede anulação da Licença de Instalação do Linhão Tucuruí na terra Waimiri Atroari

Ação aponta que União e a Transnorte agem ilegalmente no licenciamento da obra. Autossuficientes em energia elétrica, os Waimiri Atroari são contra o empreendimento e sentem “a floresta sangrar”

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta