Reportagens

Contra desmate, licenciamento parado

Governo suspende licenciamento da BR-319 e toma medidas para tentar evitar destruição como a que ocorreu na região da BR-163. Minc diz que opção por ferrovias é decisão de governo

Redação ((o))eco ·
24 de setembro de 2008 · 13 anos atrás

O licenciamento da pavimentação de um trecho com 800 quilômetros da BR-319, que liga Manaus (AM) a Porto Velho (RO), está suspenso por dois meses. A medida foi anunciada hoje por Carlos Minc, ministro do Meio Ambiente. O temor é de que ocorra no entorno da rodovia destruição semelhante à registrada na região da BR-163. Lá, as derrubadas cresceram 500% após o anúncio de seu asfaltamento, há mais de cinco anos. Até hoje a obra não foi realizada.

Nesses 60 dias, um grupo de trabalho com membros governistas da área ambiental, da Integração, Transportes e Cidades, além de governos de Rondônia e do Amazonas, passará um pente-fino no entorno da BR-319 e levantará quanto dinheiro e quais articulações políticas serão necessárias para implementar e criar unidades de conservação federais e estaduais que tentam formar uma barreira contra as incansáveis motosserras.

Em maio e junho deste ano, foram decretados os parques nacionais do Mapinguari e Nascentes do Lago Jarí, as reservas extrativistas de Ituxi e do Médio Purus, e ainda a Floresta Nacional do Iquiri e a ampliação da Floresta Nacional (Flona) de Balata-Tufari, somando 5,5 milhões de hectares. Tudo segue no papel. Ano passado, 22% das derrubadas ocorreram dentro de áreas protegidas e de terras indígenas na Amazônia. “Parque de papel pega fogo fácil. Tem que implementar”, reconheceu Minc.

Além dessas áreas protegidas, o governo do Amazonas deveria ter ampliado a Flona de Balata-Tufari, criado a Floresta Estadual de Samaúma e as reservas de desenvolvimento sustentável Igapó-Açú e de Canutama, perfazendo quase dois milhões de ha.

Desmatamento de aproxima de áreas preservadas em Rondônia e no Amazonas. (Imagem: MMA)
Desmatamento de aproxima de áreas preservadas em Rondônia e no Amazonas. (Imagem: MMA)

Mais derrubadas, novas medidas

As ações prometidas hoje por Minc têm um motivo especial e bem concreto, como anunciou ontem O Eco: as derrubadas registradas em agosto pelo Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) se concentram no Amazonas, estado quase intocado até um ano atrás. E pior, incidem diretamente no eixo da BR-319, vizinho a um verdadeiro filé mignon florestal. A área é densamente povoada com madeiras nobres.

Uma das zonas críticas é Apuí, município cortado pela Transamazônica. Mas a pior tendência de elevação nos cortes está perto de Lábrea, ao longo do eixo da BR-319, próximo à divisa com Rondônia, de onde avançam as derrubadas.

Por tudo isso, o Ministério do Meio Ambiente também informou que segunda-feira (29), quando se conhecerão os números do Deter para agosto, também serão revelados os cem maiores desmatadores da Amazônia. A lista foi montada com apoio do Ministério Público Federal e Advocacia-Geral da União. Com a divulgação dos nomes, de pessoas e de empresas, o governo espera reduzir a impunidade contra os crimes ambientais na região.

A Amazônia também ganhará até oito novas barreiras rodoviárias contra transporte ilegal de madeira e outros produtos, além dos postos já instalados na BR-163 e BR-364, promete o governo. Além disso, Tocantins e Rondônia receberão apoio para que elaborem planos estaduais contra desflorestamento, assim como já ocorre com Mato Grosso, Pará e Acre. Isso é fundamental para que possam levantar dinheiro junto ao recém criado Fundo Amazônia.

Asfalto ou trilhos?

Desde o anúncio da reforma e asfaltamento da BR-319, entidades civis e pesquisadores vêm levantando a lebre de que uma ferrovia seria menos impactante para a floresta. Trilhos e locomotivas evitariam mais desmatamento e reduziriam a emissão de poluentes.

Semana passada, o federal DNIT (Departamento Nacional de Infra-Estrutura de Transportes) enviou ao Ibama os estudos de impacto para o asfaltamento de aproximadamente 800 quilômetros na porção central da rodovia. Como salientou Carlos Minc, a legislação federal (Resolução 01/1986 do Conselho Nacional do Meio Ambiente) obriga a avaliação de alternativas a obras de grande porte. O Rio Madeira, por exemplo, corre próximo à estrada por um bom trecho, e é por ele que circula grande parte das mercadorias entre Porto Velho e Manaus. “Estudo sem alternativa não será aceito”, ressaltou o ministro. Segundo ele, os governadores Ivo Cassol (Rondônia) e Eduardo Braga (AM) são favoráveis aos trilhos.

Consultado, o DNIT informou por meio de sua assessoria de imprensa que a papelada entregue ao Ibama já tem avaliações de alternativas ao asfaltamento da BR-319. O Ibama, no entanto, ainda não analisou os documentos e não soube informar se estão mesmo em ordem. Caso contrário, precisarão ser complementados.

Sem questionar a viabilidade econômica e ambiental daquela pavimentação, Carlos Minc jogou no colo do governo a decisão pelo modal de transporte mais adequado para a região. “Esta decisão (sobre rodovia ou trilhos) é do governo, não é minha. O que for decidido eu acatarei”, comentou. “E a licença será condicionada à adoção de unidades de conservação pelos empreendedores”, completou.

O comentário não agradou a ambientalistas, que vêem nas estradas (asfaltadas ou não) um dos motores do desflorestamento. Conforme Fernando Kreppel, vice-presidente da não-governamental Preserve Amazônia, as ferrovias são pura vantagem, principalmente sob os aspectos ambiental e econômico. “De início a rodovia é mais barata, mas a economia com manutenção no médio e longo prazos, ainda mais em uma região como a Amazônia, é muito maior com uma ferrovia”, comentou.

A entidade vem movendo mundos e fundos e encaminhando ações à Justiça onde pede a paralisação de obras na Amazônia até que sejam avaliadas alternativas construtivas, como pede a legislação. No entanto, conforme Kreppel, é difícil romper com antigos vícios. “A lei estabelece estudos de alternativas ao modal rodoviário, mas hoje fazem estudos para uma única opção de obra. É difícil quebrar o ciclo de interesses de madeireiros, fazendeiros e outros setores interessados nas rodovias”, reclamou.

Leia também

Salada Verde
15 de outubro de 2021

GLO ambiental não será renovada, anuncia Mourão

A operação acabou nesta sexta-feira (15). Atuação de militares não resultou em diminuição do desmatamento na Amazônia, mesmo com efetivo e orçamento maiores que dos órgãos ambientais

Notícias
15 de outubro de 2021

Justiça do México suspendeu revisão da meta climática, apresentada em 2020

Assim como o Brasil, o México revidou a meta para abaixo do estabelecido no Acordo de Paris. Greenpeace questionou na Justiça a nova NDC e ganhou

Reportagens
15 de outubro de 2021

Com acordo político, 1ª parte da Conferência da ONU sobre Biodiversidade chega ao fim na China

Mais de 100 países assinaram Declaração de Kunming, se comprometendo politicamente a preservar a biodiversidade do planeta

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta