Reportagens

UNEP quer restaurar ecossistemas degradados

Restauração de ecossistemas pode gerar trilhões de dólares e milhares de empregos, segundo novo relatório do Programa de Meio Ambiente da ONU.

Redação ((o))eco ·
9 de julho de 2010 · 12 anos atrás
Londres – O UNEP divulgou um relatório que dá ênfase aos benefícios de se recuperar ecossistemas naturais. O relatório defende que, longe de ser um imposto sobre o crescimento e desenvolvimento, a recuperação de sistemas naturais vai gerar emprego, riqueza e restauração de serviços de trilhões de dólares.

O relatório utiliza estudos de caso para demonstrar os benefícios da restauração florestal para a biodiversidade e conservação e seus impactos para a vida e bem-estar humano. A variedade de ecossistemas apresentados em cada estudo de caso mostram muitos benefícios singulares que a restauração florestal pode oferecer.

O Instituto Terra, uma organização sem fins lucrativos que possui viveiros para fazer replantio de áreas degradas na Mata Atlântica é mencionada por seus serviços para com a biodiversidade, regulação da água, estoque de carbono e prevenção de erosão do solo.
 
Proteger ecossistemas intactos é, certamente, a forma mais lógica e com menos custos na estratégia de mitigação das mudanças climáticas, porém mais de 60% dos ecossistemas globais – de áreas pantanosas e recifes de coral até florestas tropicais e solos – já encontram-se degradados. Com base nisso, o relatório afirma que a restauração florestal deve ganhar igual importância para a conservação. (Patrick Bodenham)

Baixe aqui o relatório completo

 

Alguns dos benefícios da restauração florestal:
 
·         Aumento na qualidade dos habitats para animais e plantas;
·         Reserva de água segura e de alta qualidade;
·         Prevenção e redução da degradação do solo;
·         Fonte segura de biomassa e bioenergia.
·         Seqüestro de carbono socialmente aceitável e ambientalmente seguro;
·         Demanda adequada e sustentável em oportunidades de empregos para comunidades rurais;
·         Fonte sustentável de Madeira para indústria e comunidade locais;
·         Investimento com retorno sólido para setor da indústria florestal;
·         Aumento na resistência e resiliência dos sistemas naturais às mudanças climáticas;
·         Fonte de produtos florestais não madeireiros como plantas medicinais e artigos comerciáveis.
·         Oportunidades de recreação e turismo;
·         Aumento no valor das propriedades próximas à área restaurada;
·         Reforço econômico e ambientalmente seguro e mitigação de riscos para a economia e para o meio ambiente.
 
Fonte: Global Partnership on Forest Landscape Restoration (GPFLR),
http://www.ideastransformlandscapes.org

Leia também

Notícias
15 de agosto de 2022

Licença de operação de termelétricas na Baía de Sepetiba é suspensa pelo Inea

É o segundo revés sofrido pelo empreendimento energético em uma semana. Na terça-feira, a Aneel revogou a outorga de autorização ao projeto por descumprimento de prazos

Notícias
15 de agosto de 2022

Bolsonarismo resiste na Amazônia, mas eleitores se dividem no voto a voto

É apenas na região Norte que Jair Bolsonaro lidera na pesquisa espontânea. Na estimulada, quando os eleitores são apresentados aos nomes dos concorrentes, Lula aparece em primeiro lugar, porém ambos empatam tecnicamente

Reportagens
15 de agosto de 2022

Governadores da nova fronteira do desmatamento buscam reeleição

A criação de uma zona do agronegócio na divisa do Acre, Amazonas e Rondônia (ainda) não avançou, mas a devastação da floresta disparou. Mas nada disso parece mudar a vontade do eleitorado da região

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta