Reportagens

Operação contra ‘crédito virtual’ em Rondônia

Ação do Ibama já investigou 40 madeireiras suspeitas de 'esquentamento' de toras nativas.

Karina Miotto ·
16 de agosto de 2010 · 12 anos atrás

No dia 2 de agosto, o Ibama anunciou o início da Operação Dinizia em Rondônia que, nas palavras de um comunicado oficial, visa “coibir ilícitos ambientais relativos à exploração e industrialização ilegal de produtos e subprodutos florestais”. A operação será feita em parceria com o Instituto Chico Mendes de Biodiversidade (ICMBio), a Polícia Federal, o Sistema de Proteção da Amazônia (Sipam), a Força Nacional de Segurança e a Polícia Rodoviária Federal.

O foco da ação se concentrará no combate aos chamados “créditos virtuais” e no esquentamento de madeira proveniente de terras indígenas e unidades de conservação do estado, especialmente nos distritos Jaci-Paraná, Vista Alegre do Abunã, Extrema e Nova Califórnia. Rondônia possui cerca de 1500 madeireiras. 80 delas ficam nos quatro distritos onde se concentram as ações da Operação Dinizia.

A função do chamado crédito virtual é “legalizar” madeira roubada, ilegal. De acordo com uma resolução do Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama), o índice de conversão, ou seja, de aproveitamento da tora, é de 45%. Quando o madeireiro aproveita menos do que isso, esquenta madeira e vende o crédito restante por m3, que chega a custar R$ 400 (o preço do m3, fora deste esquema de corrupção, gira em torno de R$ 600).

César Luiz da Silva Guimarães, superintendente estadual do Ibama em Rondônia, conta que as suspeitas do esquema começaram a partir da observação de que ao mesmo tempo em que o índice de desmatamento no estado diminuía, a venda de madeira aumentava. “Percebemos que havia algo de errado. Foram 18 meses de investigação em um trabalho de inteligência até identificarmos um mercado negro”.

Em uma semana de ação, a Operação Dinizia já fiscalizou 40 madeireiras. Deste total, onze apresentam indícios de irregularidades e quatro estão, definitivamente, agindo de forma ilegal. Os proprietários foram denunciados criminalmente por falsidade ideológica, formação de quadrilha, falsificação de documento público e poderão ser presos, além de terem que pagar uma multa.

Mais de 100 espécies de árvores têm sido retiradas na região de forma ilegal, entre elas Faveira Ferro, Taoarí, Angelim e Maracatiara. A detecção do corte é uma das dificuldades enfrentadas pela fiscalização, já que madeireiros fazem a derrubada de uma árvore às vezes com quilômetros de distância da outra. Visto do alto, o local do crime pode parecer floresta intocada. “A quantidade de dinheiro que corre neste esquema é incalculável. Estamos falando de milhões e milhões de reais”, explica o superintendente.

De acordo com ele, 130 pessoas de diversos órgãos atuam em conjunto na Operação, que não tem data para terminar. “Todos estão muito bem treinados, equipados e preparados com boa infraestrutura. Estamos em uma guerra de igual para igual contra o crime organizado”. Ele diz que a equipe chegou a receber ameaças. “Já ouvimos que ninguém tem peito de ferro. Se alguma coisa acontecer, aí sim que intensificaremos o trabalho”. (Karina Miotto)

Leia também

Notícias
20 de maio de 2022

Alto custo é principal barreira para visitação de parques

De acordo com estudo, alto custo da viagem, distância e falta de informações disponíveis são os principais obstáculos para visitação de parques naturais

Notícias
20 de maio de 2022

Presidenciáveis recebem plano para reverter boiadas ambientais de Bolsonaro

Estratégia ‘Brasil 2045’ propõe medidas para reconstruir política ambiental brasileira e fazer país retomar posição de liderança global em meio ambiente

Análises
20 de maio de 2022

O dilema de Koniam-Bebê

Ocupação indígena no Parque Estadual Cunhambebe realimenta falsa dicotomia entre unidades de conservação e territórios indígenas

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 1

  1. Cássio Garcez diz:

    Brilhante análise, Beto. Parabéns e obrigado por ela.