Reportagens

Conservação nas políticas locais

Estudo lançado no Brasil prevê inclusão de valores de serviços prestados pelos ecossitemas em decisões regionais.

Redação ((o))eco ·
15 de setembro de 2010 · 11 anos atrás
Sukdhev, o autor principal da série sobre a economia da biodiversidade (foto: divulgação TEEB)
Sukdhev, o autor principal da série sobre a economia da biodiversidade (foto: divulgação TEEB)

Foi lançado na semana passada o quinto relatório da série TEBB, liderado por Pavan Sukhdev e sediado pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA). O  TEBB para Políticas Locais e Regionais, divulgado simultaneamente no Brasil, Bélgica, Índia, Japão e África do Sul, visa a inclusão de serviços e valores prestados pelos diferentes ecossistemas do planeta às políticas públicas, a fim de ajudar cidades e autoridades a melhorar a qualidade de vida, garantir meios de subsistência da população, gerar empregos e, assim, impulsionar a economia local.

Clique aqui para baixar o relatório completo

O objetivo do TEBB para Políticas Locais e Regionais é um reformulação na abordagem econômica dos ecossistemas, criando novas políticas para o gerenciamento urbano, ordenamento territorial e gestão de áreas protegidas, aumentando o conhecimento do valor do capital natural. O relatório estimula uma abordagem gradual na avaliação de opções que considerem os benefícios da natureza nas ações políticas locais, como avaliação dos serviços dos ecossistemas e das prováveis mudanças na sua disponibilidade e distribuição, identificação dos serviços ecossistêmicos mais relevantes para questões políticas específicas e avaliação dos impactos das opções políticas sobre diferentes grupos na comunidade. A nova abordagem investiga quadros de planejamento e avaliações de impacto ambiental, identificação do potencial econômico dos ecossistemas, além de destacar a dependência das cidades com a natureza.

O Brasil e outros países da América Latina estão reconhecendo os benefícios de se considerar a dimensão econômica da biodiversidade. No Brasil, além do lançamento do relatório, foi realizado um workshop nos dias 9 e 10 de setembro para autoridades locais, a fim de explorar as descobertas do TEEB no contexto da América Latina e Caribe. O evento, organizado pela cidade de Curitiba em conjunto com o Programa das Nações Unidas para Meio Ambiente (PNUMA), Programa das Nações Unidas para Desenvolvimento (PNUD), Fundação Avina, Unilivre e o Programa Global Canopy, contou com a presença de Sukhdev.
 
Alguns resultados já foram observados com a implementação desse nova perspectiva econômica ambiental. Curitiba, por exemplo, conseguiu aumentar a área verde por pessoa de menos de 1m²/capita para 52 m²/capita. Foram plantadas 1.5 milhões de árvores e incentivos fiscais foram concedidos para a criação de projetos que incluíssem áreas verdes. No Equador, O Fundo da Água de Quito, (FONAG) é um mecanismo de financiamento sustentável que permite a proteção a longo prazo dos ecossistemas naturais e a prestação de serviços ecossistêmicos. A bacia de Quito fornece cerca de 80% da água doce que  é paga por consumidores ao fundo. O fundo, por sua vez, investe na conservação das florestas que cercam os rios, lagos e córregos, e financia projetos de reflorestamento em toda a comunidade para garantir o fluxo de água potável. O FONAG serve de modelo para outras políticas de fundos e programas de pagamento por serviços ambientais.

Leia mais

Biodiversidade: consciência é baixa entre empresários
 

Leia também

Análises
24 de janeiro de 2022

O legado de Thomas Lovejoy para a ecologia brasileira

Falecido em dezembro, Lovejoy concebeu o que viria a ser o mais duradouro experimento ecológico realizado até hoje em florestas tropicais

Notícias
24 de janeiro de 2022

Lewandowski suspende decreto que tirou proteção das cavernas de máxima importância

Decisão do ministro do STF acata parcialmente pedido de medida cautelar protocolado pela Rede e pelo Partido Verde, que apontam inconstitucionalidade do decreto presidencial que removeu proteção das cavernas

Notícias
24 de janeiro de 2022

Satélites apontam garimpo como responsável pela mudança da cor da água do rio Tapajós

Análise de imagens de satélite feita pelo MapBiomas aponta evidências de que a coloração diferente nas águas do rio paraense é resultado da explosão do garimpo na região

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta