Reportagens

De olhos voltados à Amazônia venezuelana

Livro Vermelho dos Ecossistemas Terrestres da Venezuela adverte sobre o estado de conservação do Amazonas e o risco de desaparecimento das florestas do país.

Evelyn Gusmán ·
17 de novembro de 2011 · 10 anos atrás
As florestas decíduas estão em áreas protegidas sob a figura dos parques nacionais como o Parima Tapirapecó. Foto: guiaviajesvirtual.com
As florestas decíduas estão em áreas protegidas sob a figura dos parques nacionais como o Parima Tapirapecó. Foto: guiaviajesvirtual.com
Uma sensação de apreensão invadiu o grupo de cientistas que trabalhou na elaboração do Livro Vermelho dos Ecossistemas Terrestres da Venezuela (LR), editado pela organização ambiental venezuelana Provita e que teve sua primeira edição publicada em dezembro de 2010. Os chamados “bosques sempre-verdes”, no sul da Venezuela, já não estariam longe da intervenção humana.

 

Na foto podem se comparar as mudanças nas formações vegetais da Venezuela atual, sobre o mapa de vegetação de 1988. Foto: Livro Vermelho dos Ecossistemas Terrestres da Venezuela  | Clique para ampliar
Na foto podem se comparar as mudanças nas formações vegetais da Venezuela atual, sobre o mapa de vegetação de 1988. Foto: Livro Vermelho dos Ecossistemas Terrestres da Venezuela | Clique para ampliar
O LR explica que as florestas do país têm uma superfície de 311.496 km², dos quais 290.018 km² estão nos estados Amazonas, Bolívar e Delta Amacuro – alguns cientistas defendem que a Amazônia venezuelana deveria abrigar os três estados. Para esta publicação somente o Amazonas foi considerado – onde, oficialmente, estão 53 mil km² da região amazônica pincelada por bosques e arbustos sempre-verdes e de palmeiras, arbustais ribeirinhos e herbáceos tepuianos, floresta semidecidual e ribeirinha, herbáceos arbustivos sobre areia branca e vegetação saxícola.

O estudo indica que em 1998 a cobertura de florestas no Amazonas era de 145.555 km². Até 2010, foram destruídos 13.825 km² o que resulta, atualmente, em 131.730 km². Entre as principais ameaças estão a mineração, extração ilegal de madeira, queimadas, mudanças nas práticas agrícolas, pressão populacional, turismo e exploração comercial de produtos naturais, como “os principais fatores de modificação ou perda de florestas, além do reconhecido efeito das mudanças climáticas”.

De acordo com o biólogo Franklin Rojas-Suárez, um dos editores do estudo, “a situação dos ecossistemas na Amazônia venezuelana é similar à de outras regiões ao sul de Orinoco”. Para ele, apesar dos perigos enfrentados pela floresta, a declaração de áreas protegidas (quatro monumentos naturais, dois parques nacionais e uma reserva da biosfera) “foi uma das principais estratégias já aplicadas em sua conservação”.

Apesar desses resultados, o botânico Otto Huber, assessor científico da Fundação Jardim Botânico da Venezuela, diz que a Amazônia venezuelana ainda conserva em suas paisagens “uma configuração muito próxima ao estado natural” – já que a cobertura das florestas sempre-verdes no estado teve, de acordo com ele, pouca redução – cerca de 10% – entre 1988 e 2010. Para Huber, os tepuis ou montanhas localizadas no norte do estado Amazonas estão “virtualmente inexplorados”.

Ele pede a instituições oficiais que façam convênios para a realização de pesquisas que estudem as modificações da floresta de 2011 em diante. Vamos ver o que dirá o próximo LR.

 

Estado de conservação do Amazonas

Bosque de palmeiras: Em 1988 foi estimada uma superfície de 4.508 km², em 2010 diminuiu para 1.412 km². Estado “vulnerável”. Entre as principais ameaças estão a agropecuária, a extração de espécies e a exploração de madeira.

Bosques sempre-verdes: 93% dos bosques sempre-verdes da Venezuela (290.018 km²) estão nos estados Amazonas, Bolívar e Delta Amacuro, sendo o Amazonas o segundo com maior extenção – 131.700 km² em 2010. Os bosques encontram-se no estado de “quase ameaçados”.

Arbustais sempre-verdes: “Preocupação menor”. Entre suas ameaças, a destruição por queimadas repetidas e atividade mineradora.

Arbustais ribeirinhos: São plantas adaptadas a períodos de inundação, se encontram ao sudoeste do Amazonas nas bacias dos rios Atabapo-Guainía, Casiquiare e Rio Negro. Abriga uma área de 12.017 km² e segundo o LR são qualificadas como “preocupação menor”. Cientistas recomendam “identificar modificações antrópicas e tomar medidas corretivas antes que se tornem ecossistemas ameaçados”.

Savana aberta em Huachamacari. Foto: Leonardo Ruíz, Livro Vermelho dos Ecossistemas da Venezuela
Savana aberta em Huachamacari. Foto: Leonardo Ruíz, Livro Vermelho dos Ecossistemas da Venezuela

Arbustais e herbáceos tepuianos: Categoria “vulnerável”, sendo suas potenciais ameaças o turismo (devido a pegadas, aterrissagem de helicópteros, atividades de escalada e rapel, voos em parapente e asa delta, introdução de espécies exóticas e acumulação de lixo).

Floresta semidecidual: Diz o LR: “a intervenção é notória, principalmente pela mineração ilegal e os efeitos desta atividade”. Risco de eliminação. “As perturbações continuarão”. Estas florestas são encontradas nos parques nacionais Duida-Marahuaca e Parima Tapirapecó, no sudeste do Amazonas.

Floresta ribeirinha: Chega a 3.622 km², categoria de “preocupação menor”. Suas ameaças são o desmatamento e a mineração. Existe debilidade na legislação ambiental em não contemplar estratégias suficientes para a proteção destas florestas, consideradas corredores ecológicos que possibilitam a dispersão de organismos e seu intercâmbio genético.

Herbáceos arbustivos sobre areia branca: “preocupação menor”. Suas principais ameaças são atividades mineiras e mudanças climáticas “que poderiam implicar em médio e longo prazo alterações no regime de inundação e aumento dos meses secos deste ecossistema”.

Herbáceos sobre areia branca em Alto Yagua. Foto: Otto Huber, Livro Vermelho dos Ecossistemas da Venezuela
Herbáceos sobre areia branca em Alto Yagua. Foto: Otto Huber, Livro Vermelho dos Ecossistemas da Venezuela

Vegetação saxícola: “vulnerável” devido ao turismo descontrolado. “Se estima que o dano gerado seja radicalmente irreversível”.

Vegetação saxícola em Laja San Borja entre El Burro e Puerto Ayacucho. Foto: Giuseppe Colonnelo, Livro Vermelho dos Ecossistemas da Venezuela
Vegetação saxícola em Laja San Borja entre El Burro e Puerto Ayacucho. Foto: Giuseppe Colonnelo, Livro Vermelho dos Ecossistemas da Venezuela

Leia também

Notícias
21 de janeiro de 2022

Em discurso de pré-candidatura, Ciro Gomes defende economia de baixo carbono

Durante a Convenção Nacional do PDT, o pré-candidato diz que a pauta ambiental é um instrumento de proteção dos ecossistemas e uma oportunidade de investimento

Análises
21 de janeiro de 2022

O Agro quer seguro rural, mas precisa mesmo é do Código Florestal

Sem cumprir as leis ambientais e sofrendo com mudanças climáticas, lideranças do Agro se mobilizam para ampliar o seguro rural com dinheiro público. Rios e florestas seguem em agonia. Moro já aderiu

Reportagens
21 de janeiro de 2022

Brasil registra recorde de extremos de chuva no início do verão

Entre 1º e 31 de dezembro de 2021, a equipe técnica do Cemaden emitiu 516 alertas de risco de desastres, como deslizamentos, inundações e enxurradas, para os 1.058 municípios monitorados

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta