Reportagens

De olhos voltados à Amazônia venezuelana

Livro Vermelho dos Ecossistemas Terrestres da Venezuela adverte sobre o estado de conservação do Amazonas e o risco de desaparecimento das florestas do país.

Evelyn Gusmán ·
17 de novembro de 2011 · 10 anos atrás
As florestas decíduas estão em áreas protegidas sob a figura dos parques nacionais como o Parima Tapirapecó. Foto: guiaviajesvirtual.com
As florestas decíduas estão em áreas protegidas sob a figura dos parques nacionais como o Parima Tapirapecó. Foto: guiaviajesvirtual.com
Uma sensação de apreensão invadiu o grupo de cientistas que trabalhou na elaboração do Livro Vermelho dos Ecossistemas Terrestres da Venezuela (LR), editado pela organização ambiental venezuelana Provita e que teve sua primeira edição publicada em dezembro de 2010. Os chamados “bosques sempre-verdes”, no sul da Venezuela, já não estariam longe da intervenção humana.

 

Na foto podem se comparar as mudanças nas formações vegetais da Venezuela atual, sobre o mapa de vegetação de 1988. Foto: Livro Vermelho dos Ecossistemas Terrestres da Venezuela  | Clique para ampliar
Na foto podem se comparar as mudanças nas formações vegetais da Venezuela atual, sobre o mapa de vegetação de 1988. Foto: Livro Vermelho dos Ecossistemas Terrestres da Venezuela | Clique para ampliar
O LR explica que as florestas do país têm uma superfície de 311.496 km², dos quais 290.018 km² estão nos estados Amazonas, Bolívar e Delta Amacuro – alguns cientistas defendem que a Amazônia venezuelana deveria abrigar os três estados. Para esta publicação somente o Amazonas foi considerado – onde, oficialmente, estão 53 mil km² da região amazônica pincelada por bosques e arbustos sempre-verdes e de palmeiras, arbustais ribeirinhos e herbáceos tepuianos, floresta semidecidual e ribeirinha, herbáceos arbustivos sobre areia branca e vegetação saxícola.

O estudo indica que em 1998 a cobertura de florestas no Amazonas era de 145.555 km². Até 2010, foram destruídos 13.825 km² o que resulta, atualmente, em 131.730 km². Entre as principais ameaças estão a mineração, extração ilegal de madeira, queimadas, mudanças nas práticas agrícolas, pressão populacional, turismo e exploração comercial de produtos naturais, como “os principais fatores de modificação ou perda de florestas, além do reconhecido efeito das mudanças climáticas”.

De acordo com o biólogo Franklin Rojas-Suárez, um dos editores do estudo, “a situação dos ecossistemas na Amazônia venezuelana é similar à de outras regiões ao sul de Orinoco”. Para ele, apesar dos perigos enfrentados pela floresta, a declaração de áreas protegidas (quatro monumentos naturais, dois parques nacionais e uma reserva da biosfera) “foi uma das principais estratégias já aplicadas em sua conservação”.

Apesar desses resultados, o botânico Otto Huber, assessor científico da Fundação Jardim Botânico da Venezuela, diz que a Amazônia venezuelana ainda conserva em suas paisagens “uma configuração muito próxima ao estado natural” – já que a cobertura das florestas sempre-verdes no estado teve, de acordo com ele, pouca redução – cerca de 10% – entre 1988 e 2010. Para Huber, os tepuis ou montanhas localizadas no norte do estado Amazonas estão “virtualmente inexplorados”.

Ele pede a instituições oficiais que façam convênios para a realização de pesquisas que estudem as modificações da floresta de 2011 em diante. Vamos ver o que dirá o próximo LR.

 

Estado de conservação do Amazonas

Bosque de palmeiras: Em 1988 foi estimada uma superfície de 4.508 km², em 2010 diminuiu para 1.412 km². Estado “vulnerável”. Entre as principais ameaças estão a agropecuária, a extração de espécies e a exploração de madeira.

Bosques sempre-verdes: 93% dos bosques sempre-verdes da Venezuela (290.018 km²) estão nos estados Amazonas, Bolívar e Delta Amacuro, sendo o Amazonas o segundo com maior extenção – 131.700 km² em 2010. Os bosques encontram-se no estado de “quase ameaçados”.

Arbustais sempre-verdes: “Preocupação menor”. Entre suas ameaças, a destruição por queimadas repetidas e atividade mineradora.

Arbustais ribeirinhos: São plantas adaptadas a períodos de inundação, se encontram ao sudoeste do Amazonas nas bacias dos rios Atabapo-Guainía, Casiquiare e Rio Negro. Abriga uma área de 12.017 km² e segundo o LR são qualificadas como “preocupação menor”. Cientistas recomendam “identificar modificações antrópicas e tomar medidas corretivas antes que se tornem ecossistemas ameaçados”.

Savana aberta em Huachamacari. Foto: Leonardo Ruíz, Livro Vermelho dos Ecossistemas da Venezuela
Savana aberta em Huachamacari. Foto: Leonardo Ruíz, Livro Vermelho dos Ecossistemas da Venezuela

Arbustais e herbáceos tepuianos: Categoria “vulnerável”, sendo suas potenciais ameaças o turismo (devido a pegadas, aterrissagem de helicópteros, atividades de escalada e rapel, voos em parapente e asa delta, introdução de espécies exóticas e acumulação de lixo).

Floresta semidecidual: Diz o LR: “a intervenção é notória, principalmente pela mineração ilegal e os efeitos desta atividade”. Risco de eliminação. “As perturbações continuarão”. Estas florestas são encontradas nos parques nacionais Duida-Marahuaca e Parima Tapirapecó, no sudeste do Amazonas.

Floresta ribeirinha: Chega a 3.622 km², categoria de “preocupação menor”. Suas ameaças são o desmatamento e a mineração. Existe debilidade na legislação ambiental em não contemplar estratégias suficientes para a proteção destas florestas, consideradas corredores ecológicos que possibilitam a dispersão de organismos e seu intercâmbio genético.

Herbáceos arbustivos sobre areia branca: “preocupação menor”. Suas principais ameaças são atividades mineiras e mudanças climáticas “que poderiam implicar em médio e longo prazo alterações no regime de inundação e aumento dos meses secos deste ecossistema”.

Herbáceos sobre areia branca em Alto Yagua. Foto: Otto Huber, Livro Vermelho dos Ecossistemas da Venezuela
Herbáceos sobre areia branca em Alto Yagua. Foto: Otto Huber, Livro Vermelho dos Ecossistemas da Venezuela

Vegetação saxícola: “vulnerável” devido ao turismo descontrolado. “Se estima que o dano gerado seja radicalmente irreversível”.

Vegetação saxícola em Laja San Borja entre El Burro e Puerto Ayacucho. Foto: Giuseppe Colonnelo, Livro Vermelho dos Ecossistemas da Venezuela
Vegetação saxícola em Laja San Borja entre El Burro e Puerto Ayacucho. Foto: Giuseppe Colonnelo, Livro Vermelho dos Ecossistemas da Venezuela

Leia também

Colunas
26 de janeiro de 2022

O que você levaria se tivesse que abandonar sua casa em 1 minuto?

Migração forçada por causa de fatores climáticos serão cada vez mais frequentes e atingirão mais pessoas. É preciso focar em políticas públicas para mitigar seus impactos

Reportagens
26 de janeiro de 2022

Especialistas criticam medidas de curto prazo adotadas contra a estiagem no Rio Grande do Sul

Governo estadual e representantes do agronegócio pedem recursos para cobertura de prejuízos, abertura acelerada de poços artesianos e até barramentos em áreas de preservação permanente

Notícias
26 de janeiro de 2022

Cientistas desmontam “falsas controvérsias” de guru ambiental de Bolsonaro

Doze dos principais cientistas ambientais do país acusam Miranda de usar credenciais da Embrapa para disseminar desinformação

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta