Reportagens

A água e seu percurso até o Rio Pastaza

Riachos e cascatas alimentam o Rio Pastaza, que atravessam comunidades das províncias Tungurahua e Morona Santiago, dependentes deste vital elemento.

Maricela Rivera ·
16 de outubro de 2012 · 9 anos atrás
Patate é uma pequena cidade à beira do rio, com um alto grau de contaminação por fungicidas, águas residuais e industriais. Crédito: Diego Acosta, Finding Species
Patate é uma pequena cidade à beira do rio, com um alto grau de contaminação por fungicidas, águas residuais e industriais. Crédito: Diego Acosta, Finding Species
A água, desde seu nascimento em páramos e lagoas, forma rios que atravessam lugares de alta concentração populacional, onde se vê afetada por fenômenos naturais ou artificiais. Esta crônica revela o percurso da água por riachos e cascatas que alimentam o Rio Pastaza nas províncias de Tungurahua e Morona Santiago, assim como seus usos e problemas.

Rio Patate
Patate, pequena cidade dedicada à produção agrícola e florícola, está situada à beira do rio do mesmo nome, que apresenta um alto grau de poluição proveniente de fungicidas, águas residuais e resíduos industriais. Além disso, recebe águas dos rios Cutuchi e Ambato, também contaminados, motivo pelo que os vilarejos nas beiras do rio não podem usá-lo.

Rio Pastaza
Seguindo o curso do Rio Patate, a vegetação vai mudando, arbustos e bromélias engalanam a paisagem, estamos perto do vulcão Tungurahua. Ali presenciamos a união dos rios Patate e Chambo, para formar o Pastaza. Suas águas se chocando e abrindo caminho entre as grandes pedras, junto ao show de luzes do sol ao fim da tarde, é um espetáculo.
 
Por sua localização, o alto Pastaza é uma região de alta biodiversidade e endemismo. Sua geografia, geologia, e clima dão origem a vários ecossistemas como florestas tropicais e os páramos. Esta bacia hidrográfica atravessa a Cordilheira dos Andes e abrange um grande sistema de montanhas, e da origem a milhares de fontes de água.

A cidade de Banhos é famosa por suas piscinas de águas sulfatadas. Crédito: Rubén Ramírez, Finding Species
A cidade de Banhos é famosa por suas piscinas de águas sulfatadas. Crédito: Rubén Ramírez, Finding Species
Banhos de Água Santa
A cidade de Banhos está em um vale rodeado de cascatas e águas termais, a 1.826 metros acima do nível do mar, e perto do vulcão Tungurahua. É terça-feira de manhã e a chuva mantém os moradores em suas casas. Enquanto isso, vamos em direção a Ulba, pequena paróquia a 4 km de Banhos, para conhecer a cascata Chamana.

Chamana é um pequeno paraíso que forma parte da rota das cascatas. Para entrar é necessário chegar ao Hostel e Restaurante Alemão de Dietrich e Regina Heinke. O casal que chegou de Alemanha há 27 anos conta que a cascata e sua casa atraem vários turistas.

O abastecimento de água não é problema na paróquia, Ulba tem vários olhos d’água e o rio, do mesmo nome, que fornece o suficiente. Sorrindo, Dietrich comenta que a água é mais saudável do que em Banhos. “Em nossa água não temos nem um grau de cloro, a água vem dos páramos de Mitza”.

Continuando a rota, encontramos o Véu da Noiva, cachoeira de aproximadamente 40 metros, que nasce do Rio Chinchín. O véu está dividido em dois por um deslizamento ocorrido em 2010. Apesar disso, a cachoeira continua sendo um atrativo importante, que muitos moradores aproveitam com atividades relacionadas ao turismo.

A cachoeira Véu da Noiva, de 40 metros de altura, nasce no Rio Chinchín, e fica a 11 quilômetros de Banhos. Crédito: Diego Acosta, Finding Species
A cachoeira Véu da Noiva, de 40 metros de altura, nasce no Rio Chinchín, e fica a 11 quilômetros de Banhos. Crédito: Diego Acosta, Finding Species
Mas a água em Banhos tem um valor agregado, é “santa”. Aos pés da cascata Chorrera, lavando sua roupa encontramos María Julia Tamayo que nos conta que a água é bendita desde que viram a Virgem Maria tomando banho aqui. “Vivemos ‘podres’ de água porque em todo lado há, são as vertentes da Virgem”, assegura.

Em Banhos a religião está ligada com a água. Cada final de semana, milhares de pessoas chegam para aliviar suas dores na água abençoada pela Virgem. Visitam as águas termais e levam garrafas de água bendita.  Aqui “a água é a base fundamental do turismo”, diz Gustavo Días, fotógrafo de 78 anos. Ele lembra que no terremoto de 1949 a água secou, e a imagem da Virgem devolveu a água á cidade. Para Gustavo, como para outros habitantes de Banhos, a água e a Virgem são muito importantes, “ela nos salvou das erupções do Tungurahua”.

Seguimos o trajeto até Pailón del Diablo, a maior cachoeira de Banhos. É uma queda-d’água de 80 metros, sobre o Rio Verde, onde o turismo é a base econômica de quase todos os habitantes.

Usina Hidrelétrica Agoyán
A 4 km de Banhos, no setor de Agoyán, fica a represa do mesmo nome. É um projeto hidrelétrico parte do sistema interconectado equatoriano. É a terceira geradora hidrelétrica mais importante do país, e forma parte da Corporação Elétrica do Equador.

A hidrelétrica aproveita a vazão das águas do Rio Pastaza, tomando 120m3 de água por segundo y gerando aproximadamente 156 MW. Além de produzir eletricidade, as águas da usina abastecem quase 6.648 hectares de lavouras na zona agrícola de Píllaro.

Rio Palora
Continuando na estrada Banhos-Puyo, encontramos riachos que alimentam o Rio Pastaza, com alta importância econômica para as populações ao redor. Até os rios Verde e Negro, por exemplo, chegam turistas de todas as partes do mundo, o que permite às famílias desenvolverem novos negócios e incrementar sua renda.

Seguindo o curso do rio, em Mera, pegamos o desvio para Palora, atravessando pequenos vilarejos como La Libertad, onde a principal atividade econômica está relacionada com a pecuária e agricultura.

Já à tarde chegamos ao porto Santa Ana, onde se deve cruzar o rio Pastaza em “tarabita” (cesta presa a um cabo, estendida de uma beira à outra) e assim chegar até Palora. Preparados para cruzar, subimos à tarabita e em menos de cinco minutos estamos do outro lado.

Palora, na província de Morona Santiago, fica a 920 metros acima do nível do mar, aos pés do vulcão Sangay. Mais de 50% de seu território está dentro do Parque Nacional Sangay.

De manhã, com o vulcão Sangay como nosso vigia, iniciamos o percurso ao Rio Palora. Chegamos à paróquia Arapicos, caracterizada por seus cultivos de pitaia (fruto escamoso de várias espécies de cactos), que “o rio come”. A forte correnteza provoca deslizamentos, causando a perda dos terrenos plantados perto do rio. “É que o rio é bravo”, comenta Fermín Rojas, produtor de pitaia.

Este rio de águas rápidas e frias nasce nas ladeiras do vulcão Sangay, e se alimenta de rios como o Nayanmak, Numbayme e Nayanapamba. Mas “o Palora é bem traiçoeiro”, nos conta Pedro, taxista que nos levou, “às vezes está baixinho e a gente entra, quando nos damos conta, o rio já cresceu bastante”.

A viagem da água enche de vida os lugares por onde passa. É o liquido sem o que nenhum processo biológico funciona, o elemento em torno do que as sociedades surgem e se desenvolvem. A água nos ajuda a gerar energia, a fazer crescer nossos alimentos e nos da força e fé. Dependemos tanto da água, como ela do nosso cuidado.

Leia também

Notícias
15 de outubro de 2021

Justiça do México suspendeu revisão da meta climática, apresentada em 2020

Assim como o Brasil, o México revidou a meta para abaixo do estabelecido no Acordo de Paris. Greenpeace questionou na Justiça a nova NDC e ganhou

Reportagens
15 de outubro de 2021

Com acordo político, 1ª parte da Conferência da ONU sobre Biodiversidade chega ao fim na China

Mais de 100 países assinaram Declaração de Kunming, se comprometendo politicamente a preservar a biodiversidade do planeta

Reportagens
14 de outubro de 2021

Estudo amplia de 39 para 74 os modos de reprodução conhecidos dos anfíbios e cria nova classificação

Estudo propõe um novo sistema de classificação dos modos reprodutivos para toda essa classe de animais composta por anfíbios anuros (sapos, rãs e pererecas), salamandras e cecílias (cobras-cegas)

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta