Salada Verde

Grande Sertão Veredas: 826 hectares desapropriados

ICMBio dá continuidade ao processo de regularização fundiária nas unidades de conservação federais e adquire Fazenda Trijunção, na Bahia. 

Redação ((o))eco ·
21 de dezembro de 2010 · 11 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente

 

Parque Nacional Grande Sertão Veredas protege o Cerrado na divisa entre Minas Gerais e Bahia (fonte: ICMBio)
Parque Nacional Grande Sertão Veredas protege o Cerrado na divisa entre Minas Gerais e Bahia (fonte: ICMBio)
Brasília – Na semana passada, o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) deu continuidade ao processo de regularização fundiária das unidades de conservação federais. Além do Parque Nacional do Itatiaia, o Parque Nacional Grande Sertão Veredas, que fica na divisa dos estados de Minas Gerais e Bahia, teve desapropriados mais 825,9 hectares. O presidente do instituto, Rômulo Mello, assinou, na quinta-feira passada, a escritura pública de desapropriação administrativa da Fazenda Trijunção, situada no município de Cocos-BA.

 Rômulo Mello, presidente do ICMBio (terno marrom), e Theodoro de Hungria Machado, proprietário da fazenda (camisa azul) assinam o documento de desapropriação.   Em pé: Nudmir Kornyjezuk, da Coordenação de Regularização Fundiária do ICMBio e  funcionário do cartório. (foto: Flávio Martins)
Rômulo Mello, presidente do ICMBio (terno marrom), e Theodoro de Hungria Machado, proprietário da fazenda (camisa azul) assinam o documento de desapropriação. Em pé: Nudmir Kornyjezuk, da Coordenação de Regularização Fundiária do ICMBio e funcionário do cartório. (foto: Flávio Martins)

A fazenda encontra-se nos limites do Parque Nacional, que tem uma área total de 231.307 hectares. A desapropriação foi realizada com o consenso do proprietário, Theodoro de Hungria Machado, que recebeu R$1 milhão 180 mil pela área. De acordo com Waldemar Pires Dantas, da Coordenação Geral de Regularização Fundiária do ICMBio, Trijunção é área contínua a quatro outras fazendas, de propriedade de Roberto Marinho, que estão sendo doadas para o Parque. As cinco áreas juntas totalizam 15 mil hectares.

O coordenador afirmou que neste ano foram regularizadas duas propriedades e indenizados 16 posseiros só no Grande Sertão Veredas. Segundo ele, ainda há outras áreas a serem desapropriadas, mas falta aporte de recursos.

A desapropriação de imóveis rurais situados no interior de unidades de conservação está prevista na Lei que estabelece o Sistema Nacional de Unidades de Conservação (SNUC), uma vez que sejam declaradas de interesse público, tendo em vista a conservação dos bens naturais.

Os recursos para compra dos imóveis provêm do Orçamento Geral da União e, segundo Waldemar Pires, a estimativa para o ano que vem é de R$ 60 milhões destinados à continuidade da regularização.(Nathalia Clark)

Explore o Parque Nacional Grande Sertão Veredas

Visualizar Grande Sertão Veredas em um mapa maior

Leia também

Análises
27 de janeiro de 2022

Um lugar para as onças da Mata Atlântica na Década da Restauração

A Mata Atlântica é um pacote completo, com onças e tudo; é preciso urgentemente nos conscientizarmos que uma floresta sem bichos não tem futuro

Colunas
26 de janeiro de 2022

O que você levaria se tivesse que abandonar sua casa em 1 minuto?

Migração forçada por causa de fatores climáticos serão cada vez mais frequentes e atingirão mais pessoas. É preciso focar em políticas públicas para mitigar seus impactos

Reportagens
26 de janeiro de 2022

Especialistas criticam medidas de curto prazo adotadas contra a estiagem no Rio Grande do Sul

Governo estadual e representantes do agronegócio pedem recursos para cobertura de prejuízos, abertura acelerada de poços artesianos e até barramentos em áreas de preservação permanente

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta