Salada Verde

Livros raros são roubados do Instituto de Botânica de SP

Assaltantes chegaram a fazer piada com o vigia rendido, afirmando que o roubo das obras raras havia sido encomendado do estrangeiro.

Daniele Bragança ·
3 de fevereiro de 2012 · 10 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente
O livro Sertum palmarum brasiliensium, uma das raridades roubadas. foto: Instituto de Botânica
O livro Sertum palmarum brasiliensium, uma das raridades roubadas. foto: Instituto de Botânica
Notícias que envolvem roubo e polícia raramente são veiculadas em mídias especializadas em meio ambiente, mas uma notícia curiosa nos chamou a atenção: três obras raras de botânica foram roubadas de dentro da biblioteca do Instituto de Botânica, em São Paulo. O assalto aconteceu na tarde de ontem, por volta das 16h.

 
Segundo informações divulgadas pela Secretaria de Estado do Meio Ambiente, órgão responsável pelo Instituto de Botânica, três homens armados entraram na biblioteca disfarçados de estudantes e fizeram consultas no computador. Logo depois, anunciaram o assalto. Sete pessoas foram rendidas pelos bandidos: dois vigilantes, três bibliotecários e dois estagiários.
 
“Eles já sabiam o que queriam”, disse Vera Bononi, diretora do Instituto de Botânica, em entrevista ao Estadão. Durante a abordagem, os criminosos apontaram a arma para o bibliotecário Allan Freire de Lima e disseram que estavam ali por causa de uma encomenda internacional.
 
Foram levados até os livros e roubaram 11 volumes de Flora Fluminensis, publicada originalmente em 1827, escrita pelo frei José Mariano Velloso. Outros dois volumes das obras Sertum palmarum brasiliensium, de 1903, de João Barbosa Rodrigues, e Bambusees, de 1913, escrita por F.G. Camus.

As obras raras estavam guardadas em uma sala com chave. A segurança havia sido reforçada porque, no ano passado, um ofício enviado pela Superintendência da Polícia Federal do Rio de Janeiro informava que detentos de um presídio fluminense tinham uma lista de obras raras de botânica a serem roubadas. As conversas foram interceptadas pelos federais e repassadas aos diretores do Instituto de Botânica de São Paulo.

A 83.º DP (Parque Bristol) está investigando o caso. O Instituto de Botânico divulgou número de contato para quem tiver informações sobre o paradeiro das obras. Basta ligar para os telefones (11) 5073-2860 e (11) 8787-1414.

Nas obras roubadas estavam retratadas plantas das primeiras expedições feitas no Brasil.
 
 
Saiba mais

O livro Flora Fluminensis está digitalizado no site da Biodiversity Heritage Library (BHL) e pode ser visto aqui
O livro Sertum palmarum brasiliensium também está digitalizado no site,  assim como o Bambusees

  • Daniele Bragança

    É repórter especializada na cobertura de legislação e política ambiental. Formada em jornalismo pela Universidade do Estado d...

Leia também

Notícias
7 de dezembro de 2021

Movimento contra a especulação imobiliária abraça a Lagoa de Itaipu

Sociedade civil de Niterói protesta contra especulação imobiliária e pede para que o poder público não licencie nenhuma obra no entorno da lagoa

Notícias
7 de dezembro de 2021

Desmatamento está diretamente associado a baixo índice de progresso social na Amazônia

Municípios que mais desmataram no bioma Amazônico registram Índice de Progresso Social (IPS) 21% menor que o índice nacional, mostra estudo conduzido pelo Imazon

Notícias
7 de dezembro de 2021

Websérie de ((o))eco mostra natureza que resiste na Baía de Guanabara

"Guanabara: baía que resiste" estreia nesta terça-feira com histórias inspiradoras sobre conservação e soluções baseadas em natureza na região da Baía de Guanabara, no Rio de Janeiro

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 1

  1. Treep diz:

    Lugar perfeito e repleto de natureza!
    Eu ainda não sabia da existência e agora já quero estar lá!