Salada Verde

Alerj votará projeto que anexa a Floresta do Camboatá ao Parque Estadual do Mendanha

Apesar de aprovado por duas comissões há mais de um ano, o texto só será levado agora para votação no plenário. Proposta pode frear avanço de projeto do autódromo sobre Camboatá

Daniele Bragança ·
11 de agosto de 2020 · 4 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente
Projeto de Lei nº 4438/2018. Imagem: Reprodução.

A Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) votará nesta quinta-feira (13) o projeto de lei de autoria do deputado Carlos Minc (PSB) e do ex-deputado André Larazoni que anexa a Floresta do Camboatá, em Deodoro, Zona Norte do Rio de Janeiro, ao Parque Estadual do Mendanha-Gericinó. A área, de 160 hectares, é o local onde pretendem construir o novo autódromo do Rio.

O projeto foi aprovado por duas comissões – Constituição e Justiça e Meio Ambiente – e precisa ser votado duas vezes no plenário para ir à sanção. A expectativas dos ambientalistas é que a proteção do Camboatá inviabilizaria o processo de licenciamento do novo autódromo do Rio, cuja proposta atual é ser erguido justamente naquela área verde. (Daniele Bragança).

 

Leia Também 

Floresta do Camboatá, onde as nuvens dão vida a um peixe

 

 

  • Daniele Bragança

    Repórter e editora do site ((o))eco, especializada na cobertura de legislação e política ambiental.

Leia também

Análises
11 de agosto de 2020

Floresta do Camboatá, onde as nuvens dão vida a um peixe

Camboatá foi mantida preservada ao longo dos anos em uma região que sofreu intenso processo de urbanização, representando uma importante ilha de Mata Atlântica com mais de 100 hectares

Análises
24 de julho de 2024

Portão do Inferno, um risco para o país

Governo de MT sinaliza que aguardará fim do Festival de Inverno para iniciar desmonte de parte do paredão do Parque da Chapada dos Guimarães. ICMBio diz que obra pode inviabilizar funcionamento da UC

Salada Verde
24 de julho de 2024

A gangorra climática das árvores da Mata Atlântica

Pesquisa inédita aponta que as plantas estão subindo ou descendo montanhas em busca de temperaturas mais amenas

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.