Notícias

Proteção da Floresta do Camboatá é aprovada em 1º turno por vereadores

Projeto de lei transforma a Floresta do Camboatá, no município do Rio de Janeiro, em Refúgio de Vida Silvestre. Único voto contrário à proposta foi de Carlos Bolsonaro

Duda Menegassi ·
4 de novembro de 2021

Em sessão nesta quarta-feira (03) na Câmara Municipal do Rio de Janeiro, os vereadores aprovaram, em 1º turno, a criação do Refúgio de Vida Silvestre da Floresta do Camboatá. Foram 37 votos favoráveis ao projeto e um único voto contrário, do vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos). A proposta, que garante a proteção da Floresta do Camboatá, no bairro de Deodoro, deve voltar à pauta na Câmara na próxima semana para o 2º turno de votações. A área protegida terá 171,5 hectares de extensão.

A defesa da Floresta do Camboatá, um raro remanescente de Mata Atlântica de terras baixas no município, ganhou força depois que a área ficou sob risco de vir abaixo para construção de um autódromo. O empreendimento foi descartado no início deste ano, quando Eduardo Paes assumiu a prefeitura e honrou seu compromisso feito com ambientalistas durante a candidatura de que, se eleito, vetaria o projeto do autódromo na Floresta do Camboatá. Como unidade de conservação de proteção integral, a área fica fora do alcance de empreendimentos deste tipo e poderá ser explorada apenas para turismo, lazer, pesquisa e educação ambiental.

O projeto de lei nº 1.345/2019 é originalmente de autoria do vereador Professor Célio Lupparelli (DEM) e do ex-vereador Renato Cinco. Na Câmara Municipal foi aprovado um substitutivo redigido pelo próprio Lupparelli junto a outros doze vereadores.

“Apesar de relativamente pequena, a Floresta do Camboatá possui grande relevância para a manutenção da viabilidade genética de populações de animais e plantas nativas nas áreas naturais do município do Rio de Janeiro. A proteção desta área, com a criação de uma unidade de conservação de proteção integral, com sua integração ao Mosaico Carioca de Áreas Protegidas, deve ser prioridade máxima na política ambiental e urbanística da Cidade”, detalham os parlamentares. A justificativa do projeto destaca ainda a localização estratégica da Floresta do Camboatá como conector entre os maciços florestais da Tijuca, Pedra Branca e Mendanha.

Dentro da Floresta do Camboatá já foram catalogadas 146 espécies de plantas, sendo 14 ameaçadas de extinção; 150 espécies de aves; 20 de mamíferos; 13 de répteis; 19 de anfíbios e 4 de peixes – com sete espécies de fauna ameaçadas de extinção, entre elas a do peixe das nuvens Leptopanchax opalescens.

  • Duda Menegassi

    Jornalista ambiental especializada em unidades de conservação, montanhismo e divulgação científica. Escreve para ((o))eco des...

Leia também

Análises
11 de agosto de 2020

Floresta do Camboatá, onde as nuvens dão vida a um peixe

Camboatá foi mantida preservada ao longo dos anos em uma região que sofreu intenso processo de urbanização, representando uma importante ilha de Mata Atlântica com mais de 100 hectares

Vídeos
17 de setembro de 2020

Conheça a Floresta do Camboatá, a área do Exército onde querem construir um autódromo

Enquanto o processo de licitação do autódromo do Rio começa a aparecer nas páginas policiais, movimento em prol da floresta vira referência.

Fotografia
21 de agosto de 2020

Galeria: As belezas da Floresta do Camboatá vista do alto

Nesta semana, ((o))eco esteve em Deodoro e fotografou, por cima, a Floresta que o empreendedor insiste em chamar de mato. Documentamos biodiversidade

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta