Salada Verde

Morre Nola, um dos últimos quatro rinocerontes-branco do norte

Agora restam apenas três espécimes no mundo, todos em idade avançada. Morte da fêmea, em um zoológico em San Diego, empurra a espécie para a extinção.

Daniele Bragança ·
23 de novembro de 2015 · 6 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente
Nola, em foto tirada em abril de 2015. Foto: Jeffrey Keeton/Flickr.
Nola, em foto tirada em abril de 2015. Foto: Jeffrey Keeton/Flickr.

No começo do ano, dava para contar nos dedos de uma das mãos os rinocerontes brancos do norte que restavam no mundo. Todos os cinco ainda vivos graças ao cativeiro. Em julho, morreu a fêmea Nabiré, que morava no zoológico de Dvůr Králové , na República Tcheca. Neste domingo, dia 22, a fêmea Nola foi sacrificada pelos veterinários do zoológico onde vivia, em San Diego, EUA, após o animal não se recuperar de uma cirurgia no quadril. Ela tinha 41 anos.

Em comunicado, o zoológico de San Diego divulgou que “Nas últimas 24 horas, a condição de Nola se deteriorou  e a equipe que cuida dos animais no Parque Safari intensificou os esforços para tratá-la. No início desta manhã, a equipe tomou a difícil decisão de sacrificá-la”.

Agora, só restam três espécimes, todos vivendo na reserva de Ol Pejeta, no Quênia. Sudão, o único macho da espécime, e mais duas fêmeas, são vigiados por guardas armados 24 horas por dia. A segurança tem razão de ser: os rinocerontes brancos do norte foram dizimados por causa do alto valor do seu chifre no mercado asiático, devido à crença de que são milagrosos e curam todo tipo de doença. A China e o Vietnã são os maiores compradores e o quilo do produto pode chegar a valer 60 mil dólares.

Extinção

A idade avançada dificulta a tentativa de reprodução artificial da espécie e a morte de mais um membro empurra o grupo para a extinção iminente. Na tentativa de impedi-la, o zoológico de San Diego adquiriu seis espécies do rinocerontes-brancos do sul, com o objetivo de serem usados como cobaias para inseminação artificial com embriões do rinocerontes brancos do norte. Mas para isso, será preciso avaliar a compatibilidade genética entre as duas espécies.

 

Leia Também
Vigiado 24h, assim vive o último rinoceronte branco do norte
África do Sul: matança de rinocerontes bate novo recorde
Uma guerra global pelo chifre do Rinoceronte

 

  • Daniele Bragança

    É repórter especializada na cobertura de legislação e política ambiental. Formada em jornalismo pela Universidade do Estado d...

Leia também

Colunas
27 de janeiro de 2014

Uma guerra global pelo chifre do Rinoceronte

As últimas estatística da África do Sul sobre a caça de rinocerontes confirmaram que a vantagem segue nas mãos dos criminosos. Em 2013, 1004 deles foram mortos.

Notícias
23 de janeiro de 2015

África do Sul: matança de rinocerontes bate novo recorde

Mais de 1200 animais foram abatidos no país. Desses, 827 foram mortos dentro do Parque Nacional Krueger, o principal destino safári do país.

Notícias
21 de abril de 2015

Vigiado 24h, assim vive o último rinoceronte branco do norte

Animal teve o valioso chifre decepado para não atrair caçadores. Reserva onde é mantido busca fundos para continuar funcionando.

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 1

  1. Oswaldo Borges da Costa Filho diz:

    Que pena! Temos que preservar todas as vidas do nosso planeta! Estou na torcida para que eles consigam fazer a inseminação artificial!

    Abraços do Oswaldo Borges da Costa Filho