Salada Verde

Salles assina saída de quatro chefes do Ibama de uma só vez

Os superintendentes do Amazonas, Paraíba, Bahia e Tocantins foram exonerados na última sexta-feira (09), três deles a pedido

Duda Menegassi ·
12 de abril de 2021
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente

Na última sexta-feira (09), a caneta do ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, trabalhou. Foram quatro exonerações de chefes de superintendências estaduais do Ibama assinadas por ele. Conforme consta no Diário Oficial da União, os superintendentes do Amazonas, da Paraíba e Bahia saíram “a pedido”. O único exonerado contra sua vontade teria sido o superintendente do Tocantins, o biólogo Flávio Luiz de Souza Silveira, já substituído por Luiz Carlos Fernandes que, surpresa!, é coronel aposentado da Polícia Militar de São Paulo. Os outros três postos de chefia do Ibama seguem vagos ainda nesta segunda-feira (12).

Os demais exonerados foram: o empresário Rodrigo Santos Alves, da Bahia, que havia sido nomeado em junho de 2019; o advogado Arthur Martins Navarro, da Paraíba, que estava no cargo desde outubro de 2019; e o coronel do Exército, Rezende Guimarães Filho, do Amazonas, no cargo desde abril de 2020 (depois de uma passagem de um mês na superintendência do Ibama no Amapá). Nenhum dos três tinha no currículo experiência na área ambiental.

A nomeação de Rezende, inclusive, foi uma das questionadas pelo Tribunal de Contas da União (TCU) em novembro do ano passado, por não apresentar a experiência profissional necessária ao cargo.

As superintendências são responsáveis por operações do Ibama como licenciamento ambiental, fiscalização e multas em cada um dos estados brasileiros.

*Em destaque: Foto por Gilberto Soares/MMA

Leia também

  • Duda Menegassi

    Jornalista ambiental especializada em unidades de conservação e montanhismo. Escreve para ((o))eco desde 2012. Autora do livr...

Leia também

Reportagens
19 de novembro de 2020

Superintendente do Ibama na Bahia cancela multa milionária de resort na Praia do Forte

A construção tinha sido multada em mais de R$ 7,5 milhões, mas o ato foi cancelado pelo superintendente, acusado de atropelar fases do processo

Reportagens
25 de outubro de 2021

Exploração ilegal de madeira aumenta no Mato Grosso e chega a 88,3 mil hectares em 2020

Ilegalidade atinge 38% da área total utilizada para extração de madeira no estado. Mais de 10 mil hectares explorados de forma ilegal foram em áreas protegidas

Análises
25 de outubro de 2021

Como frear crises hídricas, as atuais e as futuras?

Acompanhamos de perto, por aqui, uma expansão imobiliária desordenada, que, à luz do dia, destrói nascentes e despeja esgoto diretamente em cursos d’água

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 1

  1. Leda Aschermann diz: