Vídeos

Fundador da ONG Skytruth em entrevista exclusiva no stand de ((o))eco

O geólogo John Amos monitora vazamentos de óleo pelo mundo e defende que Brasil deve investir em tecnologia para prevenir e remediar acidentes. Assista a entrevista em inglês.

Redação ((o))eco ·
26 de setembro de 2012 · 9 anos atrás

Em entrevista exclusiva no stand de ((o))eco no VII Congresso Brasileiro de Unidades de Conservação (CBUC), em Natal, o fundador da ONG americana Skytruth, John Amos, alerta para o risco de vazamentos de óleo decorrentes da exploração do pré-sal brasileiro. Assista a entrevista em inglês.

A ONG Skytruth foi a responsável por denunciar o acidente que envolveu a britânica British Petroleum no Golfo do México, em 2010, e por divulgar imagens sobre o vazamento da plataforma operada pela Chevron, na Bacia de Campos, em novembro de 2011, no estado do Rio de Janeiro.

Veja a 1a parte da entrevista:

Veja a 2a parte da entrevista:

O geólogo americano defende que o Brasil deve investir em tecnologia para prevenir e remediar acidentes no mar.

“O Brasil teve sorte que este foi um acidente sério mas não uma catástrofe. O Brasil tem agora a oportunidade de prestar atenção e investir em tecnologias para prevenir e remediar acidentes”, argumentou Amos.

 

Leia também

Reportagens
21 de outubro de 2021

COP26 – Brasil tentou minimizar impacto das emissões da pecuária em relatório do IPCC

País também defendeu que aumento do desmatamento não é resultado da política atual brasileira. Outros países fizeram lobby para mudar relatório climático.

Reportagens
21 de outubro de 2021

Estudo aponta diretrizes para barrar a degradação acelerada de campos e savanas

As chamadas grasslands estão ameaçadas em todo o planeta, alerta um grupo internacional de pesquisadores. Solução envolve restauração e busca de alternativas de exploração econômica sustentáveis

Notícias
21 de outubro de 2021

Até 2020 Rondônia não possuía lei para regular destinação de terras públicas

Estado tem quase 30% de seu território ocupado por terras não destinadas. Briga entre Legislativo e Executivo rondonienses dificultam formalização dos processos

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta