Colunas

A “verdade” construída com mentirinhas

Políticos ruralistas afirmam que o Brasil possui 60% de áreas protegidas. Esse número absurdo foi construído com ajuda de ambientalistas.

27 de abril de 2012 · 11 anos atrás
  • Maria Tereza Jorge Pádua

    Engenheira agrônoma, membro do Conselho da Associação O Eco, membro do Conselho da Fundação Grupo Boticário de Proteção à Nat...

Na Quarta, 25, durante os debates que acompanharam a votação da reforma do Código Florestal, até presidentes de partidos políticos diziam que o Brasil possui “mais de 60% de sua extensão territorial em áreas protegidas”. Quanta ignorância. Como é possível que tenhamos deputados tão desinformados ou demagógicos? Depois refleti e concluí que eles talvez não estejam equivocados, estão apenas usando números vazios.

Eles usam o artifício de somar coisas que teoricamente parecem verdade, mas são de mentirinha. O negócio é começar somando as gigantescas e inúteis Reservas da Biosfera de dezenas de milhões de hectares com as terras indígenas e as dos quilombos, que crescem sem cessar, mais as áreas de proteção ambiental e outras semelhantes, onde quase tudo é permitido, o que é o caso das reservas extrativistas. Finalmente, adicionem-se aí as mínimas áreas verdadeiramente protegidas, embora apenas por lei, e talvez cheguemos a algo como essa cifra enganosa, para inglês ver. Ela agora é usada alegremente pelos promotores das emendas mais nefastas do reformado Código Florestal, que o Congresso aprovou nessa quarta-feira, 25 de abril.

“A verdade sem sofismas é que o Brasil não tem sequer 10% de sua extensão territorial em áreas protegidas”

Esse texto é um desabafo. Todas essas áreas supostamente de proteção foram criadas por uma mistura de ambientalistas ingênuos unidos a outros de fachada. Acabaram ajudando a construir o falso argumento de que a quantidade de áreas protegidas no Brasil é excessiva.

A verdade sem sofismas é que o Brasil não tem sequer 10% de sua extensão territorial em áreas protegidas ou unidades de conservação. Destas, dois terços não estão implantados, são intenções vazias escritas em papéis oficiais, em decretos que raramente são cumpridos. A maior parte é de áreas abandonadas à própria sorte, terras de ninguém que o Estado ou os estados ignoram.

Em plena vigência do Código Florestal vimos praticamente se acabar com o bioma Mata Atlântica, que possui hoje somente cerca de 7% de sua área original e, mesmo esta, bastante degradada. A mesma coisa aconteceu na Caatinga, com 11% restantes, e com o Cerrado, onde restam 40% em péssimo estado, e “ in extremis” a Mata de Araucária, que possui hoje menos de 200.000 hectares espalhados em ilhas esparsas e diminutas.

Nessa quarta, assistimos a chamada bancada ruralista usar e abusar de números que não têm correspondência com a realidade. Eles foram dados de bandeja pelos ambientalistas que criaram essa fantasia, fruto de exageros. Na quarta, esses exageros saíram caro e municiaram os adversários.

Leia também

Reportagens
5 de dezembro de 2022

Apoio de PT a Lira representa desafio para pauta ambiental na Câmara

Para analista, deputado é o herdeiro da política da boiada de Bolsonaro; deputado petista diz que apoio não leva partido a recuar de suas posições

Reportagens
5 de dezembro de 2022

COP15 pode definir mecanismo para proteger áreas em alto mar

Bráulio Dias também avalia que o novo governo deve fazer o Brasil retomar seu protagonismo global em conservação da biodiversidade

Salada Verde
2 de dezembro de 2022

Lula afirma que deve criar “Secretaria dos Povos Originários” com status de um Ministério

Em entrevista coletiva nesta sexta-feira (02), o presidente eleito esclareceu que fará os anúncios dos nomes do primeiro escalão depois de ser diplomado, em 12/12

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta