Fotografia

Jóias da natureza

Manoel Francisco Brito nunca prestou muita atenção em insetos. Na verdade, toda a vez que olhava um, sentia um certo asco. Até que há pouco mais de...

5 de maio de 2006 · 16 anos atrás
Manoel Francisco Brito nunca prestou muita atenção em insetos. Na verdade, toda a vez que olhava um, sentia um certo asco. Até que há pouco mais de dois anos, depois de ver as imagens de insetos que Marcos Sá Corrêa fêz em Itatiaia e cansar de ouví-lo dizer que, vistos muito de perto, eles assumem formas fascinantes, resolveu fotografá-los para ver se era verdade. É, como ilustra bem a imagem dessa libélula que está na capa de O Eco. Ela ficou muito diferente do insignificante inseto fotografado numa manhã de janeiro último perto de um riacho no Planalto Catarinense. Ganhou ares de broche na fotografia, feita com uma câmera Canon D-10 e velhíssima lente Canon macro 28mm-70mm. Bem que seu autor tentou identificar a libélula. Alistou até a ajuda de Paulo de Marco Júnior, professor da Universidade Federal de Viçosa, um dos maiores especialistas brasileiros nesse inseto. Como resposta, recebeu e-mail afirmando ser impossível identificar a espécie apenas pela fotografia. Mas foi informado que ela pertence à família Coenagrionidae, sub-ordem Zygoptera.

Leia também

Notícias
26 de novembro de 2021

Informação obtida via LAI revela que MCTI recebeu dados do desmatamento em 1º de novembro

Ministro Marcos Pontes disse que dados não foram publicados antes da Conferência do Clima porque ele estava de férias. Agenda oficial registra férias entre 8 e 19 de novembro

Notícias
26 de novembro de 2021

Jornalismo digital brasileiro se une em campanha de financiamento

Ação reúne 26 organizações com objetivo de arrecadar doações para fortalecimento do jornalismo digital de qualidade

Reportagens
26 de novembro de 2021

MPF pede anulação da Licença de Instalação do Linhão Tucuruí na terra Waimiri Atroari

Ação aponta que União e a Transnorte agem ilegalmente no licenciamento da obra. Autossuficientes em energia elétrica, os Waimiri Atroari são contra o empreendimento e sentem “a floresta sangrar”

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta