Fotografia

Testemunha do “Ciclo das águas” no estado do Amazonas

A cheia e a seca se sucedem, cada vez mais intensas, mostram os recordes. Presenciamos mudanças climáticas que nos surpreendem a cada ano.

Bruno Kelly ·
23 de julho de 2012 · 10 anos atrás

Os ciclos de cheia e seca dos rios do amazonas são fenômenos naturais que acontecem todos os anos na região. Nem por isso deixam de impressionar mesmo quem já os conhece.

Cheguei à Manaus em 2009, ano em que tivemos uma das maiores cheias já registradas. Supreendentemente, ela foi superada pela cheia de 2012. Na época, não imaginava ver tão cedo este fenômeno, de novo com tamanha intensidade, pois o recorde anterior havia sido em 1953.

Já entre as secas, sobressaiu-se a do ano de 2010, que ultrapassou os números da grande estiagem de 2005.

Os ciclos parecem ser cada vez mais intensos, o que desperta curiosidade, dúvida e medo em quem convive diariamente com estes fenômenos.

Trabalhar no Amazonas é sinônimo de grandes fotos, mas para obtê-las é preciso se preparar.  Voos para cidades do interior são raros e, com frequência, caros. A outra opção é chegar pelos rios, mas viagens de barco normalmente duram dias. Qualquer deslocamento pede uma afinada programação.

Foi gratificante desenvolver este ensaio, que denominei como “Ciclo das Águas”. Ele serve como um marco de auto avaliação, pois acredito que este trabalho está longe do fim.

Nosso planeta está em um processo de mudança e estes fenômenos são o seu termômetro. Aqui nos rios do estado do Amazonas, sentimos a cada ciclo o impacto do aquecimento global.  Somos testemunhas de mudanças climáticas, acredito. Elas nos surpreendem a cada ano.

height=”500

Bruno Kelly é natural de São José dos Campos (SP), tem 28 anos e se formou em Jornalismo pela Universidade do Vale do Paraíba – UNIVAP em 2008. Teve uma passagem pelo jornal Valeparaibano e colaborou com as agências Estado e Folhapress. Está em Manaus desde 2009, onde trabalha no Jornal A Crítica. No Amazonas, Bruno ainda desenvolve trabalhos para o GreenPeace e para agências internacionais, como Reuters e AP. Em 2010, foi vencedor do prêmio Jornalistas e Cia/HSBC de Imprensa e Sustentabilidade, na categoria Regional.

height=”500

Leia também

Reportagens
27 de janeiro de 2022

Biólogo usa imagens de satélite e inteligência artificial para mapear quaresmeiras na Mata Atlântica

A detecção é possível por meio da coloração das flores da quaresmeira, cujos tons variam do magenta ao roxo. Para isso, utilizou imagens de satélite de acesso gratuito e o chamado deep learning, um recurso de inteligência artificial

Notícias
27 de janeiro de 2022

Polícia Federal investiga maus-tratos e apreende as girafas trazidas pelo BioParque

Em operação da PF acompanhada pelo Ibama, os policiais apreenderam as 15 girafas e investigam supostos maus-tratos aos animais. BioParque nega

Análises
27 de janeiro de 2022

Um lugar para as onças da Mata Atlântica na Década da Restauração

A Mata Atlântica é um pacote completo, com onças e tudo; é preciso urgentemente nos conscientizarmos que uma floresta sem bichos não tem futuro

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta