Fotografia

Marcos Bonisson e as águas diamantinas

As fotos de Marcos Bonisson transformam os rios, lagos e cachoeiras da Chapada Diamantina em quadros abstratos, com cores e formas quase inverossímeis.

Alexandre Sant´Anna ·
6 de janeiro de 2005 · 17 anos atrás

Em 1999, o fotógrafo Marcos Bonisson viajou para a Chapada Diamantina, no interior da Bahia, em companhia da amiga Keltun Carneiro, cineasta marroquina. Durante uma semana, foram conduzidos por um guia na exploração dos 152 mil hectares do Parque Nacional, e suas montanhas, planícies, grutas, rios, lagos e cachoeiras.

“Lembro-me especialmente dos mergulhos em lagoas, cachoeiras e piscinas naturais ao longo das trilhas, e também da incrível coloração das diferentes águas que sulcam o chão desse sertão brasileiro, outrora repleto de pedras preciosas”, conta o artista visual carioca. Pela lente de Bonisson, as águas da Chapada transformam-se em pinturas abstratas, graças às combinações de formas e cores quase inverossímeis que se estabelecem nos caminhos dos rios por entre as rochas.

Marcos Bonisson começou a carreira em 1979, no projeto de intervenções urbanas Program in Progress, organizado por Hélio Oiticica. Desde então se dedica, além da fotografia, a trabalhos em vídeo e cinema. Foi diretor de Fotografia do filme Signo do Caos (2003), de Rogério Sganzerla, e participou dos projetos em vídeo Desígnio, sobre o artista plástico Artur Barrio, e Fernanda Gomes, sobre o trabalho da artista plástica. Atualmente está produzindo o vídeo Mi Casa Su Casa, em parceria com o artista Cabelo. Marcos Bonisson tem seu trabalho representado pela Galeria Artur Fidalgo, no Rio de Janeiro.

Leia também

Reportagens
19 de maio de 2022

Pesquisa questiona ocorrência de Mata Atlântica no Piauí

O estudo caracterizou flora e vegetação de florestas estacionais em municípios na área de abrangência da Lei da Mata Atlântica no Piauí e concluiu que não há espécies botânicas exclusivas do Bioma

Notícias
19 de maio de 2022

Em meio à ameaça da mineração, projeto prevê criação de parque na Serra do Curral

O projeto de lei nº 1.125/22 foi apresentado às comissões da Câmara dos Deputados nesta terça-feira (17) pelo deputado Reginaldo Lopes (PT-MG) para garantir a proteção da serra mineira

Reportagens
18 de maio de 2022

Ocupação indígena no Parque Estadual Cunhambebe quer retomar posse do território

Indígenas estão acampados desde quinta (12) ao lado da sede do parque fluminense, em mobilização pela retomada do seu território ancestral

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 3

  1. Eu espero que os indígenas sejam assentados em terras degradadas do entorno, onde eles podem produzir suas roças à vontade. Infelizmente vimos muitas vezes o resultado da entrada de indígenas nas unidades de conservação do sul da Bahia e norte do Rio Grade do Sul, para no falar do litoral de São Paulo e Paraná. A extinção local dos animais de maior porte se segue rapidamente, assim como a venda de madeira. As unidades de conservação não são palco para solucionar os nosso grave problemas sociais.


  2. Israel Gomes da Silva diz:

    Se não tem apoio de partido político, quem está bancando a picanha e a bebida que a liderança está comendo todos os dias no Sahy Vilage Shopping, sendo solicitado apenas Notinhas da comida? Todos os dias um grupo de indígenas vão à praia e aí Shopping, mesmo no frio.


  3. Salvador Sá diz:

    Parabens ao Duda pela materia, me permite concluir que estamos diante de uma nova e muito grave ameaça ao q sobrou, grave pq faz uso de uma causa nobre, mas cheia de equivocos e que está enganando muita gente e não só os próprios índios. A materia fura o cerco de silencio feito pelo ambientalismo seletivo e chapa branca midiatico.