Notícias

A boa e a má notícia do Flex-Fuel

Setor sucroalcooleiro comemora marco de 10 mi veículos flex feitos no Brasil, mas notícia é ruim para meio ambiente. Flex produz outros poluentes perigosos além de CO2.

Redação ((o))eco ·
5 de março de 2010 · 12 anos atrás

O anúncio feito ontem (4) pela Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea) de que a produção brasileira de veículos Flex-fuel – que roda tanto com álcool quanto com gasolina- havia atingido a marca de 10 milhões de unidades foi motivo de comemoração para o setor sucroalcooleiro do país. Segundo a União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Única) este é um “marco histórico” e que deve ser replicada em todo o mundo.

 Se por um lado a notícia é boa para as indústrias do ramo, por outro ela deve ser analisada com cuidado quando o assunto é o meio ambiente. O etanol sempre foi visto como um combustível “limpo”, com emissões zero de CO2, segundo o Inventário Nacional, por isso seu uso é muito defendido em carros flex-fuel. No entanto, carros movidos a álcool lançam no ar outros poluentes tão perigosos quanto o dióxido de carbono. Como já mostrou O Eco, quando um carro flex está rodando com álcool, as emissões de monóxido de carbono (CO), óxidos de nitrogênio e hidrocarbonetos são muito maiores. Um Pálio Flex, por exemplo, quando movido a álcool, emite três vezes mais NOx do que quando abastecido com gasolina, segundo levantamento feito pelo próprio Ministério do Meio Ambiente em setembro de 2009.

CO, NOx e Hidrocarbonetos são precursores do Ozônio (O3) na camada de ar que diretamente respiramos. O ozônio é causador de problemas como rinite, amigdalite, sinusite e pneumonia, além do envelhecimento precoce dos tecidos dos pulmões.
 

Leia também

Salada Verde
15 de outubro de 2021

GLO ambiental não será renovada, anuncia Mourão

A operação acabou nesta sexta-feira (15). Atuação de militares não resultou em diminuição do desmatamento na Amazônia, mesmo com efetivo e orçamento maiores que dos órgãos ambientais

Notícias
15 de outubro de 2021

Justiça do México suspendeu revisão da meta climática, apresentada em 2020

Assim como o Brasil, o México revidou a meta para abaixo do estabelecido no Acordo de Paris. Greenpeace questionou na Justiça a nova NDC e ganhou

Reportagens
15 de outubro de 2021

Com acordo político, 1ª parte da Conferência da ONU sobre Biodiversidade chega ao fim na China

Mais de 100 países assinaram Declaração de Kunming, se comprometendo politicamente a preservar a biodiversidade do planeta

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta