Notícias

Transporte aéreo pessoal

Grupo de pesquisadores da União Européia começa a desenvolver projeto de veículo aéreo para substituir carros nas ruas. Time tem três anos para apresentar resultados.

Redação ((o))eco ·
9 de março de 2010 · 12 anos atrás
A era Jetsons, com seus carros voadores, está cada vez mais perto de se concretizar. O Centro de Pesquisas da União Européia, um organismo multinacional que reúne pesquisadores de todo o velho continente, decidiu apoiar um projeto chamado Sistema de Transporte Aéreo Pessoal, que adotou a sigla PPlane. O consórcio, que recebeu financiamento de 4,4 milhões de euros para concretizar o projeto, é liderado pelo centro de pesquisa aeroespacial francês Onera e inclui universidades e institutos de pesquisas de 11 países. O objetivo maior do PPlane é tirar carros de circulação, diminuindo, assim, o trafego intenso e congestionamentos. O projeto ainda leva em conta um design ambientalmente responsável, incluindo baixos níveis de ruído e redução de emissões de gases de efeito estufa. O primeiro encontro técnico entre os pesquisadores do projeto ocorreu no final de janeiro em Tel Aviv, Israel. Eles têm três anos para apresentar resultados.

 

Via – Inovação Tecnológica – Campinas

Atalho – Projeto PPlane

 

Leia também

Notícias
26 de novembro de 2021

Informação obtida via LAI revela que MCTI recebeu dados do desmatamento em 1º de novembro

Ministro Marcos Pontes disse que dados não foram publicados antes da Conferência do Clima porque ele estava de férias. Agenda oficial registra férias entre 8 e 19 de novembro

Notícias
26 de novembro de 2021

Jornalismo digital brasileiro se une em campanha de financiamento

Ação reúne 26 organizações com objetivo de arrecadar doações para fortalecimento do jornalismo digital de qualidade

Reportagens
26 de novembro de 2021

MPF pede anulação da Licença de Instalação do Linhão Tucuruí na terra Waimiri Atroari

Ação aponta que União e a Transnorte agem ilegalmente no licenciamento da obra. Autossuficientes em energia elétrica, os Waimiri Atroari são contra o empreendimento e sentem “a floresta sangrar”

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta