Notícias

Diocese de Ourinhos (SP) critica PCHs no Rio Pardo

Engajado em causas ambientais, padre Giovanni Bruno faz campanha informando impactos ambientais e sociais das hidrelétricas.

Flávia Moraes ·
3 de junho de 2011 · 13 anos atrás

O padre Giovanni Bruno, da Diocese de Ourinhos, interior de São Paulo tornou-se um dos mais atuantes ambientalistas em uma campanha de proteção do Rio Pardo, no qual existem planos para a construção de 9 pequenas centrais hidrelétricas. O clérigo atua em parceria com a ONG Rio Pardo Vivo.

“Tive conhecimento da situação em abril, através de conversas com os amigos e da divulgação da ONG. Como a maioria do povo aqui não está sabendo de nada, estamos procurando ajudar na discussão. Todo o clero da Diocese de Ourinhos foi visitar, em maio, a região de Santa Cruz do Rio Pardo [onde três PCHs estão previstas] para conhecer mais de perto a situação”, conta o padre.

 

 

O gosto pessoal do padre Giovanni pelas causas ambientais está em sintonia com o tema da Campanha da Fraternidade 2011: “Fraternidade e a Vida no Planeta”. Assim, ele conseguiu levar as discussões ecológicas para a igreja e para o blog da diocese, chamando a atenção da população local para os empreendimentos.

“É preciso destacar que o nome de pequenas centrais hidrelétricas é só na teoria, porque elas causam grandes impactos ambientais e sociais. A região de Santa Cruz possui sítios arqueológicos que são Patrimônio Regional e Nacional, além da biodiversidade de fauna e flora. Somando os impactos dos três empreendimentos que se deseja construir no local, é como um tsunami para a natureza”, explica o pároco.

Fundador da ONG Rio Pardo Vivo, Luiz Carlos Cavalchuki, afirma que um dos problemas da construção de PCHs na região é a questão do custo-benefício. Isso porque o grande impacto ambiental das usinas Niágara, Santana e Figueira Branca não vai compensar a quantidade de energia estimadas para elas, somadas: 66 megawatts (MW).

Além disso, ressalta Cavalchuki, “o levantamento do estudo de impacto ambiental foi feito em oito meses, constando poucos dados do ecossistema do local. Muitas espécies de peixes, por exemplo, ficaram de fora, assim como os sítios arqueológicos foram abordados superficialmente, maquiando informações para agilizar as obras”.

Com o intuito de prorrogar o prazo para a avaliação do EIA-RIMA – Estudo de Impacto Ambiental e Relatório de Impacto sobre o Meio Ambiente (o prazo que foi dado para análise foi de 45 dias), a Associação de Apoio ao Desenvolvimento de Santa Cruz do Rio Pardo, emitiu um ofício à Companhia Ambiental do Estado de São Paulo – CETESB.

Links externos:

Rio Pardo Santa Cruz
Belo Monte recebe licença definitiva

{iarelatednews articleid=”24745, 24956, 24543″}

  • Flávia Moraes

    Jornalista, geógrafa e pesquisadora especializada em climatologia.

Leia também

Salada Verde
12 de junho de 2024

Em evento de transição ecológica, Lula defende exploração de petróleo na margem equatorial

Nova presidente da Petrobras diz que “país perdeu 10 anos” ao atrasar exploração e que a estatal prepara ação para convencer área ambiental do governo

Salada Verde
12 de junho de 2024

Em entrevista, Marina Silva fala sobre recuperar legislação ambiental

No mesmo dia em que Lula defendeu exploração de petróleo na Margem Equatorial, ministra diz que Brasil pode ajudar países a trilharem caminhos mais responsáveis

Salada Verde
12 de junho de 2024

ICMBio lança ferramenta com mapa interativo de UCs do país

“Navegue pelo mapa” permite aos usuários acessar informações de todas as unidades de conservação federais terrestres e marinhas do Brasil

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.