Notícias

Nova espécie de macaco na Amazônia

Pequeno primata do gênero Callicebus ainda não foi descrito, mas para o biólogo que o descobriu a espécie ainda é desconhecida pela ciência

Vandré Fonseca ·
29 de agosto de 2011 · 11 anos atrás
A nova espécie descoberta do gênero Callicebus. Crédito: Júlio Dalponte.

Manaus, AM – Uma nova espécie de macaco foi descoberta na Amazônia. Ela pertence ao gênero Callicebus, conhecido como zogue-zogue, e foi coletada durante a Expedição Guariba-Roosevelt, em dezembro do ano passado, mas ainda não foi descrita. O pequeno primata apresenta cores diferentes de outras espécies do mesmo gênero, segundo o biólogo Júlio Dalponte, responsável pela descoberta. “Este primata tem detalhes na cauda e na cabeça que não foram vistos até agora em outros zogue-zogues originários desta área”, descreve.

A expedição Guariba-Roosevelt foi realizada entre os dias primeiro e 20 de dezembro de 2010, em quatro unidades de conservação no noroeste do Mato Grosso (Reserva Extrativista Guariba-Roosevelt, Parque Estadual Tucumã, Estação Ecológica Rio Madeirinha e Estação Ecológica Rio Roosevelt). Ela foi promovida pelo WWF-Brasil e pela Secretaria de Meio Ambiente do Estado do Mato Grosso. O objetivo foi coletar informações e fazer um diagnóstico ambiental destas reservas. O trabalho será consolidado com a publicação oficial dos planos de manejo das unidades de conservação, ainda este ano.

Para Júlio Dalponte, biólogo que fez a descoberta, a espécie ainda é desconhecida pela ciência. Crédito: Lui Dalponte.

A nova espécie de zogue-zogue foi encontrada entre os rios Guariba e Roosevelt, entre os mais importantes do estado. O espécime foi depositado (tombado) no Museu Paraense Emílio-Goeldi, em Belém (PA) e agora faz parte da coleção do museu. “Ainda faremos sua descrição e publicaremos estudos mais detalhados sobre ela, mas não há dúvida de que seja uma nova espécie”, conta Júlio Dalponte. A descrição, com estudos físicos e biológicos, deve levar ainda seis meses para ser concluída.

“A perda de habitats naturais continua sendo uma grande ameaça para a biodiversidade brasileira. Por isso, é muito importante a criação e implementação de unidades de conservação com a coleta de informações e elaboração dos planos de manejo”, afirma o coordenador do Programa Amazônia do WWF-Brasil, Mauro Armelin.

 

Leia também

Notícias
20 de maio de 2022

Alto custo é principal barreira para visitação de parques

De acordo com estudo, alto custo da viagem, distância e falta de informações disponíveis são os principais obstáculos para visitação de parques naturais

Notícias
20 de maio de 2022

Presidenciáveis recebem plano para reverter boiadas ambientais de Bolsonaro

Estratégia ‘Brasil 2045’ propõe medidas para reconstruir política ambiental brasileira e fazer país retomar posição de liderança global em meio ambiente

Análises
20 de maio de 2022

O dilema de Koniam-Bebê

Ocupação indígena no Parque Estadual Cunhambebe realimenta falsa dicotomia entre unidades de conservação e territórios indígenas

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 1

  1. Cássio Garcez diz:

    Brilhante análise, Beto. Parabéns e obrigado por ela.