Notícias

Protesto de globais contra Belo Monte chega à Brasília

Integrantes do Movimento Gota D´Água, que reuniu 1.35 milhões de assinaturas contra Belo Monte teve audiência com secretário-geral da Presidência da República e ministra do Meio Ambiente.

Karina Miotto ·
21 de dezembro de 2011 · 10 anos atrás
Movimento Gota D´Água durante reunião em Brasília. Foto: Salete Hallack
Movimento Gota D´Água durante reunião em Brasília. Foto: Salete Hallack
Ontem, 20, integrantes do Movimento Gota D’água foram a Brasília entregar a petição que reuniu, em um mês, mais de um milhão de assinaturas contra a construção da hidrelétrica Belo Monte, no rio Xingu. Na companhia de representantes do Movimento Xingu Vivo para Sempre e da ONG Humanos Direitos, participaram de audiência com Gilberto Carvalho, secretário-geral da presidência da república, Edison Lobão, ministro de minas e energia e Izabela Teixeira, ministra do meio ambiente. Apesar de terem sido recebidos, o governo não dá sinais de que pretende interromper o andamento da usina.

“Estamos felizes em termos começado um diálogo com o governo. Este foi um passo muito importante, embora não haja disposição para interromper as obras. Vamos continuar a campanha em prol do debate e de uma política energética que leve em consideração o que a população do país pensa” afirma Sergio Marone, ator que idealizou o Movimento junto da jornalista Maria Paula Fernandes. De acordo com o Movimento Gota D’água, o governo deve investir em meios alternativos e menos impactantes para a geração de energia, caso da energia solar, eólica e biomassa.

Antonia Melo (Movimento Xingu Vivo para Sempre), Ricardo Resende (Humanos Direitos), Edson Lobão (ministro de minas e energia), Gilberto Carvalho (secretaria geral da presidencia da republica), Izabela Texeira (ministra do Meio Ambiente), o ator Sergio Marone e as jornalistas Maria Paula Fernandes, Tica Minami e Aline Abud - reunião no Planalto. Foto: Salete Hallack
Antonia Melo (Movimento Xingu Vivo para Sempre), Ricardo Resende (Humanos Direitos), Edson Lobão (ministro de minas e energia), Gilberto Carvalho (secretaria geral da presidencia da republica), Izabela Texeira (ministra do Meio Ambiente), o ator Sergio Marone e as jornalistas Maria Paula Fernandes, Tica Minami e Aline Abud – reunião no Planalto. Foto: Salete Hallack
“Há um custo altíssimo com uma produção muito pequena. A partir disto podemos fazer um questionamento: é viável da forma que está? O risco que Belo Monte corre que é de produzir 11 mil megawats no momento em que tiver na sua maior capacidade de água, numa cheia, e talvez não gere nada na sua maior vazante”, chegou a afirmar, no Diário do Pará, o procurador Ubiratan Cazetta, do Ministério Público Federal.

Protestos

No último final de semana milhares de pessoas foram às ruas de nove cidades do país, no terceiro protesto nacional contra a construção da usina. De acordo com a organização Amazon Watch, se o Brasil investisse em energia solar e eólica, poderia abrir mão de Belo Monte. A segunda audiência do Movimento com representantes do governo está marcada para fevereiro.

Leia também

Notícias
17 de janeiro de 2022

Livro celebra cem anos da descrição da jararaca-ilhoa com alerta sobre conservação da serpente endêmica

Escrita em linguagem acessível para o público em geral, a publicação celebra os cem anos da descrição da jararaca-ilhoa, feita por por Afrânio do Amaral (1894-1982), à época diretor do Instituto Butantan

Notícias
17 de janeiro de 2022

Rondônia proíbe destruição de equipamentos durante fiscalização ambiental

Governador sanciona, com veto parcial, lei que proíbe que fiscais do estado inutilizem maquinário apreendido em ações de fiscalização ambiental

Notícias
14 de janeiro de 2022

Thiago de Mello, conhecido como o “poeta da floresta”, morre aos 95 anos

Poeta e jornalista amazonense cantou em prosa e verso sua luta pela preservação da maior floresta tropical do mundo

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta