Notícias

Instituto Mamirauá vai monitorar onças-pintadas

Após capturas de 5 onças, projeto que estuda a ecologia do animal entrou em nova fase: elas serão monitoradas por colares de telemetria.

8 de março de 2013 · 9 anos atrás
Foto: Brandi Jo Petronio
Foto: Brandi Jo Petronio

Cinco onças-pintadas serão monitoradas pelas equipes do Instituto Mamirauá. O monitoramento faz parte do Projeto Iauaretê, que estuda a ecologia das onças-pintadas que vivem em florestas inundáveis de várzea na Amazônia. Após a primeira fase da pesquisa, que foi a captura de 5 onças-pintadas – dois machos e três fêmeas -, o projeto vai acompanhar os animais através dos colares de telemetria, que informam via satélite, a cada dois dias, a posição do animal.

O principal objetivo do Projeto Iauretê – cujo nome é uma homenagem ao famoso conto de Guimarães Rosa, “Meu tio Iauaretê” – é entender como as onças-pintadas se comportam e usam o habitat da região quando o nível da água sobe e alaga esse tipo e floresta. Iauaretê, em tupi-guarani significa onça verdadeira (iaura+etê).

Para estudá-las, no início de novembro foi iniciada a campanha para capturar as onças-pintadas. Utilizou-se 30 armadilhas de laço, espalhadas em 7 trilhas identificadas como locais de passagem de onças. “O laço é um cabo de aço flexível que prende o animal pela pata quando ele aciona a armadilha. Colocam-se as armadilhas sem isca em locais onde por onde o animal frequenta. Elas não machucam e são, hoje, consideradas a técnica mais segura e eficiente para a captura de onças-pintadas”, explicou o biólogo Emiliano Esterci Ramalho, responsável pelo Projeto Iauaretê.

O uso de armadilhas de laço é a técnica de captura recomendada pelo Centro Nacional de Pesquisa e Conservação de Mamíferos Carnívoros, do ICMBio.

Todos os dias, a equipe percorreu as trilhas para verificar as armadilhas e descobrir se algum animal foi capturado. Demorou 10 dias até o primeiro sucesso. Uma vez presa, estima-se o peso da onça foram para saber a quantidade adequada de anestésico a ser administrado, ação necessária para a instalação do colar.

“Cada onça capturada tem seu estado de saúde geral avaliado e monitorado durante todo tempo em que fica com a equipe. Ela recebe um colar de telemetria GPS, é medida e pesada, e tem o seu sangue coletado. Esse procedimento todo é realizado em aproximadamente uma hora e o animal é liberado em seguida. Após o procedimento, a equipe fica com o animal até ele dar sinais de recuperação do anestésico”, disse Ramalho.

A fase da captura terminou em fevereiro. Agora, a equipe recebe e estuda as informações enviadas pelo colar de telemetria, que mostra exatamente por onde as 5 onças-pintadas estão passando.

Copie o código e cole em sua página pessoal:
” size=”60″ />

Leia também

Notícias
28 de junho de 2022

Consema analisa licença prévia do Porto de Paratudal nesta quarta

Portos podem alterar ciclos de cheia no Pantanal e aprovação de licença prévia constitui manobra para viabilizar a hidrovia Paraguai-Paraná, alertam especialistas

Notícias
28 de junho de 2022

Promessa Oceano e investimento na economia azul são destaques do 2º dia da Conferência

O compromisso anunciado pela PNUD prevê investimentos para promover economia azul em países costeiros até 2030

Reportagens
28 de junho de 2022

Programa federal de combate ao lixo no mar recolhe só 0,03% dos resíduos

De 30 ações inicialmente previstas em plano elaborado desde o fim do governo Temer e lançado em 2019, regime Bolsonaro abandonou 25

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta