Notícias

IUCN atualiza lista de espécies ameaçadas de extinção

Na relação, a queixada, um porco-do-mato encontrado desde o México até o Sul do Brasil, passou a ser classificada como Vulnerável.

Vandré Fonseca ·
3 de julho de 2013 · 8 anos atrás
Queixada (Tayassu pecari). Classificação: Vulnerável. Foto: Ana Luzia de Souza Teixeira Cunha/Divulgação IUCN | Clique para ampliar
Queixada (Tayassu pecari). Classificação: Vulnerável. Foto: Ana Luzia de Souza Teixeira Cunha/Divulgação IUCN | Clique para ampliar

Manaus, AM – A queixada (Tayassu pecari), espécie de porco-do-mato encontrada nas Américas Central e do Sul, agora está classificada como animal Vulnerável à extinção, na Lista Vermelha das Espécies Ameaçadas da União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN, em Inglês), que foi atualizada esta semana. Até o ano passado, a espécie era listada como Quase Ameaçada.

A perda de habitat e a caça são consideradas ameaças importantes às queixadas. Mas existe a suspeita de que uma doença seja a causa principal do desaparecimento misterioso da espécie em muitas regiões. A IUCN calcula que a população de queixadas tenha declinado em 30% nos últimos 18 anos.

Mesmo a presença da espécie na Amazônia, onde a perda de habitat ainda não pode ser considerada uma grande ameaça, não significa que esse porco-do-mato esteja seguro. O grupo de especialistas da IUCN têm documentado o declínio de queixadas mesmo em áreas protegidas, onde se espera que a floresta esteja preservada, mesmo longe da Amazônia, como o Parque Nacional de Iguaçu, no Paraná.

Há registros de queda no número de animais também no Equador e na Bolívia. Na Costa Rica, por exemplo, a população de queixadas declinou 89% nos últimos anos. No México e na Guatemala, a situação é parecida, com o número de animais caindo 84% em poucos anos.

Lista de extintos

Na atualização da Lista Vermelha, três espécies foram declaradas Extintas. Visto pela última vez há mais de cem anos, em 1912, o lagarto-gigante-de-cabo-verde (Chioninia coctei) entrou para a lista dos animais que desapareceram após expedições realizadas nos últimos anos falharem em encontrar indivíduos vivos. Ele era restrito a uma ilha e duas ilhotas do Arquipépago de Cabo Verde e foi extinto devido a introdução de ratos e gatos em seu habitat.

Um pequeno peixe que vivia na bacia do Rio Santa Cruz, Arizona (EUA), o Cyprinodon arcuatus, também náo existe mais. Ele foi vítima da redução da água disponível, provocada por atividades humanas. O terceiro da relação é um camarão de água doce, o Macrobrachium leptodactylus, que existia na Ilha de Java (Indonésia) e desapareceu devido à degradação ambiental e à urbanização.

Coníferas

A atualização traz também uma nova avaliação completa das espécies de coníferas ao redor do mundo. A lista aponta que 34% dos cedros, ciprestes, abetos e outras coníferas estão ameaçados. O número representa um aumento de 4% em relação à última avaliação completa, realizada em 1998. As coníferas as maiores espécies e também com maior longevidade do planeta. O Pinus langaeva, por exemplo, pode viver aproximadamente 5 mil anos. Entre as espécies gigantes, a Sequoia sempervirens atinge 110 metros de altura.

O estado de conservação de 33 coníferas foi rebaixado, como o do Pinus radiata, pínho mais plantado no mundo, valorizado devido ao crescimento rápido e qualidades da celulose. A árvore passou de Pouco Preocupante para Ameaçada, tendo como principais fatores de risco uma expécie selvagem de cabra e ataques por um patógeno invasor. Mesmo rebaixamento sofrido pela Cedrus atlantica, nativa da Cordilheira do Atlas, na Argélia e Marrocos.

Com exceção das terras úmidas, as florestas de coníferas sequestram mais carbono do que qualquer outro bioma. São capazes de absorver três vezes mais carbono do que florestas temperadas e tropicais.

Mais de 700 espécies foram incluídas como ameaçadas na atualização da Lista Vermelha. Foi incluído também o status de conservação de 4.807 espécies. No total, 70.294 espécies foram avaliadas, sendo que 20.934, quase 30% do total, correm o risco de desaparecer do planeta, segundo a IUCN.

Total de espécies avaliadas = 70,294
Espécies ameaçadas = 20,934 (29,78%)

Extintas = 799
Extintas na natureza =61
Criticamente em Perigo = 4,227
Espécies em Perigo = 6,243
Vulneráveis = 10,464
Quase Ameaçadas = 4,742
Baixo Risco ou Dependente de Conservação = 241
Pouco Ameaçada = 31,846
Dados Insuficientes = 11,671

Clique nas imagens para ampliar e ler as legendas

Leia também

Análises
28 de maio de 2013

Zoos e aquários têm papel importante na conservação

Os críticos dos zoológicos esquecem do papel que essas instituições desempenham na conservação e recuperação de espécies ameaçadas.

Reportagens
5 de outubro de 2010

Lista Vermelha de Espécies vegetais

Maior avaliação já feita mostra que de 7 mil espécies, 22% estão ameaçadas. Situação é tão grave como a de mamíferos.

Notícias
16 de outubro de 2012

Dois primatas do Brasil entre os 25 mais ameaçados do mundo

Duas espécies exclusivas do Brasil estão na lista divulgada pela IUCN, uma delas habita a Amazônia e a outra vive na Mata Atlântica.

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta