Notícias

O melhor de Geonotícias em 2013 (parte 1)

Nesta primeira parte de nossa retrospectiva de 2013, veja o que de melhor foi apresentado em Geonotícias ao longo do ano.

Paulo André Vieira ·
23 de dezembro de 2013 · 8 anos atrás

O ano de 2013 neste blog foi marcado por incríveis imagens de satélite, mapas feitos a partir de dados de importantes estudos e fotos interstivas que nos mostraram as belezas de nosso planeta. Vamos relembrar alguns desses momentos na primeira parte de nossa retrospectiva. Aproveitem!

 

O Observatório da Terra da NASA é uma de nossas principais fontes de imagens de satélite. Nesta podemos ver a Serra da Cangalha, uma cratera causada pelo impacto de um meteorito mais bem conservada do Brasil, repousando sobre sedimentos datados estimadamente de 300 milhões de anos atrás.

Vista através dos “olhos” dos satélites artificiais que a orbitam, se revela em uma paleta de cores que vai do verde ao azul, do vermelho ao amarelo, formando imagens impressionantes que poderiam ter saído da imaginação dos maiores gênios da pintura. A imagem abaixo mostra o Arquipélago de Mergui, situado no extremo sul da Birmânia. É composto por mais de 800 ilhas.

No início de maio de 2013 o Google disponibilizou, em parceria com o Serviço Geológico dos Estados Unidos, a NASA e a revista TIME, uma compilação interativa de imagens feitas por satélite nos últimos 29 anos. Através desta incrível viagem pelo passado recente de nosso planeta, podemos ver como a intervenção do ser humano alterou a paisagem e marcou a superfície da Terra. Veja abaixo o desmatamento do estado do Pará.

Foi no Grand Canyon que a equipe de mapas do Google utilizou pela primeira vez o Street View Trekker, um sistema montado em uma mochila que permite registrar, através de um conjunto de 15 lentes apontadas para diferentes direções no topo de um mastro, imagens panorâmicas de 360 ​​graus. Estas lindas e interativas imagens cobrem mais de 75 quilômetros de trilhas e estradas na região do Grand Canyon, permitindo que milhões e milhões de pessoas que não podem visitar esta fantástica região tenham acesso a essas paisagens maravilhosas.

Esta imagem foi retirada do Google Earth em comemoração ao Dia Nacional da Caatinga, e mostram algumas áreas de conservação do bioma Caatinga. São lindas imagens que mostram o que podemos perder se não preservarmos esta jóia de nosso país. O Parque Nacional Serra da Capivara, no Piauí, é a área de maior concentração de sítios pré-históricos do continente americano e reconhecida como Patrimônio Cultural da Humanidade pela UNESCO. Pesquisas realizadas no parque resultaram no registro de 33 espécies de mamíferos não-voadores, incluindo o Mocó, único mamífero endêmico da Caatinga.

“Earth As Art” é um livro digital disponibilizado pela NASA que tem como único propósito celebrar a beleza de nosso planeta, sem nenhuma pretensão de serem interpretadas de maneira científica. A pincelada de vermelho nesta imagem feita em 2004 pelo Landsat 5 imagem é uma notável mescla de luz e nuvem nas Montanhas Rochosas canadenses. Este vale se estende desde o estado norte-americano de Montana até o sul do território canadense de Yukon. A capacidade das núvens em refletir a luz, juntamente com a baixa elevação do sol, resultou neste efeito surpreendente.

Ao olharmos através das lentes e sensores dos satélites lá de cima no espaço, podemos perceber incríveis formas geométricas desenhadas na superfície de nosso planeta, seja pela intervenção do homem ou por fenômenos naturais. Ao longo das últimas três décadas, a Arábia Saudita vem perfurando o deserto em busca de um recurso mais precioso que o petróleo. Engenheiros e agricultores têm aproveitado reservas ocultas de água para cultivar grãos, frutas e vegetais no deserto. Esses campos irrigados por um pivô central tem cerca de um quilômetro de diâmetro.

Observar os nossos parques através de fotos de satélite nunca vai substituir a experiência de caminhar por suas trilhas e sentir o cheiro da natureza. Mas é um primeiro passo para, pelo menos, saber que eles existem e onde estão localizados. No começo de 2013 fizemos uma série especial mostrando os nossos parques nacionais. Entre eles estava o Parque Nacional de Itatiaia, que pode ser visto abaixo.

Leia também
O Brasil visto pelos satélites da Nasa
As cores do planeta vistas do espaço
Três décadas vistas do espaço
Faça as trilhas do Grand Canyon sem sair de casa
A beleza da Caatinga vista do espaço
A Terra como arte
As formas do planeta vistas do espaço
Nossos parques nacionais vistos do espaço

 

 

  • Paulo André Vieira

    Produtor Editorial formado pela UFRJ, atua em ((o))eco desde 2007 escrevendo sobre geojornalismo e cuidando da edição e gestão do site.

Leia também

Reportagens
26 de outubro de 2021

Assim como desmatamento, exploração madeireira avança pelo norte de Rondônia

Divisa entre RO, MT e AM é conhecida como a “nova fronteira do desmatamento”. Do total explorado no estado, em ao menos 5 mil hectares e retirada de madeira foi feita de forma ilegal

Reportagens
26 de outubro de 2021

Banco Mundial empresta dinheiro a estados do Brasil em troca da conservação da Amazônia

Instituição financeira decide “fincar pé” na questão ambiental e impõe medidas de combate ao desmatamento em financiamentos para Mato Grosso e Amazonas, explica o executivo Renato Nardello

Reportagens
25 de outubro de 2021

Exploração ilegal de madeira aumenta no Mato Grosso e chega a 88,3 mil hectares em 2020

Ilegalidade atinge 38% da área total utilizada para extração de madeira no estado. Mais de 10 mil hectares explorados de forma ilegal foram em áreas protegidas

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta