Fotografia

Acontece nos Parques: Fotografias de uma serra que chora

Trilhas, praias liberadas, mudas para restaurar florestas e livro sobre uma cordilheira e suas belezas. Estas são as novidades dos parques.

Redação ((o))eco ·
8 de abril de 2015 · 7 anos atrás

A palavra Amantikir significa “a serra que chora” em tupi-guarani. E também é o título do novo livro do fotógrafo Ricardo Martins, vencedor do prêmio Jabuti de 2012 na categoria de melhor fotografia. O livro reúne belas paisagens e histórias da Serra da Mantiqueira, a cordilheira que se estende pelos estados de São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro. Uma região que abriga várias unidades de conservação da Mata Atlântica, como a Área de Proteção Ambiental Serra da Mantiqueira, o Parque Nacional do Itatiaia e os Parques Estaduais Serra do Brigadeiro e Serra do Papagaio. Amantikir, a serra que chora” já está disponível e pode ser adquirido com desconto no site do autor.

Também acontece nos parques:

● Na Estação Ecológica de Mata Preta (SC), a fórmula para restaurar uma um pedaço de Mata Atlântica é simples: adicione 52 mil mudas de espécies nativas.

● No Parque Nacional Marinho de Fernando de Noronha, a Praia do Cachorro está liberada aos visitantes!

Ainda há vagas para um fim de semana (10 a 12 de abril) de ação e aventura no PETAR – Parque Estadual Turístico do Alto Ribeira.

O Parque Nacional da Serra do Cipó procura brigadistas

Leia também

Análises
24 de janeiro de 2022

O legado de Thomas Lovejoy para a ecologia brasileira

Falecido em dezembro, Lovejoy concebeu o que viria a ser o mais duradouro experimento ecológico realizado até hoje em florestas tropicais

Notícias
24 de janeiro de 2022

Lewandowski suspende decreto que tirou proteção das cavernas de máxima importância

Decisão do ministro do STF acata parcialmente pedido de medida cautelar protocolado pela Rede e pelo Partido Verde, que apontam inconstitucionalidade do decreto presidencial que removeu proteção das cavernas

Notícias
24 de janeiro de 2022

Satélites apontam garimpo como responsável pela mudança da cor da água do rio Tapajós

Análise de imagens de satélite feita pelo MapBiomas aponta evidências de que a coloração diferente nas águas do rio paraense é resultado da explosão do garimpo na região

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta