Notícias

Governo homologa terra indígena para licenciar Belo Monte

Oficializar a terra indígena Arara da Volta Grande do Xingu é, desde 2011, um dos condicionantes para a usina hidrelétrica poder operar.

Redação ((o))eco ·
21 de abril de 2015 · 7 anos atrás

Construção da Usina Hidrelétrica de Belo Monte, no Pará. Foto:
Construção da Usina Hidrelétrica de Belo Monte, no Pará. Foto:

O governo publicou hoje a homologação da Terra Indígena Arara da Volta Grande do Xingu. Ela é lar dos Arara e Juruna e oficializá-la faz parte das exigências impostas para que a usina de Belo Monte receba a licença de operação, que como o nome diz, é a última licença do Ibama que a usina precisa para começar a operar.

A homologação da TI Arara da Volta do Rio Xingu estava prevista desde 2011, quando a obra começou. Faz parte do Plano Básico Ambiental (PBA) do empreendimento.

O licenciamento ambiental cumpre três fases: licença prévia, instalação e operação. Belo Monte teve outra extra, uma etapa anômala no processo de licenciamento. Recebeu do Ibama uma “licença parcial” — que não existe na legislação –, entre a licença prévia e a instalação, que permitiu que as obras continuassem mesmo sem o consórcio construtor cumprir as condicionantes ambientais do projeto.

Em 2011, apenas 4 das 23 condicionantes impostas para a obtenção da licença parcial foram cumpridas. Entre as exigências, estavam medidas compensatórias e mitigatórias como aquisição de glebas para a construção de reassentamento urbanos em Altamira, as obras de saneamento no município e os planos específicos destinados a atender os povos indígenas afetados.  

Em 2015, em 11 de fevereiro, o consórcio Norte Energia entrou com pedido para a obtenção da licença de operação. O Ibama ainda está analisando o processo.

A homologação da Terra Indígena Arara da Volta Grande do Xingu ocorreu um dia após o dia do índio (19). É uma vitória com gostinho de derrota: após anos de luta pelo reconhecimento, a posse da terra se dá como exigência para permitir uma usina que mudará o curso e a vazão do rio da qual os Juruna e os Arara dependem. Sem contar que, bem perto dali, a mineradora Belo Sun está ansiosa para explorar o ouro existente na Volta Grande.

 

 

Leia Também
Ibama: consórcio não cumpre condicionantes de Belo Monte
Ibama explica parecer de Belo Monte    
Parecer aponta falhas no licenciamento
Ministério Público divulga processos contra Belo Monte

 

 

 

Leia também

Notícias
23 de junho de 2022

Congresso aprova uso de aviões agrícolas no combate a incêndios florestais

Proposta é vista com ceticismo por especialistas. Programas de manejo controlado do fogo e mais gente em campo seriam medidas mais efetivas e de menor custo benefício, apontam

Salada Verde
23 de junho de 2022

Tchau, querido? Noruega se diz pronta para retomar Fundo Amazônia com saída de Bolsonaro

País europeu é o maior doador do Fundo Amazônia, paralisado em 2019 depois de mudanças promovidas em sua gestão pelo então ministro Ricardo Salles

Reportagens
23 de junho de 2022

Preservar 80% da Amazônia custa 7 vezes menos do que Europa gasta com suas áreas de proteção

Segundo estudo, conservar 3,5 milhões de km² da floresta, área necessária para preservar suas funções ecológicas, custaria de 1,7 a 2,8 bilhões de dólares anuais

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta