Notícias

Amazônia acumula 73 mil focos de incêndio em 2021, segundo dados do INPE

Há menos de uma semana, Bolsonaro voltou a afirmar que “floresta úmida não pega fogo”. Número de queimadas no Pampa segue em alta

Cristiane Prizibisczki ·
1 de dezembro de 2021

Apenas uma semana após o presidente Jair Bolsonaro ironizar – novamente – as queimadas na Amazônia, o Instituto de Pesquisas Espaciais (INPE) atualizou os dados em sua plataforma online indicando que, somente em 2021, o bioma acumula 73.494 focos de incêndio. 

No dia 23 de novembro, em conversa com apoiadores, Bolsonaro minimizou as notificações de focos de queimadas ao dizer que “quando acende uma fogueira de São João na Amazônia”, afirmam que a floresta “está pegando fogo”.

Dois dias depois, em entrevista a uma emissora de TV, novamente Bolsonaro disse que “floresta úmida não pega fogo” e que grande parte dos focos “é o ribeirinho, o índio, o caboclo, que tacam fogo lá”.

Segundo dados do INPE, atualizados na Plataforma do Programa Queimadas na noite de terça-feira (30/11), somente em novembro foram registrados 5.779 focos na Amazônia. O número, reflexo da chegada da estação chuvosa na maioria do país, representou uma queda de 50% em relação ao mês anterior.

De todos os biomas brasileiros, somente o Pampa ainda apresenta alta no número de queimadas. O total registrado em novembro para o bioma (81 focos) é 53% maior do que a média para o mês. Em sete dos 11 meses de 2021, o Pampa registrou números maiores do que a média.

A Mata Atlântica registrou em novembro 558 focos de calor, uma queda de 62% em relação ao mês anterior. O acumulado dos 11 meses de 2021, no entanto, já é maior do que todos os focos registrados anualmente no bioma desde 2011 (quando considerados os anos individualmente). 

A Caatinga também registrou redução no número de incêndios em novembro. Foram 3.020 focos, contra 4.305 no mês anterior. O acumulado do ano até novembro (16.620 focos), no entanto, é maior do que todos os focos registrados anualmente no bioma, desde 2012.

O Cerrado acumula 61.795 focos nos 11 meses de 2021, sendo 1901 deles ocorridos em novembro. O Pantanal já registra 8110 focos em 2021, sendo que 257 deles ocorreram em novembro. 

  • Cristiane Prizibisczki

    Cristiane Prizibisczki é Alumni do Wolfson College – Universidade de Cambridge (Reino Unido), onde participou do Press Fellow...

Leia também

Reportagens
22 de novembro de 2021

Sem verba nem planejamento, estados assumem combate ao fogo na Amazônia

Paralisação do Fundo Amazônia e inércia do governo federal empurraram para os governadores o desafio de conter as queimadas florestais, mas faltam recursos e ações eficientes

Análises
27 de setembro de 2021

A Amazônia no Acre pede socorro

A contribuição do governo do Estado do Acre para a boiada do desmatamento e das queimadas avançar no território acreano. Estado é o terceiro que mais desmatou em agosto

Notícias
1 de setembro de 2021

Amazônia tem 3º maior número de queimadas desde 2010 em agosto

Cifra só perde para os anos de 2019 e 2020 e está acima da média histórica registrada pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, o INPE

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 1

  1. Ramiro Hofmeiste de Almeida Martins Costa diz:

    LEI Nº 12.651, DE 25 DE MAIO DE 2012.
    ….
    CAPÍTULO IX
    DA PROIBIÇÃO DO USO DE FOGO E DO CONTROLE DOS INCÊNDIOS

    Art. 38. É proibido o uso de fogo na vegetação, exceto nas seguintes situações:

    …..

    § 3º Na apuração da responsabilidade pelo uso irregular do fogo em terras públicas ou particulares, a autoridade competente para fiscalização e autuação deverá comprovar o nexo de causalidade entre a ação do proprietário ou qualquer preposto e o dano efetivamente causado.

    § 4º É necessário o estabelecimento de nexo causal na verificação das responsabilidades por infração pelo uso irregular do fogo em terras públicas ou particulares.

    A perda da “Responsabilidade Objetiva” no uso do fogo foi a maior “pegadinha” da Lei 12.651. Já em 2012 mesmo as queimadas explodiram e, hoje, a ferramenta mais fácil de se utilizar, sem medo de responsabilização, na conversão da floresta em pasto, seja na grilagem, ou não, é o fogo… E vai continuar sendo pq, hoje, é praticamente impossível se multar alguém pelo uso irregular do fogo.
    Estes § 3º e 4º do artigo 38 deveriam ser alterados, ou melhor; suprimidos.