Notícias

Fauna do rio Doce em Minas acabou, diz Izabella Teixeira

Ministra do Meio Ambiente afirmou que lama da Samarco se espalhará por 9 km no mar, mas descarta, por enquanto, impacto em Abrolhos.

Rafael Ferreira ·
19 de novembro de 2015 · 6 anos atrás
Barragens de Santarém e Fundão que romperam na quinta feira (05/11), levam destruição à zona rural de Mariana, em Minas Gerais. A onda de lama já chegou ao Espírito Santo. Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil

A ministra do Meio Ambiente afirmou nesta quinta-feira (19) que a lama da barragem rompida em Mariana, no estado de Minas, acabou com a fauna do rio Doce. A ministra classificou o episódio como a “maior catástrofe ambiental do país” e afirmou que haverá impacto no mar, mas descartou a possibilidade da lama atingir o arquipélago de Abrolhos.

“Os peixes de superfície conseguiram migrar para alguns rios tributários, mas estão morrendo, e a fauna ribeirinha também foi impactada”, afirmou, em entrevista ao G1.

Segundo a modelagem feito pelo grupo de pesquisa do oceanógrafo Paulo Rosman, da Universidade do Estado do Rio de Janeiro UFRJ), a lama deverá se deslocar em direção ao Sul, em função do fluxo da maré. São esses dados que o Ministério do Meio Ambiente está usando para descartar, a princípio, um impacto em Abrolhos ou nos manguezais de Vitória, regiões com alta biodiversidade marinha.

“Vamos ter de acompanhar no tempo. O modelo gera cenários e, neles, não há expectativa de chegada a Vitória”, afirmou a ministra, que deu uma breve entrevista coletiva durante um evento sobre emissões de gases de efeito estufa, em São Paulo.

 

Leia Também
Bruno Milanez: “Auditorias apontaram 27 barragens de rejeitos sem estabilidade garantida”
No encontro com o mar, lama passará por unidades de conservação marinhas
Um decreto imoral, naturalmente

 

 

 

Leia também

Colunas
19 de novembro de 2015

Um decreto imoral, naturalmente

Decreto presidencial permite a atingidos de Mariana sacar Fundo de Garantia ao classificar rompimento como “desastre natural”.

Notícias
11 de novembro de 2015

No encontro com o mar, lama passará por unidades de conservação marinhas

Chegada dos resíduos da barragem da Samarco deve ocorrer em três dias e impactar a Reserva Biológica de Comboios, APA Costa das Algas e RVS de Santa Cruz.

Reportagens
17 de novembro de 2015

Bruno Milanez: “Auditorias apontaram 27 barragens de rejeitos sem estabilidade garantida”

Especialista alerta para "tragédias anunciadas" e para o perigoso isolamento em que governo e mineradoras tomam decisões no setor

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 13

  1. Marcos diz:

    Judas, não foi no licenciamento, por favor, né? Todos são culpados, de consumidores a industriais, de politicos a policiais…….esse é o curso do mundo que não tem mais volta…..


  2. Zé Pereira diz:

    O que acabou neste país foram os princípios, a decência e a honestidade. Órgãos públicos se rendem às empresas e suas exigências de licenciamentos acelerados e sem critérios. A culpa é de todos, empresa, licenciadores e fiscalizadores. A assembléia mineira trabalhando fortemente para facilitar ainda mais estes processos.
    Lamentável.


    1. Judas diz:

      Caro Zé Pereira, tudo indica que o problema não foi no licenciamento e sim na operação / manutenção.

      Melhor ter cautela pra não falar bobagem.


  3. Judas diz:

    Impressionante, querem que fechem a Samarco, que parem com mineração. Mas o consumo continua. Só tem mineração porque tem demanda por minério e TODOS aqui demandam.

    Uma dose de autocrítica e realidade é recomendável antes de falar asneiras.


    1. Ariane diz:

      A questão não é parar com a mineração, esse tipo de pensamento maniqueísta pelo sim ou pelo não é preguiça de pensar e argumentar.
      A questão é negligência da empresa na gestão ambiental do empreendimento que deveria priorizar ações preventivas a este tipo de desastre e a falta de preparo mínimo para minimizar tudo que vem acontecendo.


      1. Judas diz:

        Isto sim, concordo. Mas se você reparar, não é o que se prega nos comentários aqui e nas manifestações por ai.

        No entanto é bom ter cautela, pois ninguém ainda sabe a causa do acidente. Mas a PF já está atuando para isto.


  4. Camila Mendes diz:

    O que deveria ser feito: multa à SAMARCO, queda da ministra do meio ambiente e do secretário de MG, investimento para recuperação da biota e do rio (com $ da multa e verba do governo federal e estadual – MG e ES). Nada menos do que isso vai ter resultado.


    1. Gisela diz:

      a empresa já foi multada…resolveu algo?


  5. Edvard Pereira diz:

    Nesta hora quem deve mais explicações é a empresa, que já deveria ter sido fechada há muito tempo e evitado esta catástrofe. Mas tem gente que acha que este tipo de atividade gera benefícios. Gera, sim, mas só se for para as empresas que não têm compromisso com a saúde, a segurança das populações e muito menos com o meio ambiente. Daí deu no que deu. Agora é tarde se lamentar!


    1. Realista diz:

      "Acabei de escrever minha indignação na internet, pronto: cumpri meu compromisso com o meio ambiente. Agora, pegarei meu carro minério-free, produzido em Plutão, pra dar uma volta!"


      1. Ebenezer diz:

  6. Mariana diz:

    Ela é mais atuante do que imaginamos!


  7. paulo diz:

    Milagre, a ministra falou. Incrível.