Notícias

Leonardo DiCaprio se une a campanha que pede compromissos ambientais de presidenciáveis brasileiros

Entre os pedidos da campanha estão a redução do desmatamento, redução de emissões, respeito aos direitos indígenas e fortalecimento do sistema de áreas protegidas

Cristiane Prizibisczki ·
19 de setembro de 2022

A Re:wild, organização fundada por Leonardo DiCaprio, e entidades brasileiras e internacionais juntaram forças para pedir que os 12 candidatos à Presidência do Brasil se comprometam com quatro questões críticas ao meio ambiente: o fim do desmatamento em todas as suas formas e em todos os ecossistemas; redução das emissões, por meio da implementação efetiva do Acordo de Paris; respeito às populações indígenas e o local onde elas vivem e o fortalecimento do sistema de áreas protegidas no Brasil. Os candidatos receberam, na última semana, uma carta com o que ficou conhecido como “Desafio dos quatro compromissos ambientais”.

Além da Re:wild, uma das principais organizações do mundo para a conservação da biodiversidade, a campanha também conta com a parceria da Global Citizen, plataforma de ação dedicada  acabar com a extrema pobreza e a destruição do meio ambiente, com o Center for Environmental Peacebuilding (CEPB) e com o trabalho das brasileiras Rede Pró Unidades de Conservação (Rede Pró-UC) e Menos1Lixo.

Na última sexta-feira (16), DiCaprio convidou brasileiros e não brasileiros a se unirem à campanha, que conta também com um abaixo-assinado. Em seu Twitter, ele escreveu “Tenho orgulho de estar ao lado do povo brasileiro convocando todos os 12 candidatos a presidente a se comprometerem publicamente com quatro ações críticas para o nosso planeta”. Até a tarde desta segunda-feira (19), a petição já contava com 25,6 mil assinaturas.

Segundo os organizadores, o objetivo da iniciativa é lembrar os candidatos sobre sua responsabilidade global em proteger o planeta e fazer com que eles se  comprometam com uma gestão ambiental mais responsável, o que trará como consequência um país ambientalmente mais equilibrado.

“Há muito em jogo para os líderes da região ficarem quietos. Ao agir agora para proteger a natureza e conter as emissões de carbono, os políticos no Brasil e em toda a América Latina podem ajudar a mudar o rumo da crise climática”, diz o texto da petição online.

Para Angela Kuczach, diretora da Rede Pró UC, o Brasil tem uma responsabilidade enorme frente ao mundo e precisa se comportar de acordo com esse desafio, agindo com responsabilidade na agenda de combate ao desmatamento e proteção da biodiversidade. “É inadmissível assistir o que está acontecendo na Amazônia hoje, por exemplo, com o desmatamento e incêndio criminoso de Unidades de Conservação como o Parque Estadual do Cristalino II e o Refúgio de Vida Silvestre dos Rios São Benedito e Azul. Estamos transformando áreas prístinas em cinza, a floresta em deserto e rios voadores de chuvas em rios de fumaça.”

O desmatamento e as queimadas têm atingido recordes em 2022. Somente nos oito primeiros meses do ano (janeiro a agosto), a Amazônia perdeu cerca de 8 mil km² de floresta, o maior número dos últimos 15 anos. 

A degradação, primeiro passo para o corte total da vegetação, cresceu 5.322% em agosto de 2022, quando comparado com o mesmo período do ano passado. Somente nos 31 dias de agosto deste ano, foram degradados cerca de 1.000 km² de floresta, contra 18 km² de agosto de 2021.

O Cerrado também tem sido destruído pelo desmatamento. Somente no primeiro semestre deste ano, o bioma perdeu 4.728 km² de vegetação, uma alta de 15% em relação ao mesmo período do ano passado.

Amazônia, Cerrado e demais biomas brasileiros também enfrentam o poder destruidor das chamas. Em todo o país, já foram computados mais de 127 mil focos no ano, sendo cerca de 75 mil deles somente na Amazônia.

  • Cristiane Prizibisczki

    Cristiane Prizibisczki é Alumni do Wolfson College – Universidade de Cambridge (Reino Unido), onde participou do Press Fellow...

Leia também

Reportagens
9 de dezembro de 2022

Ibama multa proprietário que domesticou araras azuis para atrair turistas

Aves eram usadas por empreendimento turístico para atrair visitantes e moravam em um carro velho. Fiscais encontraram comida inadequada usada para alimentar as araras

Reportagens
9 de dezembro de 2022

Mato Grosso se consolida como reduto de atos golpistas na Amazônia Legal

Afastamento de prefeito e prisão de empresário com registro de CAC reforçam o estado como um dos centros de planos e financiadores de atos golpistas que questionam eleição de Lula

Notícias
9 de dezembro de 2022

Lula vai herdar cerca de 5 mil km² do desmatamento causado pelo governo Bolsonaro

Somente em novembro, Amazônia perdeu 555 km² de florestas. O número, atualizado nesta sexta-feira (9) pelo INPE, é 123% maior que novembro de 2021

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta