Reportagens

O Eco/ Instituto Unibanco

Chega ao fim a primeira fase do programa de palestras para universitários sobre jornalismo ambiental, com a publicação de três reportagens enviadas por alunos.

Ana Antunes ·
26 de janeiro de 2006 · 16 anos atrás

Chegou ao fim a primeira fase do Programa O Eco/ Instituto Unibanco de Jornalismo Ambiental, que tem como objetivo oferecer a estudantes de Comunicação Social a oportunidade de discutir como os assuntos ambientais vêm sendo abordados na mídia, e como poderiam ser.

Entre setembro e novembro de 2005, foram realizadas três palestras com o jornalista Marcos Sá Corrêa, diretor do site O Eco. Cento e vinte estudantes participaram dos encontros na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio), na Universidade de São Paulo (USP) e na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

Marcos falou das mudanças do jornalismo e da carência de profissionais que saibam tratar de temas relacionados ao meio ambiente. Ele ressaltou que atualmente este tópico não aparece como uma área específica, mas perpassando assuntos urbanos, econômicos e sociais.

E a tecnologia faz a diferença. Quem tem computador em casa pode criar um canal direto de produção, aproximando-se dos veículos de comunicação. “Por falta de cobertura regular, existe no Brasil um imenso espaço para jovens repórteres e candidatos a repórter botarem um notebook debaixo do braço e baterem o imenso território inexplorado das notícias importantes que acontecem no front ambiental e não chegam aos olhos e ouvidos dos brasileiros”, afirma.

O jornalismo ambiental ainda é um assunto pouco discutido no ambiente acadêmico e quase ausente da formação profissional. Na PUC, onde o professor André Trigueiro é responsável por uma disciplina eletiva dedicada ao tema, a palestra teve maior presença de alunos do que nas outras universidades. Trigueiro considera que a publicação das reportagens de estudantes foi um incentivo extra do Programa. “Assim eles vêem o final da história, e são recompensados pela sua produção”, afirma. 

Antônio Sampaio, aluno da PUC, conta que só se interessou pelo assunto depois de estudá-lo. “Eu tinha a idéia errada de que meio ambiente era só planta e bichinho. Agora entendo com este assunto está em todos os aspectos da nossa vida”, diz ele. Antônio é o autor de uma das três reportagens selecionadas para publicação aqui em O Eco. Ele escreve sobre o interesse empresarial nos novos mercados de crédito de carbono.

O Programa O Eco/ Instituto Unibanco de Jornalismo Ambiental continua em 2006, com mais uma palestra em universidade ainda a ser confirmada.

Leia as reportagens dos alunos que participaram do Programa:

Mercado modelo – por Antônio Sampaio
Créditos de carbono e índices de sustentabilidade levam empresas brasileiras a investir em projetos ambientais. Além de dar lucro, faz bem ao marketing.

Tijolo por tijolo – por Evelyn Delgado
Em Volta Redonda (RJ), prefeitura tem fábrica própria de tijolos-ecológicos para as obras públicas. Eles não usam argila nem lenha, e ainda saem mais baratos.

Bem-vindo ao seu país – por Elza Albuquerque
Projeto Unicom-Amazônia leva alunos de vários cursos da PUC-Rio para estágios de até quatro meses em Manaus. Eles são apresentados a um Brasil desconhecido.

Leia também

Reportagens
17 de maio de 2022

Amazônia tem mais de 425 mil famílias sem energia elétrica

Brasil avança na universalização da energia, mas população de áreas remotas da Amazônia ainda demandam acesso à eletricidade. Pandemia atrasou cronograma

Notícias
17 de maio de 2022

Para beneficiar pecuária, Acre reduz em até 80% imposto sobre comercialização de gado

ICMS a ser pago por pecuaristas acreanos cai de 12% para 2,4% na venda para alguns estados. Medida pode resultar em mais desmatamento, diz pesquisadora

Análises
17 de maio de 2022

Oportunidades e desafios para a implementação do Código Florestal brasileiro

A lentidão na implementação do Código Florestal representa o desperdício de uma valiosa oportunidade de transformar o uso da terra no Brasil

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta