Reportagens

Alfinetadas rurais

Em vez de esverdear o agronegócio, guerra particular entre Confederação Nacional da Agricultura e MST só mostra que assentar trabalhadores em áreas remotas sem assistência é fracasso na certa.

Redação ((o))eco ·
15 de outubro de 2009 · 12 anos atrás

Há alguns dias, a Confederação Nacional da Agricultura (CNA) e Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST) estão travando uma nova guerra particular na imprensa, desta vez motivados pelas pesquisas recentes do IBGE e IBOPE sobre a eficiência dos assentamentos de reforma agrária do governo federal. Mas os defensores do agronegócio estão ainda muito longe de provar que a produção em larga escala é o que efetivamente diminui a pobreza e ajuda a natureza. Muito pelo contrário.  Todo mundo sabe também que, depois de criados, os assentamentos são, em sua maioria, largados às traças e àqueles que se valem da ausência de governança para convencer assentados a vender ilegalmente as terras públicas, desmatar e comercializar gado a preços irrisórios a frigoríficos que são os únicos que atingem a maioria dos assentamentos e permitem escoar, pelo menos, a carne proveniente de desmatamento. A Amazônia é repleta de histórias assim.

Confira uma delas na reportagem “Era uma vez a floresta”

Leia também

Reportagens
25 de outubro de 2021

Exploração ilegal de madeira aumenta no Mato Grosso e chega a 88,3 mil hectares em 2020

Ilegalidade atinge 38% da área total utilizada para extração de madeira no estado. Mais de 10 mil hectares explorados de forma ilegal foram em áreas protegidas

Análises
25 de outubro de 2021

Como frear crises hídricas, as atuais e as futuras?

Acompanhamos de perto, por aqui, uma expansão imobiliária desordenada, que, à luz do dia, destrói nascentes e despeja esgoto diretamente em cursos d’água

Reportagens
25 de outubro de 2021

Como os estados cuidam da Amazônia: comparamos dados de proteção, orçamento e desmatamento

Análise exclusiva do ((o))eco se debruça sobre dados ambientais dos nove estados da Amazônia Legal para compreender diferenças e semelhanças nas políticas públicas regionais

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta